Black Clover, em análise | Primeiras Impressões

Black Clover é o mais recente manga da revista Weekly Shounen Jump a ser adaptado para anime. A estreia da série foi rodeada por uma enorme antecipação. Será que a expectativa correspondeu com a realidade?

Depois de vermos o primeiro episódio de “Black Clover”, uma das séries mais antecipadas da temporada de outono, chegamos a uma rápida conclusão. “Black Clover” é uma série muito banal, que se assemelha demasiado a outras séries shounen. Os nomes podem ser outros, assim como a caracterização dos personagens ou o cenário da história. Mas é quase impossível ver “Black Clover” e não pensar “eu já vi isto antes”. Isto não quer dizer que seja mau. Mas também não é necessariamente bom.

Visto que já foram, e continuam a ser, exibidas tantas séries do género, é sempre preferível termos uma série que traga algo de novo e original, mesmo que esta siga um formato já conhecido. Dito isto, não queremos dizer que “Black Clover” seja uma série que não valha a pena ver. Para quem gostar do género shounen, a nova aposta do Studio Pierrot será certamente do seu agrado. Mas se, por acaso, quiserem uma obra mais inovadora, talvez seja melhor não perderem o vosso tempo com esta série.

Black Clover

Mas falemos do episódio em si. Um dos grandes problemas é a sua previsibilidade. E isto será muito mais fácil de perceber para quem já tiver visto qualquer shounen de sucesso, como “Naruto”, “Dragon Ball” ou “Fairy Tail”. A série parece estar mais preocupada em incluir na narrativa todos aqueles elementos mais clichés que se encontram no género shounen, do que enriquecer a sua história com algum carisma e uma sensação de novidade. Assim, é normal que o espectador esteja constantemente a prever todos os momentos que acontecem no episódio e consiga decifrar em poucos segundos que tipo de personagens compõem a história. Não há espaço para surpresas. E isso, infelizmente, torna a série muito desinteressante.

Lê Também:
6 Séries anime que não podes perder na temporada de outono 2017

Ainda assim, nem tudo é mau em “ Black Clover ”. Embora seja previsível, a série faz um bom trabalho na apresentação e introdução do universo em que se insere a história. Este aspecto é fundamental, especialmente tendo em conta que estamos perante uma série de fantasia. No género de fantasia, a construção do mundo que acolhe a história é essencial. Caso contrário, muitas das vivências dos personagens vão ser vistas com alguma indiferença ou confusão por parte do espectador. Por isso, a série tem de dar a entender como é que é viver neste universo. O que é normal ou anormal? Como é que a sociedade está organizada? Quais são os perigos deste mundo? 

black clover

A magia é a coisa mais importante no universo de “ Black Clover ”. É uma forma de estabelecer hierarquias e de fazer distinções entre grupos. Nomeadamente entre quem consegue praticar magia, e quem não consegue. Mas depois, existe também a separação social, dividindo o povo em dois grupos: os nobres e os plebeus.

Esta característica poderá ser uma mais-valia para a série. Tudo vai depender da forma como “Black Clover” decidir abordar o tema da discriminação. Por enquanto ainda não dá para perceber se a série quer explorar esta questão de uma maneira mais aprofundada. Na pior das hipóteses, este assunto pode tornar-se apenas num artifício usado para adornar a narrativa em geral.

Lê Também:
Tsuredure Children, em análise

Black Clover

“ Black Clover ” é uma série produzida pelo Studio Pierrot. Embora este estúdio tenha sido responsável por séries famosas, como “Naruto”, “Bleach” ou “Tokyo Ghoul”, a verdade é que a animação dessas mesmas séries deixou um pouco a desejar, em vários momentos. De tal modo que, ainda hoje, é alvo de chacota entre a comunidade de fãs de anime. No entanto, não há grandes defeitos a apontar na animação de “Black Clover”. Pelo contrário. A animação deste primeiro episódio foi muito consistente e fluída. Especialmente em cenas com mais movimento e ação, ou situações onde a magia estava presente.

“Black Clover” não foi a estreia incrível que se antecipava. Mas também não será a pior série da temporada. Para os eternos amantes do shounen, esta é mais um série que, possivelmente, vão gostar de ver. No entanto, se quiserem uma história original, que vos surpreenda, que vos mostre algo que vocês ainda não viram em série nenhuma, “Black Clover” não é a melhor opção.

Lê Também:
Vê a fantástica curta-metragem Blade Runner Black Out 2022

Black Clover | Trailer

5.5/10

Black Clover | Primeiras Impressões
black clover

Name: Black Clover

Description: Num mundo onde a magia é tudo, Asta e Yuno são abandonados numa igreja no mesmo dia. Enquanto Yuno possui poderes mágicos excepcionais, Asta é a única pessoa do mundo todo desprovida desse dom. Aos quinze anos, ambos recebem grimórios - livros mágicos que amplificam os poderes do seu detentor. Asta recebe um raro grimório de anti-magia, capaz de negar e repelir os feitiços do oponente. Dois opostos que nutrem uma rivalidade amigável, Yuno e Asta estão prontos para encarar os mais difíceis desafios para conquistar o seu sonho em comum: tornar-se o Rei dos Feiticeiros. Desistir não é opção! (Fonte: Crunchyroll)

  • Filipa Machado - 55
55

CONCLUSÃO

O MELHOR: Uma animação consistente. Possibilidade de abordar o tema da discriminação ao longo da temporada.

O PIOR: À primeira vista, é uma série muito parecida com outros shounen de sucesso, sem um carisma próprio. Isto faz com que a narrativa se torne previsível e não proporcione momentos de grande surpresa. A constante gritaria a que somos sujeitos por parte do ator que dá voz a Asta também não permite que o espectador aprecie minimamente o episódio.

Sending
User Rating 3.33 (9 votes)
Comments Rating 0 (0 reviews)


Sobre Filipa Machado

Licenciada em Estudos Artísticos e uma grande apaixonada (e viciada) por Literatura, Televisão, Cinema e, em especial, por Animação Japonesa.