À Procura De Uma Estrela, em análise

 


Longe dos dias de A Ressaca, Bradley Cooper não anda apenas à procura de uma estrela, mas também de métodos para manter o seu estrelato em Hollywood.


 

Bradley Cooper

 FICHA TÉCNICA

Título Original: Burnt
Realizador: John Wells
Elenco: Bradley Cooper, Sienna Miller, Omar Sy, Daniel Brühl, Matthew Rhys, Emma Thompson e Uma Thurman            Género: Comédia, Drama
NOS | 2015 | 100 min

[starreviewmulti id=13 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’]

 

 

Burnt, título original, apresenta-nos Adam Jones (Bradley Cooper), um chef que destruiu a sua carreira devido ao mau comportamento, conflituosa personalidade e problema com drogas. Após a sua recuperação visa regressar ao pódio no mundo da gastronomia, através da reabertura de um novo restaurante em Londres. O seu desejo é tal que ambiciona uma nova estrela Michelin a juntar às outras duas já alcançadas quando esteve Paris.

À Procura de Uma Estrela

Para se tentar redimir, Adam Jones escolhe como equipa – numa espécie de reunião de super-heróis – aqueles que deixou ficar mal no passado, entre eles Michel (Omar Sy), um sous-chef que atraiçoou. O instante em que o protagonista se apodera de frigideiras, panelas e todo o tipo de utensílios de uma cozinha não é apenas revelador da sua persistência, mas de um estilo um quanto arrogante. Jones teima em ser auxiliado por alguns amigos como Tony (Daniel Bruhl) e convence-se que é o melhor no ofício, repugnando qualquer tipo de crítica, especialmente quando uma mulher como Hélène (Sienna Miller) lhe faz frente.

À Procura de uma Estrela

Na trama a tarefa desempenhada por esta sous-chef mãe solteira é clarividente, sabemos que nada de novo trará aos filmes do género, nos quais a mulher é vista como base de apoio para erguer a vida de um homem. Apesar disso, a participação de Sienna Miller não passa despercebida quando comparada com outras personagens que deixam o filme com sabor amargo.

À Procura De Uma Estrela

Uma Thurman, como a crítica de cozinha que dormiu com Jones é tão desnecessária quanto a presença de Alicia Vikander como sua ex, e só Emma Thompson surge radiante, como de costume. Enquanto terapeuta de Adam potencializa a descoberta dos segredos obscuros, que nunca saem de lume brando. O argumento de Steven Knight parece ferver permanentemente a expressão “O que aconteceu em Paris, fica em Paris”.

À Procura de Uma Estrela pode atingir o clímax sem importantes respostas, mas mantém o espectador atento. A narrativa frenética é bastante envolvente num misto de suspense. A configuração elementar dada a cada prato ofusca a pressão sentida na cozinha, onde as personagens revelam o seu caráter. É aquele espaço que alimenta as suas emoções.

À Procura de Uma Estrela

Consulta ainda o nosso Guia de Estreias

Conhecemos cada ingrediente pela destreza da montagem e trabalho de realização de John Wells. O criador da série Serviço de Urgência, responsável também por Um Quente Agosto, conjuga plano a plano, uma metodologia que nos é familiar.

As personagens não estão ligadas por laços sanguíneos. Transmitem o ambiente sentido entre profissionais do sector cinematográfico, que se sentem estranhos, uns em relação aos outros durante a rodagem de um filme. Todos eles são membros de uma equipa que quer criar algo mágico, mas tem como requisito o processo de auto-descoberta do seu líder. Adam Jones terá que optar pelo melhor ângulo de abordagem a um prato de modo a conquistar todos os críticos, ou melhor, todos os amantes da sétima arte.

Entre Chef, A Viagem dos Cem Passos, Julie & Julia ou Ratatui, À Procura de Uma Estrela é uma belíssima adição ao universo gastronómico do cinema. Os dias de glória de Cooper na indústria americana são um fator chave para a boa receção nas bilheteiras, mas a empatia criada pelo filme espelha o sabor proporcionado por um cozinhado: há quem goste e quem não goste.

VJ

À Procura De Uma Estrela | 22 de outubro nos cinemas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *