Mr. Robot | Primeiras Impressões T1

Mr. Robot é puro ecstasy cibernético para as mentes menos “digitalizadas”.

Mr. Robot pode soar a um mega cliché nos dias de hoje – em que somos açambarcados por esta cultura self-made geek de inputs e outputs de pixeis e teclados sempre online -, mas se a isso ainda adicionarmos o vetor mega conspiração, então aí é que ficamos com demasiados conceitos megalómanos para a nossa mente lenta processar. Para a maioria de vocês, sobretudo os mais cotas  (“no hard feelings”), aceitar que o mundo vai cavalgando a passos largos para a sua virtualização, não é notícia que se assimile de ânimo leve. Mas eles andam por aí, aqueles que aceitaram o outro cosmos, os piratas do ciberespaço, que sabem tudo sobre todos, que podem tudo contra todos, porque já não podemos ser só humanos sem existirmos digitalmente.

Lê mais: Nova temporada de Mr Robot ganha data de estreia e novos teasers

E é com estas assunções e presunções arrojadas de tablóide, que Elliot (Rami Malek) – uma espécie de “Neo” antes da sua libertação digital – nos dá as boas-vindas a este universo obscuro do pirateamento informático. A personagem de Elliot, num primeiro contacto, até gera alguma antipatia devido ao seu olhar esbugalhado e expressões faciais robotizadas no sentido mais anti-emocional, mas logo nos cativa com os monólogos introspetivos dotados de um timbre de voz reconfortante, que bem poderia corresponder a um qualquer cavaleiro de copas. É fácil de adivinhar, portanto, que Elliot seja recluso da sua própria solidão social, expressando-se melhor no colóquio codificado com a máquina, que aceita todos os seus comandos sem reservas.

Lê Também:
Mr. Robot | Chegou o primeiro teaser da intensa última temporada

mr-robot-primeiras-impressoes-t1-imag1

Vê ainda: Globos de Ouro 2016 | Lista Completa de Vencedores

Curiosamente, é na demanda por essa exploração do lado não verbal – pelo menos nos moldes convencionais – que Mr. Robot revela toda a sua proficiência e engenho, permitindo o acesso “in loco” aos  pensamentos mudos de Elliot para logo nos sentirmos como os felizes contemplados ao seu próprio “hacking” mental à “borlieux”. Sim, porque os “hackers” serão sempre conotados  como os eternos ladrões delinquentes da “Web”, mas Mr. Robot tenta pintar um quadro mais pitoresco destes piratas de símbolos e números, colocando Elliot no passadiço noctívago de um justiceiro tecnológico com um coração de Robin dos Bosques.

Consulta também: 15 Melhores Séries do Verão | Mr. Robot

Até se percebe que Elliot não queira jogar com a sua vida totalmente pelo seguro, não quando se é um “geek” de secretária sedentarizado por uma respeitável empresa de segurança cibernética (AllSafe), e mesmo que o rótulo de crânio “All Star” lhe possa oferecer “kudos” junto do “boss” Gideon (Michel Gill) e da colega “in help” Angela (Portia Doubleday), é Mr.Robot (Christian Slater) – um “hacker” pseudo vagabundo -, que incita Elliot a voos mais altos. E que voos são esses, perguntam voçês? Bem, eles – a irmandade dos “hackers” – que até assina com o cognome de “FSociety” como se estivessem nas tintas para todos vocês, afinal pretende arruinar o papão multinacional responsável pela pobreza no mundo, uma tal de “EvilCorp.” E Elliot é a nova coqueluche do dedilhado eletrónico capaz de levar avante essa missão filantrópica, libertando o comum mortal das garras dos vilões de fato e gravata que sugam as carteiras da arraia miúda.

Lê Também:
Mr. Robot | Chegou o primeiro teaser da intensa última temporada

mr-robot-primeiras-impressoes-t1-imag2

Mr. Robot é uma abordagem ousada e sensível ao universo dos saqueadores virtuais; um olhar intimista e profundo às crenças, motivações e, sobretudo, disfunções psicológicas que ajudam a desmistificar o génio destas mentes brilhantes amaldiçoadas. Mr. Robot não podia ser mais pertinente e obrigatório, mais perverso e pragmático, numa era em que as nossas vidas são cada vez menos nossas, e cada vez mais deles.

Consulta ainda: Calendário de Séries Midseason 2016


MS

Miguel Simão

Jurista e Poeta em algumas horas vagas. Cinéfilo incurável com forte pancada pelo sci-fi, que se perde algures pelo vício noturno de umas quantas séries televisivas de renome; amaldiçoado pelo perfecionismo estético de uma resma de palavras mais ou menos caras. Podem encontrar-me a divagar entre a Terra e o Espaço no meu blogue premiado Última Transmissão Humana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *