7 Coisas que (possivelmente) Não Sabias sobre A Lenda de Tarzan

O indomável Tarzan está prestes a regressar ao grande ecrã em A Lenda de Tarzan – mas muita coisa mudou no universo do insubstituível rei da selva e a MHD leva-te a descobrir algumas curiosidades sobre o novo filme de David Yates.

Tarzan permanece como um dos mais célebres heróis de ficção de aventura, sendo o objeto-tema de 24 romances do criador Edgar Rice Burroughs e um vasto número de outras sequelas autorizadas. Transpondo-se da literatura para outros meios, o filho da floresta já protagonizou também programas de rádio, bandas-desenhadas, programas televisivos e vários filmes, mas A Lenda de Tarzan promete dar um olhar fresco sobre a lendária personagem.

 

 

1. Leme incerto

tarzan6

Guillermo del Toro, Stephen Sommers e Craig Brewer trabalharam em A Lenda de Tarzan antes de David Yates assinar para realizar o filme.

 

2. Tarzans muito diferentes

tarzan3

Lê mais: Próximo papel de Margot Robbie é um regresso ao passado

Henry Cavill, Tom Hardy e Charlie Hunnam estiveram na corrida para o papel de Tarzan, no entanto, David Yates admitiu que o sueco Alexander Skarsgård foi sempre a sua primeira escolha. “Soube desde o início que tinha de ser o Alex. Encontrar um bom ator com o corpo perfeito é incrivelmente difícil. O Tarzan na minha cabeça era alto e vertical, e eu adoro a verticalidade do Alex, a sua pose, a sua graça. Para mim foi sempre o Alex; essencialmente, criámos o papel para ele”, admitiu Yates.

Lê Também:
Elle e Dakota Fanning vão interpretar duas irmãs em The Nightingale

 

3. Uma Jane também diferente?

margot

Jessica Chastain foi originalmente escolhida para interpretar Jane, mas quando o filme foi adiado, acabou por desistir do papel. Emma Stone também recusou o convite antes de Margot Robbie aceitar.

 

4. Origem

tarzan5

Lê ainda: Os filmes mais antecipados de 2016 | 18. A Lenda de Tarzan

A história de A Lenda de Tarzan não se inspira no clássico da Disney de 1999 mas sim no romance de 1912 de Edgar Rice Burroughs bem como de uma B.D. dos anos 90 da Dark Horse.

 

5. História bem diferente

tarzan4

Hollywood pode parecer obcecada com as “histórias de origem”, mas Tarzan não vai seguir o exemplo de tantos outros blockbusters. “Isso foi uma das coisas que mais me atraiu no projeto – é uma história clássica e épica que foi contada muitas, muitas vezes. Mas é quase sempre uma história de origem. E aqui, ainda que haja alguns flashbacks da sua infância, a viagem emocional não é a do homem da selva a adaptar-se a uma Londres vitoriana, é o oposto. Quando o conhecemos ele é bastante civilizado e está bem entrosado na vida britânica, mas depois regressa à sua casa emocional e é uma espécie de dicotomia entre homem e besta. Achei tudo isso muito interessante”, confessou o protagonista Alexander Skarsgård.

Lê Também:
James Bond está Sem Tempo Para Morrer no novo trailer

 

6. Músculos para que vos quero

tarzan2

Lê também: Diário de uma Rapariga Adolescente, em análise

Para atingir o físico desejado para Tarzan, Alexander Skarsgård adotou um regime rígido e rigoroso no qual trabalhou arduamente e sem parar durante mais de um ano antes das filmagens. O ator explicou que o regime se dividiu em duas fases: a primeira durou três meses, foi rica em pesos e calorias (até 7000 por dia!) e serviu para criar músculo e dimensão; a segunda, muito menos divertida, foi a fase da definição, onde a alimentação é cortada e o cardio é aumentado para queimar gordura. Infelizmente para o ator sueco, o doloroso processo teve de ser levado a cabo… duas vezes, já que 6 meses depois do final das gravações a equipa foi obrigada a regressar ao trabalho para regravar algumas cenas.

 

7. Um (super) herói autêntico

margot-tarzan

Alexander Skarsgård construiu o seu Tarzan como se de um verdadeiro super-herói se tratasse – “vejo o Tarzan como o super-herói original. Mas ele não precisa de uma capa, ou instrumentos, ou mutações para ser super. O poder dele está nos punhos. É explorar o máximo das capacidades físicas humanas. É alguém que aprende a trabalhar com a floresta e não contra ela. Tem um grande poderio físico e os seus sentidos estão particularmente desenvolvidos pela forma como foi criado”.


 

Catarina Oliveira

Licenciada em Ciências da Comunicação e com formação complementar em Design Gráfico, além de editora e diretora criativa da MHD é também uma das sócias fundadoras da mais recente face da empresa. Colaboradora de Cinema na Vogue Portugal. Gestora de conteúdo na Lava Surf Culture e NOS Empresas - Criar uma Empresa. Autora do blog de Cinema Close-Up.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *