Fora de Série | House of Cards T03E11

Fora de Série: episódio 62 | House of Cards 3×11: “Chapter 37”

“Don’t do no calling a man out like that. It’s like – blaming a snake for having fangs.”

O facto de por vezes torcermos pelos vilões no ecrã, e depois, de cabeça enfiada na almofada, nos questionarmos acerca daquilo que realmente valemos e quem queremos ver a suceder neste mundo, é algo que muito deve a tendências. E na manhã seguinte já mal podemos esperar para assistir à próxima desventura do protagonista que corta cabeças e diz palavras más. É a hipocrisia. E House of Cards é o auge.

Com a política mundial como está, as bocas são lançadas aos Governos dos países com uma facilidade que parece que se anda a comer pão com lubrificador. Mas depois, à noite, torcemos por Frank Underwood. Mas a maré talvez esteja a mudar de direção.

O episódio “Chapter 27” viaja até ao debate presidencial entre Dunbar, Underwood e Sharp. Até lá temos duas coisas a encher chouriços que são as preparações para o debate, Jackie a propor a Heather Dunbar uma aliança, mas sem sucesso pois não recebe nada em troca e a volta forçosa do drama “Rachel”, com Galvin a contactar Douglas e a desmascarar a mentira, oferecendo-lhe a localização da mulher em troca de ajuda a um dos seus amigos hackers. Totalmente escusado, resume-se a mais momentos em que quase vemos a sobriedade de Douglas a ser quebrada, mas a partir do momento em que tal aconteceu pela primeira vez, deixou de ter piada.

HOC

Senhoras e senhores, o debate.

Lê Também:
Depois de Tudo | Passatempo MHD

Sharp estava receosa de usar a riqueza de Dunbar e o facto de ela ter posto os filhos numa escola particular contra ela, já que os filhos do seu marido também estão numa. Mas duas pitadas de Underwood e lá foi convencida.

O Presidente ataca principalmente a grande concorrente, apontando a falta de experiência, enfatizando a sua ambição com a AmericaWorks e todos os frutos que não trouxe neste mandato, mas trará no próximo ao povo americano. Dunbar chama-lhe visão errada e experiência horrenda, defendendo a sua paixão e fidelidade à Constituição Americana. Sharp anda ali aos tombos, como uma miudinha numa luta de grandes, a tentar atirar bolas de papel a Dunbar, chegando ao ponto de ser até infantil.

House of Cards

Dunbar estava a ser atacada de duas frentes, mas esteve à altura. O pragmatismo esteve no seu discurso, enquanto Underwood era mais vago, usando a sua empatia e conforto para, por vezes, lançar algumas piadas. Mas Dunbar não estava para brincadeiras, e em certos momentos demonstrou a vontade de voltar a reavivar assuntos pelos quais tinha sido criticada, mostrando que não tinha nada a esconder. Jackie segue o plano à risca, depois de Dunbar lhe ter negado qualquer cargo em troca do seu suporte no debate, usando os trunfos todos. Contudo, o acordo entre Sharp e Underwood não é, obviamente, mútuo. Ela vai sangrar, sacrificando-se pelo Presidente. Talvez lá andem com falta de um oftalmologista, mas deste lado do ecrã sabe-se de que material são feitos os homens, e não tardou muito até Frank Underwood apontar o dedo a Jackie, fazendo referência aos filhos do seu marido, também numa escola particular, deixando a aliada sem palavras.

Lê Também:
Monstros Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald | Passatempo MHD

Quando as coisas pareciam começar a correr a favor do Presidente, é então que Sharp vira o seu apoio para Dunbar, depois da “pequena traição” em frente das câmaras. Rémy segue o exemplo e sai pela porta fora. Pelo menos ainda tem o Grayson… e o Meechum. As reticências deviam ser usadas depois deste último.

Nos entretantos, Claire desabafa enquanto doa sangue, meio apagada, com Thomas. Fala de, de sete em sete anos, pensar em “afastar-se”, descreve-se numa “ponte”, sentir que quer “saltar”. Não é preciso ser um génio para ver que a coisa vai descambar lá em casa, e Yates vai-se ver no meio da maior história que alguma vez poderia ter pensado em escrever. Saiu-lhe a sorte grande, é uma questão de tempo.

Robin-Wright-in-House-of-Cards-Season-3-Episode-1

Faltam dois episódios para o fim da terceira temporada de House of Cards, enquanto já se espera pela quarta. Underwood teve uma ideia com uma visão (usando o termo adotado) incidente num dos principais aspetos que requer mais atenção e dá mais votos a qualquer candidato à Presidência mas, até agora, tudo tem sido mal executado. Esta temporada foi feita para o ver cair. E apesar de nas outras temporadas torcer pelo homem, aqui vejo-me a esperar pelo bem, a apoiar Dunbar e a querer vê-lo abatido. Sou menos hipócrita.

In APS Portugal

 

APS Portugal

Organização sem fins lucrativos, com sede única no facebook (https://www.facebook.com/APS.Portugal) e intitulada de grupo de Administradores das Páginas de Séries (Portugal). Mais de 60 páginas sobre as séries mais mediáticas da actualidade. Um espaço com todas as novidades das séries favoritas dos portugueses e em português.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *