A Prisioneira, em análise

 

prisioneira

 FICHA TÉCNICA

  • Título Original: The Captive
  • Realização: Atom Egoyan
  • Elenco: Ryan Reynolds, Scott Speedman, Rosario Dawson
  • Argumento: Atom Egoyan, David Fraser,
  • NOS | Canadá | 2014 | Thriller

[starreviewmulti id=11 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’]

 

 

“A Prisioneira” é um filme fabuloso que merecia uma conclusão mais cuidada e melhor estruturada, por respeito à experiência que nos proporciona até aos quinze minutos finais.

Após o treino de patinagem artística da sua filha Cassandra (Peyton Kennedy), Matthew (Ryan Reynolds) decide fazer uma paragem para comprar uma tarte para o jantar. Deixa a filha no carro durante uns minutos, e quando regressa, já não a encontra. Oito anos passam até que surjam novos desenvolvimentos acerca do paradeiro de Cassandra (Alexia Fast),e Matt faz tudo para a encontrar e trazê-la para casa.

prisioneira

 

“A Prisioneira” é uma história subtil, que tenta chocar-nos com o que não vemos, ao contrário de muitos filmes do género, e isso é um ponto original e muito positivo, uma vez que o eventual sucesso reside nas prestações dos atores que são francamente bons nos papéis que desempenham.

O ambiente sentido no decorrer do enredo é de tensão e expectativa, pois todos os elementos se vão encadeando para o que parece ser uma conclusão brilhante. Contudo, o brilhantismo nunca chega a acontecer, o que é terrivelmente frustrante, pois não conseguimos evitar a empatia sentida pelas personagens e a desilusão pelo final.

 

tbM6L

Esta desilusão deriva da introdução de imensos elementos potencialmente interessantes, como a extensão da rede de pedofilia naquela cidade, a utilização das raparigas mais velhas para aliciamento de meninas através da internet, ou o facto de as famílias estarem a ser seguidas por membros da rede, que depois são explorados de forma muito superficial, ou então nem chegam a ser abordados. Parece que quem escreveu os quinze minutos finais não estava a par das pequenas subtilezas do enredo até àquele ponto.

prisioneira

 

Tudo o que “A Prisioneira” tem de bom, como a excelente representação e a banda sonora fabulosa que cria o ambiente adequado ao ponto de arrepiar em certos momentos, cai por terra face à má escrita. “A Prisioneira” podia ter sido um excelente filme, mas acabou por ser confinado à mediocridade.

SL

 

Lê Também:
Os Croods entram numa Nova Era em novo trailer

One thought on “A Prisioneira, em análise

  • “Prisioneira”: 2*

    “Prisioneira” tinha tudo para ser um filme perfeito, mas é apenas razoável. “The Captive” teve cenas em que fiquei confuso, pois a história ia do passado ao presente e vice-versa.

    Cumprimentos, Frederico Daniel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *