A Balada de Buster Scruggs

75º Festival de Veneza (4) | ‘A Balada de Buster Scruggs’ ou Era uma Vez no Oeste

Os irmão Cohen superaram com ‘A Balada de Buster Scruggs’ mais umas fronteira da indústria do cinema e sobretudo dos velhos cânones da distribuição, com este filme produzido pela plataforma Netflix. É um regresso a Veneza dez anos depois de ‘Burn After Reading’, filme de abertura em 2008.

Depois de alguma controvérsia, por causa das desequilibradas facilidades concedidas aos aos distribuidores tradicionais e as oportunidades para a difusão de produtos do nicho via web, os Irmãos Coen superaram mais uma barreira de exibição, apresentado a concurso ‘A Balada de Buster Scruggs’, um filme com produção da Netflix, que em breve vai dar igualmente uma série que vai estar disponível na plataforma. Protagonizado por Tim Blake Nelson, James Franco, Liam Neeson e Tom Waits. ‘A Balada de Buster Scruggs’ é um filme em seis partes, a partir de uma série de contos — aliás bem adequados a uma adaptação ao formato de serie de televisão — sobre a fronteira americana, contada através do humor negro e da voz única e incomparável de Joel e Ethan Coen. Cada capítulo conta uma história distinta sobre o oeste americano, inspirada na estética dos western spaghetti rodados em Itália e no sul de Espanha, na década de sessenta.

The Ballad of Buster Scruggs’

Na verdade, vários realizadores criaram filmes com temas mais ao menos comuns aos vários episódios que compõem ‘A Balada de Buster Scruggs’, só que os Coen fazem-no sempre de uma forma diferente e particular. Este é também o primeiro filme rodado inteiramente em digital pelos realizadores, no Novo México e no Nebraska; e o mais longo (132’) da carreira desta dupla de sucesso. Apesar dessa estrutura bastante apropriada para televisão ‘A Balada de Buster Scruggs’ é um filme antológico que procura mostrar as múltiplas facetas dos filmes e mitos do oeste americano: um cowboy-cantor (Tim Blake Nelson) que é um exímio pistoleiro, um inepto ladrão bancos (James Franco), uma carruagem de teatro itinerante (Liam Neeson), um garimpeiro (Tom Waits) que enganou todos, uma mulher que viaja com dois guias e finalmente uma diligência direta para o Inferno, que faz lembrar até a peça de Gil Vicente.

Lê Também:
75º Festival de Veneza (3) | ‘Assim Nasce Uma Estrela’: Amor e Música

The Ballad of Buster Scruggs’

Neste super-elenco e sobretudo nas extraordinárias interpretações assentes em diálogos hilariantes e situações à boa maneira dos Irmãos Coen, é o actor Tim Blake Nelson que aparece no primeiro segmento, no papel do anti-herói homónimo, Buster Scruggs, que aliás dá o mote aos restantes episódios de tempos variados e alguns mais felizes que outros. ‘A Balada de Buster Scruggs’ é mesmo o título da primeira história que dá nome ao suposto livro que é adaptado no filme. Não é a primeira vez que Irmãos Coen recriam à sua maneira as histórias do Oeste: ‘Indomável’ (2010), ou essa obra-prima que é ‘Este País Não é Para Velhos’ (2007), são igualmente exemplos de filmes notáveis, sobre os mitos da fronteira ‘coenianos’.

José Vieira Mendes (em Veneza)

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *