Piratas nas Ilhas Baleares | © Canal História

Canal História apresenta original, Piratas nas Ilhas Baleares

“Piratas nas Ilhas Baleares” é a nova série original do Canal História. Prontos para as legendárias batalhas e expedições que marcaram a evolução das ilhas?

Com estreia exclusiva no Canal História no próximo dia 20 de setembro, pelas 22h15, “Piratas nas Ilhas Baleares” é uma coprodução com a IB3 e a MapaFilms. Nesta mini-série o canal vai explorar a marca e transcendência dos piratas ao longo dos séculos nas Ilhas Baleares e como este território se tornou de especial interesse estratégico-militar e comercial para os piratas genoveses, africanos e turcos. Uma oportunidade para se descobrir mais sobre as legendárias batalhas e expedições que marcaram a evolução das ilhas, bem como o papel desempenhado por famosos piratas como Barba-Ruiva ou Antoni Riquer, entre outros.

Composta por quatro episódios, “Piratas nas Ilhas Baleares” descobre como os piratas desempenharam um papel indispensável nas disputas de poder no Mediterrâneo; recria as batalhas e incursões de renome que marcaram a evolução das ilhas, e analisa o impacto que esses ataques tiveram no caráter do habitante balear, apresentando, assim, uma história única de resistência, bravura, martírio e glória.

Lê Também:
Canal História | Os destaques de setembro

A série conta ainda com a participação de mais de 25 especialistas pertencentes a instituições como museus, universidades, arquivos e coleções arqueológicas, entre os quais se encontram professores catedráticos, doutores, historiados, arqueólogos, economistas, militares, investigadores e escritores. Neste profundo trabalho de documentação e investigação histórica, colaboraram diferentes instituições como a Universidade das Ilhas Baleares, o Instituto de História-CSIC, o Arquivo Municipal de Ciutadella e a Diocese de Menorca, o Instituto de Estudos Menorqueses, entre outros.

Existiu ainda a visita a locais únicos para decifrar estas histórias, como o Palácio Real de La Almudaina, as Cavernas de Drach, o Pueblo Español, o novo Museu Naval, o Castelo de Bellver, o Castelo de Capdepera, Cap Blanc, a praia da Alcudia, Pollença e o veleiro de Rafael Verdera – datado de 1841, considerado o mais antigo navio ativo em Espanha -, entre muitos outros locais.

Piratas nas Ilhas Baleares | © Canal História

AS ILHAS PIRATAS

Episódio 1, segunda-feira, 20 de setembro, 22h15

As Ilhas Baleares são consideradas locais cheios de encanto e um dos principais destinos turísticos para milhões de pessoas que, todos os verões, chegam às suas costas para desfrutar das imponentes vistas e de um inofensivo Mar Mediterrâneo. No entanto, isto não foi sempre assim, uma vez que, durante séculos, a sua situação geográfica e as condições de vida dos seus habitantes fizeram com que sofressem a atividade predadora por excelência nas águas mediterrânicas: a pirataria. Mas quem eram realmente os piratas? E a pirataria era um ato de vandalismo? O primeiro episodio de “Piratas nas Baleares” faz uma recapitulação histórica pela figura do pirata e como este influenciou o desenvolvimento dos acontecimentos políticos e socioculturais das Ilhas Baleares. Conhecendo piratas como Antoni Riquer ou o Barba

Ruiva, desmitifica-se a imagem do predador marítimo e analisa-se o legado cultural e arquitetónico que deixou esta violência no território.

O NEGÓCIO DA PIRATARIA

Canal História
Piratas nas Ilhas Baleares | © Canal História

Episódio 2, segunda-feira, 20 de setembro, 23h00

O Mar Mediterrâneo foi, durante muito tempo, o centro económico mundial, o que propiciou o auge do negócio corsário, com que lucrava grande parte da oligarquia. Neste episódio, descreve-se a complexa trama desta atividade e a sua importância nas Ilhas Baleares ao longo dos séculos. Mas como funcionava realmente o saque? Quem poderia ser corsário?

No segundo episódio desta série, é analisada o negócio do pirata e do corsário, a profissionalização do atacante, os benefícios que tinha e os problemas que provocava. Além disso, provamos qual foi a estreita relação que existiu entre esta depredação e a escravatura.

O PIRATA MAIS PERIGOSO

Episódio 3, segunda-feira, 27 de setembro, 22h15

Com a guerra, o negócio dos piratas saiu sempre a ganhar e a História nunca conheceu a paz. Quer tenha sido por conflitos diplomáticos entre as potências cristãs ou por motivos de fé, a guerra foi uma constante que marcou o ritmo da vida das Ilhas Baleares. Neste episódio é revelada a difícil situação dos ilhéus, dada a situação de isolamento. Desde pequenas escaramuças muçulmanas até aos maiores e mais virulentos ataques estratégicos perpetrados pelos otomanos, com os irmãos Barba Ruiva como protagonistas indiscutíveis. O terceiro episódio revê os atacantes mais frequentes e relevantes que fustigaram as Baleares, desde que há registo até ao fim dos grandes ataques na costa, e revela que o pior pirata é aquele que atua nas próprias ilhas e sem qualquer consideração por elas, com o Rei a fazer “vista grossa”.

PSICOSE DE INVASÃO

Canal História
Piratas nas Ilhas Baleares | © Canal História

Episódio 4, segunda-feira, 27 de setembro, 23h00

As Ilhas Baleares estão rodeadas por ilhotas valiosas com paragens recônditas que bem poderiam ser definidas, atualmente, como paradisíacas. Mas nada está mais longe da verdade, porque estas ilhotas e a sua situação em redor das ilhas principais foram um pesadelo para os habitantes das Baleares. Os saques constantes a que foram submetidos os ilhéus geravam uma sensação de perigo constante que se traduzia num medo absoluto de tudo o que se aproximava por mar. No quarto e último episódio de “Piratas nas Ilhas Baleares” é analisada a sensação de desassossego incontrolável que veio em sequência dos atos piratas ocorridos nas ilhas. É analisada igualmente a violência no estilo de vida e a psicose que chegaram a viver os habitantes das Baleares.

Também és fã de histórias de piratas?

Marta Kong Nunes

Arquitecta (com um c!) de formação. Coordenadora de profissão. Fanática de cinema e séries por pura paixão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *