Melhores Albuns de 2017

Novos Melhores Álbuns de 2017

Na linha das melhores tradições da MHD, damos aqui a conhecer a nossa seleção dos melhores álbuns de 2107, conforme vão sendo editados ao longo do ano.

Uma visão pessoal, de espectro largo e nem sempre consensual, mas sempre orientada para o que consideramos de mais representativo entre a melhor música popular enquanto arte. Nem sempre a mais comercial, mas a que mais nos mobiliza e acreditamos que a muitos dos nossos leitores.

"A música pode mudar o mundo porque pode mudar as pessoas" Bono

18 de 18

The Weather Station, The Weather Station (Paradise of Bachelors, 6 Outubro 2017)

Não por acaso é homónimo o quarto longa-duração de Tamara Lindeman. A cantautora de Toronto mostra aqui o seu verdadeiro rosto, mesmo se sempre através do veículo do seu projecto folk The Weather Station. Longe estão as melodias delicadas e introspectivas dos registos anteriores, com que as palavras se espraiavam lentamente no meio da reverberação. A decisão de Tamara de se aventurar a produzir ela o disco é só mais um indício de uma personalidade que emerge em toda a sua força, aqui e agora, na própria forma das canções.

The Weather Station, The Weather Station

Tendo arriscado produzir o álbum, as melodias dedilhadas da sua guitarra recebem arranjos que as revestem robustamente. Abandonada a antiga suavidade sonhadora, assumem agora uma segurança e urgência novas, sublinhadas pela secção rítmica propulsiva. Mas a grande surpresa está na intrincada textura rítmica, com a voz transformada num instrumento mais percussivo do que melódico, a recitar velozmente uma quantidade inacreditável de material poético, sem alguma vez ferir a prosódia ou falhar na cadência.

“I started writing these songs with these very fast lyrics which I don’t even know where that came from, but it just sort of happened and felt super natural and fun and that maybe came from a certain amount of being into people who really mess with phrasing. (PopMatters)

Paradoxalmente, Tamara põe de lado as personagens e as grandes paisagens rurais da tradição folk que caracterizavam os discos anteriores, para contar a história da sua relação com aquele que entretanto se tornou seu marido. O assunto desta narrativa são as mil minúcias, as meias palavras e os sentimentos subtis da convivência diária, o drama de como ser si próprio na entrega ao outro, toda a tristeza que irrompe inexplicavelmente naquele que se ama. Uma história íntima, doméstica que se desenrola diante do olhar da protagonista, que a conta enquanto a vive: “I love because I see”. Nós também, agora.

THE WEATHER STATION, THE WEATHER STATION | VIDEO OFICIAL

Maria Pacheco de Amorim

18 de 18

Maria Pacheco de Amorim

Literatura, cinema, música e teoria da arte. Todas estas coisas me interessam, algumas delas ensino. Sou bastante omnívora nos meus gostos, mas não tanto que alguma vez vejam "Justin Bieber" escrito num texto meu (para além deste).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *