'Tina', o documentário sobre Tina Turner.

71ª Berlinale: Competição e Berlinale Speciale

Sob o tema ‘Remodelando Formas Cinematográficas’, a Competição Oficial da 71ª Berlinale, engloba  15 filmes que vão concorrer aos Urso de Ouro e aos de Prata e há mais 11 fora de competição. O ator alemão Daniel Bruhl estreia-se na realização e apresentam-se os novos filmes de Radu Jude, Hong Sangsoo e Céline Sciamma. Cinco dos filmes em competição são de cineastas-mulheres.

A Competição de 2021 da 71ª Berlinale é compreensivelmente, muito diferente e mais limitada do que na das edições anteriores. O festival acontecerá em duas etapas: as plataformas da indústria European Film Market, Berlinale Co-Production Market, Berlinale Talents e World Cinema Fund estarão online de 1 a 5 de março só para profissionais e nós vamos acompanhar a Competição e os filmes possíveis das outras secções, aqui diariamente. De 9 a 20 de junho haverá um evento público físico de verão, um Summer Festival, se a pandemia permitir, para o grande público berlinense. São 15 filmes em Competição aos Ursos e mais 6 obras extra-competição. Uma programação mais pequena, reveladora do tempos que vivemos, mas pode-se dizer para já que é muito interessante e desafiante: small is beautiful.  Esta apresentação das duas secções mais importantes, Competição e Berlinale Speciale,  coincidiu exatamente com o dia, que em condições normais estava prevista a abertura da 71ª Berlinale.

71ª Berlinale
O actor Daniel Bruhl, estreia-se na realização com ‘Nebenan’.

A diretora executiva do Festival de Berlim, Mariette Rissenbeek justificou todas as mudanças de formato, mostrando-as igualmente como uma oportunidade de satisfazer a necessidade dos cineastas e as de muitas pessoas ligadas indústria cinematográfica, de ter uma plataforma privilegiada onde pudessem dar continuidade ao seu trabalho: ‘Este foi um dos principais motivos pelos quais não quisemos cancelar o festival deste ano. Em vez disso, ponderamos as melhores soluções possíveis. E agora, com Berlinale 2021, estamos desbravar novos caminhos’. Sob o tema ‘Remodelando Formas Cinematográficas’ coube ao diretor artístico, Carlo Chatrian anunciar esta seleção de filmes da Competição e Berlinale Speciale (Fora da Competição): ‘Esta Competição oferece-nos uma ideia do cinema como ele é e como será no futuro. A perturbação causada pelos acontecimentos de 2020, levou os cineastas a aproveitarem ao máximo esta situação e a criarem filmes profundamente pessoais. Esta competição é menos rica em números, mas muito densa em conteúdo e estilo’ justificou o director, nomeado o ano passado, o sobre a seleção 2021. ‘Dos filmes convidados, a maioria é de artistas que já estiveram no festival. A diversidade de temas é ampla e aborda assuntos bastante relevantes. Mais importante ainda, é como cada filme questiona e como faz opções ao nível da forma de contar histórias ou de documentários, através de contos, romances morais, adaptações de livros, ficção científica, histórias de amadurecimento, sátiras, filmes de época, contos de fadas, enfim, uma diversidade de género ou modelos que acompanham um processo em desenvolvimento’, conclui Chatrian.

71ª Berlinale
‘Petit Maman’, o novo filme de Céline Sciamma, em competiçao

A Competição Oficial engloba assim um total 15 filmes, dois dos quais são estreias absolutas de novos realizadores (o alemão Daniel Bruhl e o japonês Ryusuke Hamaguchi) que vão concorrer aos Urso de Ouro e Ursos de Prata. O júri será composto curiosamente só por realizadores: o iraniano Mohammad Rasoulof, o israelita Nadav Lapid, a  romena Adina Pintilie, o húngaro Ildikó Enyedi, o italiano Gianfranco Rosi e a  bósnia Jasmila Žbanić. Não haverá presidente do júri este ano, e todos vão visionar os filmes da competição numa sala de cinema em Berlim e anunciar os vencedores, embora a entrega dos prémios seja feita apenas no Summer Festival, em junho. Destaque nesta Selecção Oficial de Competição vão para a estreia do ator alemão Daniel Bruhl (revelado em ‘Adeus Lenin!’), na realização com ‘Nebenan’ e os novos títulos do romeno Radu Jude  (‘Aferim!’), com Bad Luck Banging or Loony Porn’, Albatros’ do francês Xavier Beauvois (com Jérémie Reiner), Fabian – Going to the Dogs’, do alemão Dominik Graf, de ‘Introduction’, do sul coreano Hong Sang-soo (‘A Mulher Que Fugiu’, que estava em cartaz em Portugal, antes das salas encerrarem), ‘Petit Maman’, o novo filme de Céline Sciamma (‘Retrato da Rapariga em Chamas’), ‘Forest – I See You Everywhere’, do húngaro Bence Fliegauf (Prémio Especial do Júri em 2012 com ‘Apenas o Vento’), ‘Una Película de Policias’ do mexicano Alonso Ruizpalacios, que ganhou Prémio de Argumento por ‘Museu’, em 2018, estão entre os 15 títulos desta Competição da 71ª Berlinale. Além do filme de Bruhl e Graf, a representação alemã completa-se com o documentário Mr Bachmann and His Class’, de Maria Speth e I’m Your Man’, de Maria Schrader, competem em casa. A Competição completa-se com Ballad of a White Cow’, dos iranianos Behtash Sanaeeha e Maryam Oghaddam, Memory Box’, da dupla libanesa Joana Hadjithomas e Khalil Joreige, ‘What Do We See When We Look at the Sky?’, do georgiano Alexandre Koberidze, — filme que Chatrian curiosamente fez uma referência a uma combinação entre Tarkowski e o cineasta português Miguel Gomes — e Natural Light’, do húngaro Dénes Nagy. Produções de 16 países estão representadas nesta Competição e cinco dos filmes são de mulheres-cineastas. Em 2020, eram seis os ‘filmes femininos’, entre os 18 da Competição. Na Berlinale Speciale há também alguns títulos a reter: ‘Tina’, de Dan Lindsay e T.J. Martino (HBO) muito aguardado documentário sobre Tina Turner e ‘Per Lucia’, de Pietro Marcello, sobre o músico italiano Lucio Dalla; e ainda entre outros French Exit’, de Azazel Jacobs, com Michelle Pfeiffer, num papel que tem sido muito aclamado pela crítica americana e que lhe deu uma nomeação para Melhor Actriz de Comédia nos Golden Globes 2021; ‘O Mauritano’, de Kevin Macdonald (‘O Último Rei da Escócia’) — que também deu uma surpreendente nomeação para os Golden Globes 2021, do actor francês Tahar Rahim e com Judie Foster. Este filme já adquirido para Portugal, pela Cinemundo é baseado na história verídica de um prisioneiro de Guantánamo.  JVM

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *