Classic Fever | Blade Runner (1982)

Apesar da receção inicialmente morna, Blade Runner é hoje um clássico absoluto do cinema de ficção científica.

Com o lançamento da aguardada sequela agendado para outubro deste ano, aproveitamos para relembrar a experiência retro-futurista e alucinatória de Ridley Scott.

 

 

O QUE É QUE VOU RELEMBRAR HOJE?

Blade Runner: Perigo Iminente (1982), realizado por Ridley Scott e protagonizado por Harrison Ford, Rutger Hauer e Sean Young.

bladrrunner2
Lê também: Classic Fever: 2001: Odisseia no Espaço

 

MAS AFINAL DO QUE É QUE TRATA?

No ano 2019 existe uma classe de androides chamados “Replicants” em tudo semelhantes ao Homem, menos no tempo de existência que é muito curto. Seis desses “Replicants” tomaram de assalto um vai e vem espacial entre a Terra e as colónias de outros planetas e andam à solta em Los Angeles. O chefe da polícia convoca Rick Deckard, um ex-Blade Runner, nome pelo qual são conhecidos os agentes especiais encarregados de eliminar “Replicants” perigosos ou incontroláveis, e encarrega-o de localizar e destruir as seis unidades em fuga. De pista em pista, Deckard, vai localizando e abatendo os “Replicants”, que pelo seu lado procuram desesperadamente uma forma de evitar a sua auto-desactivação ao fim de 4 anos. No meio da perseguição, Deckard, conhece a bela e sedutora Rachel, uma “Replicant” muito especial por quem se apaixona e que lhe dá uma perspectiva totalmente distinta dos seres humanos artificiais.

Lê Também:
Assalto ao Poder | Os melhores Presidentes fictícios

bladrrunner4

 

 

PORQUE É QUE NÃO POSSO PERDER?

Surgindo como uma adaptação modificada do romance “Do Androids Dream of Electric Sheep” de Philip K. Dick, Blade Runner é o neo-noir de ficção científica à imagem de que todos os posteriores filmes do género foram feitos.

Não obstante o facto de se erguer hoje como um dos marcos mais importantes do Cinema de Ficção Científica, Blade Runner foi mal compreendido quando chegou aos cinemas, reunindo críticas divididas que, ora prezavam os seus temas complexos ora o deitavam abaixo pelo ritmo admitidamente desacelerado, descartando-o por vezes como “pornografia de ficção científica”.

Todavia, não demorou muito, no entanto, para que Blade Runner começasse a ser o objeto de análise de variados projetos académicos que, encantados com a forma como opera em múltiplos níveis dramáticos e com a sua exploração dos temas da humanidade, ecofeminismo, das implicações morais da manipulação genética, simbolismo religioso, constrangimentos entre passado, presente e futuro, sem esquecer a aura de profunda negritude e paranoia que permeia toda a ação.

Lê Também:
Assalto ao Poder | Os melhores Presidentes fictícios

O tempo fez o seu trabalho e hoje Blade Runner – à beira de ter a sua muito ansiada sequela Blade Runner 2049 lançada ainda este ano, com o regresso de Harrison Ford e o reforço de Ryan Gosling e Dennis Villeneuve – é um clássico de culto verdadeiramente transcendente, uma experiência futurística e alucinatória, o Citizen Kane da Ficção Científica e a reinvenção da roda do género.

Se, por algum estranho motivo, ainda não viste… do que é que estás à espera?

bladrrunner5

Lê ainda: Classic Fever | O Mundo a Seus Pés

 

 

UMA FRASE PARA A POSTERIDADE

Wake Up! Time to Die!

bladrrunner3

 

 

PARA FICAR NO OLHO E NO OUVIDO (DA MENTE)

 

Catarina Oliveira

Licenciada em Ciências da Comunicação e com formação complementar em Design Gráfico, além de editora e diretora criativa da MHD é também uma das sócias fundadoras da mais recente face da empresa. Colaboradora de Cinema na Vogue Portugal. Gestora de conteúdo na Lava Surf Culture e NOS Empresas - Criar uma Empresa. Autora do blog de Cinema Close-Up.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *