Razer Leviathan Mini, em Análise

 

Pequena e leve, a nova Razer Leviathan Mini ataca o mundo das colunas portáteis e entra diretamente para os primeiros lugares.

 

A Razer continua a aumentar o seu leque de opções, e agora são as colunas portáteis o novo alvo da marca. A nova Leviathan Mini oferece 24W de potência graças a duas saídas de som numa coluna pequena e leve o suficiente para conseguir ser portátil sem esforço e sem ocupar muito espaço. Depois do sucesso com o sistema de som Razer Leviathan, chega agora a versão Mini.

razer leviathan

Em primeiro vejamos o design. Tal como é habitual na Razer, o design é apelativo e capaz de ficar bem em qualquer lugar da nossa casa, sendo discreto mas com detalhes que demonstram qualidade. Com linhas retas mas com adornos interessantes, esta coluna tem um visual que nos agrada. No entanto o que queremos é som e facilidade de uso. Começando pelo som, os 24W da coluna são suficientes para oferecer um som ambiente de boa qualidade, atingindo o topo neste fator, sendo poucas as colunas que a podem acompanhar. Quer nos graves, quer nos agudos, apenas se nota alguma perda de qualidade se levarmos o volume ao máximo.

Vê também: Razer Naga Epic Chroma, em Análise

A isto junta-se uma bateria que se aguenta por 8 horas a dar som quase no máximo. Diminuam um pouco o volume e a bateria poderá chegar às 11 horas. Com facilidade em ligar-se a qualquer aparelho com Bluetooth, o grande trunfo da Leviathan Mini está na possibilidade de se ligar uma segunda coluna igual para um ambiente mais envolvente.

rzr_leviathan_mini_03_

É verdade que não é um aparelho barato, mas se querem qualidade de som nas vossas mãos, esta é uma boa escolha… e se quiserem duas colunas portáveis, então esta é a escolha óbvia. A Razer volta a apresentar um produto com 3 fatores fulcrais da marca: um bom design, boa qualidade e facilidade de uso. O seu design fica bem em qualquer sala, mas também fora de casa, sendo ideal para levar num passeio em que possamos ter bom som das músicas do nosso telemóvel.

É difícil encontrar pontos fracos nesta coluna. A Razer fez bem em tudo o que era essencial. Como tal, aqui fica a nossa sugestão!

Luís Pinto

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *