Os melhores e piores posters da semana (12/03-18/03)

Um romance intemporal, um pai e filha deprimidos e as primeiras chamas da paixão adolescente dominam os melhores posters da passada semana.

Na passada semana, chegou aos cinemas um dos filmes mais fascinantes do ano, pelo menos de uma perspetiva promocional. Estamos a falar da versão “live-action” de A Bela e o Monstro, um filme que, na sua essência, é basicamente uma campanha publicitária que ganhou vida e cresceu para se tornar uma longa-metragem. Dizemos isto, pois trata-se de um projeto nascido única e exclusivamente da popularidade do filme de animação de 1991, de tal modo que praticamente toda a sua qualidade e apelo são diretamente provenientes do original. Consequentemente, a reação popular tem vindo a dar origem a peculiares opiniões paradoxais. Por exemplo, há quem defenda o novo filme, dizendo que devemos encarar esta versão como um projeto individual separado do original de animação. No entanto, estamos perante algo que se aproxima da exatidão medíocre do Psycho de Gus van Sant no que diz respeito à cópia de plano por plano. Quando o filme está constantemente a exigir a comparação, é impossível não o comparar com o original para o detrimento do mais recente. No entanto, também há quem tenha a reação oposta. Ou seja, quem defenda que o modo como A Bela e o Monstro está sempre a aludir à sua versão mais antiga (e cinematograficamente superior) resulta numa experiência prazerosa apoiada na doçura da nostalgia. É importante ter tudo isto em consideração, pois estas ideias em conflito refletem-se no marketing do projeto.

 


OS MELHORES POSTERS DA SEMANA

Depois de uma introdução tão focada na estreia de A Bela e o Monstro da Disney, é óbvio que a nossa primeira escolha dos melhores posters da semana pertence à campanha promocional desse romance musical.

 

melhores posters a bela e o monstro

Neste cartaz para A Bela e o Monstro vemos a sua ligação ao filme de animação de 91 em clara evidência. Antes de mais, temos as iconografias idênticas, o casal a dançar, ela de amarelo, ele de azul, a rosa e a redoma protetora. Mas depois, vemos que o próprio registo meio ilustrativo e a escolha de pouca variação cromática remetem mais para a estética elegante do filme animado do que para os estupefacientes excessos rococós da nova versão. Há um balanço precário em ação neste belíssimo poster, entre a afirmação deste filme como uma obra merecedora de valor individual (como se a sua existência não fosse uma decisão despida de qualquer interesse que não seja mercenário!) e a sua ligação nostálgica ao sucesso do passado. Para o efeito desta rubrica, o resultado final é brilhante e delicado, mesmo que pouco faça para traduzir a estética ruidosa do filme que está a promover – afinal, nunca defendemos que tem de haver absoluta honestidade na promoção de filmes, ou então nunca teríamos elogiado tanto as sobremesas coloridas do marketing de Suicide Squad.

Lê Também: Os deslumbrantes figurinos de A Bela e o Monstro

 

melhores posters everything everything

De um romance situado numa versão fantasiosa do passado setecentista de França, passamos a um romance que apenas poderia existir nesse mundo alternativo que é a América dos filmes sobre adocicado amor adolescente a florescer nos subúrbios. A proposta dramática de Everything Everything envolve uma rapariga confinada ao interior da sua casa devido ao facto de que, aparentemente, é alérgica a todo o mundo exterior, e a sua relação amorosa com o seu jovem vizinho (boy next door). Independentemente de quaisquer considerações qualitativas sobre a premissa narrativa, este cartaz é uma perfeita tradução da mesma, usando uma simples composição bipartida, um gesto simbólico e um inteligente uso de reflexos espelhados.

 

o exame melhores posters bacalaureat

Outro cartaz que faz um ótimo trabalho na sintetização visual da relação pessoal no centro do seu filme é este enlutado poster para O Exame, onde a complicada relação entre um pai e a sua filha é colocada em ênfase no meio de uma lacerante sátira social sobre o estado atual da Roménia. Espaço vazio, composição inspirada, um gesto poderoso, expressões escondidas e um bom uso de citações críticas fazem desta, uma boa adição à lista dos melhores posters da semana.

 


OS PIORES POSTERS DA SEMANA

Depois de três propostas gráficas de especial elegância, passamos à mediocridade desesperante dos piores posters da semana. Enfim, prossigamos…

 

the circle poster

Primeiro, temos o usual cliché das fotos de dois atores separados por uma linha horizontal branca. Pelo menos, devido ao seu título, este cartaz para The Circle inclui um elemento gráfico ligeiramente idiossincrático sob a forma de um círculo vermelho.

Consulta Ainda: Guia das Estreias de Cinema | Abril 2017

 

the promise poster

Depois, temos mais uma linha branca horizontal a separar fotos dos atores. Mas, se isso já não fosse mau o suficiente, este poster de The Promisse conta ainda com uma das piores taglines dos últimos tempos (Empires Fall, Love Survives – a sério?), mau Photoshop na integração dos atores e seus fundos, e a cereja no topo do bolo é o modo como a parte inferior do cartaz se recusa a seguir a ordem dos nomes que está na informação escrita do filme, mesmo que essa ordem (Oscar Isaac – Charlotte Le Bon – Christian Bale) fizesse mais sentido estético, considerando as direções de luz e de olhares nas fotos dos atores.

 

double play poster

Por fim, temos apenas um exemplo de catastrófico Photoshop. Já há algum tempo que não tínhamos este tipo de maravilhosa incompetência.

 


Será que, para a semana, continuaremos a ver A Bela e o Monstro na nossa seleção dos melhores posters? Vem descobrir!

 

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho, assim como um cinéfilo devoto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *