God of War: Ascension (PS3) | Análise

 

 god of war ascension capa  

  • Editora: SCEE
  • Produtora: SCEA
  • Plataformas: PlayStation 3

 

Classificação 

[starreviewmulti id=8 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’]

 

 

Tal como sempre acontece, o ano em que a nova geração de consolas chega ao mercado, é também um ano excelente em relação a jogos para as consolas atuais. Este ano não foge à regra e 2013 deu-nos excelentes jogos em poucos meses. “Tomb Raider”, “Metal Gear Rising”, e muitos outros que já chegaram ou estão para vir, confirmam que este será um excelente ano!

Agora Kratos regressa com uma prequela, para vermos como tudo começou. “God of War 3” deixou toda a crítica de boca aberta com a sua qualidade gráfica, e não só. Conseguirá “Ascension” fazer o mesmo?

god os war

Enredo: Algumas críticas apontaram o dedo a este Kratos mais soft. Mas esta alteração é o grande trunfo do enredo do jogo. Kratos mostra aqui a sua verdadeira personalidade, aquela que nunca chegámos a ver, pois apenas tivemos acesso a um homem traído, sedento de vingança. Como tal, é normal estarmos perante um homem diferente, cheio de dúvidas, receios, e sem ter a noção de tudo o que está a acontecer (algo que nós, jogadores, já sabemos graças aos anteriores jogos).

Sendo o início, não tem os fantásticos confrontos contra os Deuses e os Titãs que “God of War 3” nos deu, e torna-se, invariavelmente, um jogo com menos momentos marcantes e menos revelações. No entanto, e para quem olhe para a grande evolução da personagem e “recorde” o futuro, fazendo as ligações, “Ascension” dá-nos uma história coerente, bem montada, com vários saltos temporais, e principalmente, com tudo aquilo que é exigido para a criação de uma boa personagem, onde o passado é fundamental. Pode não ser tão divertido, mas é muito interessante ver o crescimento de Kratos enquanto homem que acabará consumido pela raiva.

God-of-War-Ascension

Jogabilidade: Existem algumas diferenças e sentimo-nos mais próximos de “God of War” do que de “God of War 3”. Este facto nota-se nos poderes que Kratos vai adquirindo mas também nos seus movimentos. Kratos escala paredes com uma maior calma e está mais dependente de alguns poderes para continuar a sua jornada. No entanto, a jogabilidade está perfeita em quase todos os aspetos. Os poderes e artefactos que Kratos coleciona, manipulam todo o jogo e forma de jogar, e os enigmas ganham muito com isso, sendo que estamos perante um dos melhores conjuntos de enigmas da série.

O combate continua feroz, mostrando o Kratos que conhecemos apesar de ainda não ter os fantásticos poderes de um Deus. Em relação ao controlo da personagem em si, o jogo apenas se torna algo difícil quando estamos a balançar entre locais, porque em tudo o resto, o controlo de Kratos está perfeito, e preparem-se para batalhas sangrentas!

god of war ascension

Gráficos: Em primeiro lugar olhemos para os pormenores artísticos, e como sempre, GoW não falha. Cenários dentro do seu estilo, com uma escala enorme, e um conjunto de caminhos que nos dão a ideia que o jogo não é linear, apesar de ser, tal como todos os jogos desta série. No entanto, esta linearidade não se sente, graças ao cruzar de caminhos e à repetição de cenários. Tudo aspetos que a série já nos habituou. Agora, em termos técnicos e se olharmos para o grafismo como um todo, vemos que estamos perante algo difícil de igualar.

Kratos, e outras personagens mais importantes, estão extremamente bem criadas, os cenários apresentam uma escala enorme e a forma como os cenários se moldam e se movem, obriga a um trabalho gráfico majestoso, mas também a um poderoso trabalho na física do jogo, onde cada corpo terá de se movimentar consoante as alterações do cenário. Para além disso, os efeitos de luz e sombra estão muito bons e o ritmo de jogo é alucinante e sem quebras, levando-nos a dizer o seguinte: de uma forma geral, “God of War: Ascension” será, provavelmente o jogo com os melhores gráficos desta geração e levanta a questão sobre os limites desta consola.

Som: Na banda sonora não há nada a dizer. Épica, como sempre, “Ascension” brinda-nos com músicas que enchem certos momentos de uma atmosfera arrepiante. O trabalho de vozes também está muito bom, praticamente sem falhas. Em relação aos efeitos sonoros, o trabalho está bom, e faz bem o seu papel em quase todo o jogo. No entanto, quando a ação é grande o suficiente para encher todo o cenário, existem algumas quebras nos efeitos sonoros. Estas pequenas falhas, que aconteceram meia dúzia de vezes durante toda o jogo,  não retiram ambiente nem “matam” a experiência, mas notam-se.

Falando agora na grande inovação, “Ascension” traz-nos o multiplayer. A ideia é boa e no geral está bem conseguida. Os combates são mais lentos e graficamente não há nada a apontar. No entanto o conceito multiplayer pede que a base nos vicie e nos faça continuar neste modo de jogo em vez de voltarmos ao single player. Tal não acontece. Ascension consegue um modo multiplayer equilibrado e demonstra que com algumas melhorias, teremos aqui um modo de jogo que nos fará perder muitas horas, mas para já, ainda falta algo para nos fazer esquecer a campanha singular.

god of war ascension fight

“Ascension” tem um único problema, e chama-se “God of War 3”. A verdade é que este jogo, apesar de tecnicamente superior, não causa o impacto que GoW 3 conseguiu. A história é muito boa, mas ao ser o início, está limitada, e apesar de muito bem construída, não pode ser tão marcante como é a luta entre Kratos e os Deuses. Todavia, “Ascension” é um fantástico jogo, com uma excelente jogabilidade e os melhores gráficos desta geração. Esta saga sempre conseguiu oferecer o melhor que uma consola pode oferecer, e esta prequela não é exceção. Agora fica a enorme vontade de ver o que “GoW 4” nos poderá oferecer na próxima geração (se chegar a ver a luz do dia).

 

Pontos fortes:

  • Provavelmente, os melhores gráficos desta geração
  • Grande jogabilidade
  • A evolução de Kratos enquanto personagem, desde pai e marido, até cruel lutador
  • A banda sonora épica do costume
  • Excelentes enigmas

Pontos fracos:

  • Apesar de melhorar nos aspetos técnicos, “Ascension” precisava de mais inovação
  • O multiplayer precisa de ser melhorado para nos cativar mais do que algumas horas

LP

Luis Pinto

Developer de videjogos e inteligência artificial - Autor do canal Luís Pinto - Apaixonado por jogos desde o tempo do Spectrum!

Luis Pinto has 850 posts and counting. See all posts by Luis Pinto

One thought on “God of War: Ascension (PS3) | Análise

  • Excelente análise. Parabéns à Magazine pela aposta nos jogos cada vez mais forte. Já acabei o jogo e concordo totalmente com a vossa análise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.