A moda masculina dos Globos de Ouro 2018

Numa noite em que o vestuário ganhou um caráter poderosamente simbólico, convém prestar atenção também à moda masculina em evidência nos Globos de Ouro e não só aos os esforços das mulheres cujo discurso sociopolítico dominou a cerimónia de entrega de prémios e o tapete vermelho que a precedeu.

1 de 50

É difícil pensar num tapete vermelho mais debatido e mediático do que o dos Globos de Ouro deste ano. Isto é especialmente verdade, se considerarmos que muito do furor e discussão se realizou previamente ao evento em si, quando primeiro foi anunciado que havia um apelo a que todas as mulheres presentes na cerimónia se trajassem de preto. Isto foi feito em protesto ao clima virulento de assédios, sexismo, abusos sexuais e de poder em Hollywood, que tem vindo a ser posto a nu no seguimento dos primeiros artigos investigativos sobre Harvey Weinstein e o seu império de assédio sistemático, intimidação e violações.

Lê Também:
20 filmes odiados pelas razões erradas (Parte I)

Para surpresa de muitos céticos, a noite foi um relativo triunfo feminino. Quem temia que tal escolha de vestuário transmitisse ora desrespeito pelo trabalho a ser celebrado, ora uma abordagem fútil a um assunto sério, poderá ficar relativamente aliviado. Várias atrizes, para além de vestirem preto e os crachás do movimento #TimesUp também levaram consigo uma série de ativistas de causas e organizações que combatem desigualdade e abuso. Tanto entrevistas, como discursos e, no caso de Natalie Portman, apresentações de nomeados foram também marcados por um obstinado e muito necessário teor político.

globos de ouro golden globes

Mas isso foram as mulheres. Como é que foi a noite no contingente masculino? Bem, a verdade é que foi uma noite também mergulhada na escuridão do preto, mas isso não é nenhuma surpresa. Afinal, o uniforme típico de homens convidados a este tipo de eventos é sempre o smoking preto, pelo que a suposta mostra de solidariedade masculina em trajar preto como as mulheres foi justamente encarada com o seu quê de humor e indignação. Sem fazer esforço ou mudança nenhuma, estes homens quiseram posicionar-se em solidariedade com as mulheres em protesto. No entanto, nenhum dos discursos da noite proferidos por homens mencionou o que quer que seja sobre o movimento #TimesUp ou as questões sociopolíticas que se manifestaram alto e bom som cada vez que uma atriz subia ao palco.

Em termos de vestuário, estilo e moda isto traz-nos a um assunto muito infeliz que é o modo como o preto e os crachás, quando usados por homens, se tornaram numa espécie de armadura mediática, pronta a inocular o seu detentor de qualquer controvérsia. Não será muito difícil olhar para alguns dos homens nesta noite de prémios e neles reconhecer o fedor da hipocrisia. Quando a cerimónia parou para se celebrar Kirk Douglas, várias vezes acusado de ter violado a atriz Natalie Woods, e quase toda a sala lhe deu uma ovação de pé, então essa hipocrisia tornou-se particularmente difícil de engolir.

Lê Também:
A Volta ao Mundo em 80 Filmes

Tudo isso marcou a moda masculina dos Globos de Ouro de 2018 e a sua opulenta coleção de smokings e fatos pretos. Interessante, no que diz respeito às mulheres, esta foi das cerimónias mais elegantes de sempre, cheia de vestidos perfeitamente ajustados ao corpo e linhas clássicas que beneficiaram pela falta de cor. Devido ao facto que já é costume os homens se vestirem sempre como o fizeram nesta noite, no caso deles não houve grande mudança, mas a elegância continuou a sentir-se, quer seja no uso de têxteis contrastantes em jogos monocromáticos ou impecáveis mostras de alfaiataria do mais alto nível.

Segue as setas desta galeria para veres alguns dos melhores, piores e mais interessantes looks masculinos do tapete vermelho, cerimónia e after-party dos Globos de Ouro deste ano.

1 de 50

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *