DocLisboa ’16 | Junun, em análise

Longe dos seus usuais épicos americanos, Paul Thomas Andersona cria em Junun, um documentário musical de grande modéstia e deliciosa simnplicidade.

junun paul thomas anderson doclisboa

Apesar do cinema documentário já existir desde o nascimento do meio em si, mesmo que apenas nos anos 20 se tenha começado a pensar realmente num género documental, é raro ver um filme deste tipo a alcançar grandes audiências. Daí também se justifica a existência de festivais como o DocLisboa onde este cinema, quase de nicho, consegue receber o tipo de celebração que realmente merece.

No entanto, também convém refletir sobre o facto de que, na última década e meia, o cinema documental ter vindo a ganhar crescente popularidade e, mesmo que ainda não tenha conquistado o mainstream, é justo dizer que o circuito de festivais e mais virado para os méritos artísticos do cinema se tem vindo a mostrar progressivamente aberto ao cinema documental. Um dos subgéneros que mais tem sido responsável por esta ascensão de estatuto na mente popular é o documentário musical, que está representado no DocLisboa por vários títulos, incluindo um dos mais estranhos exemplos recentes deste mesmo género de propostas fílmicas.

junun paul thomas anderson doclisboa

Falamos de Junun, o mais recente filme de Paul Thomas Anderson e o seu primeiro documentário. Mais especificamente, este é o filme que Jonny Greenwood convenceu o realizador a fazer, depois da sua terceira colaboração em Inherent Vice. O guitarrista dos Radiohead levou Anderson consigo numa viagem até Jodphpur na região do Rajastão da Índia, onde o músico esteve a trabalhar numa experiência conjunta com Shye Ben Tzur e os The Rajasthan Express. Tzur é um músico israelita e especialista em Qawwali, uma forma musical ligada ao misticismo e devoção Sufista, e o segundo grupo é de origem indiana é composto por dúzias de músicos que trabalham inclusive com instrumentos tradicionais do seu país. Este trio improvável juntou-se, em 2015, no opulento forte de Mehrangarh para gravarem um álbum e é esse processo colaborativo que é registado pela câmara do cineasta norte-americano.

Lê Também: Tickled, em análise

Depois da descrição dos criativos envolvidos assim como o próprio nome de Anderson, cuja filmografia é rica em obras de duração épica e grande fausto formalista, seria fácil imaginar Junun como um filme de dimensões grandiosas, mas a verdade está bastante longe de tais conjeturas. De facto, esta é uma obra caracterizada, acima de tudo o mais, por uma avassaladora simplicidade e humildade. Poder-se-ia mesmo dizer que Anderson mostra com orgulho a pequenez do seu trabalho, que originalmente até foi concebido como um filme exclusivo para a plataforma online MUBI.

junun paul thomas anderson doclisboa

Contrariando o fausto do cenário, a grandeza das personalidades, a complexidade da música e a densidade da mistura de culturas e heranças religiosas, Anderson cria em Junun um filme de abjeta simplicidade. Ao longo de menos de uma hora, ele acompanha o trabalho destes artistas, as anódinas inconveniências de cortes de eletricidade ou instrumentos desafinados e deixa-se embriagar pela espetacularidade sinfónica que o rodeia.

O seu principal foco de atenção são as jam sessions que guiam o trabalho dos músicos e, no final, todo o filme acaba por se mover com os ritmos erráticos e rasgos de inspiração e improvisação de uma jam session, mostrando-se como o mais airoso e leve trabalho em todo o currículo de Anderson. No mais espetacular momento de Junun, a câmara guiada pela mão do realizador e outros três cameramen encontra um homem a dar de comer a um bando de pássaros num telhado que olha a cidade de Jodhpur, enquanto Greenwood, no seu mais ativo momento do filme, está a criar, em conjunto com Tzur, uma mistura engenhosa de música eletrónica e Qawwali. A glória sonora quase que é ignorada em prol de um píncaro de êxtase visual em que a imagem voa juntamente com os pássaros, através do uso de um drone.

junun paul thomas anderson doclisboa

Tais mostras de jovial e impolida experimentação, e até alguma falta de foco e linearidade criativa na assemblage das filmagens, fazem com que todo o filme fervilhe de energia e liberdade ao mesmo tempo que pinta toda a situação com uma sensibilidade profundamente relaxada e casual. Longe da precisão fotográfica dos seus outros projetos, o realizador chega mesmo a ajustar o foco durante o decorrer da ação e a reenquadrar a imagem com a câmara a gravar, e a montagem apenas sublinha esta inspirada falta de rumo e estrutura convencionais, tornando toda a experiência em algo oblíquo e magro em exposição ou mesmo qualquer tipo de contextualização desnecessária à apreciação sensorial da música.

Lê Ainda: O Lugar que Ocupas, em análise

Aliás, é fácil acusar de Junun de fugir deliberadamente aos mais feios e complicados aspetos do esforço colaborativo em evidência aqui. Muitas vezes o diálogo não é legendado e nas raras ocasiões em que isso acontece, temos Tzur a assegurar o espetador da jovial multiculturalidade da sua pessoa, da música e de todo o projeto e a menção de que muitos dos cantores de Qawwali, tal como Greenwood, não sabem o significado das palavras que cantam. Nessas instâncias parece que se tenta apagar qualquer possível sombreado de apropriação cultural reminiscente de tantas outras colaborações entre artistas ocidentais e os seus colegas de nações em desenvolvimento e precariedade económica. Felizmente, a modéstia que rege a generalidade do projeto impõe-se a tais fragilidades, e, para quem aprecie o tipo de música que é aqui produzida e celebrada, Junun será uma inquestionável joia de simples prazer cinematográfico.

junun paul thomas anderson doclisboa

O MELHOR: Os momentos em que a câmara se liberta dos luxuosos interiores do forte e se deixa voar pelos céus, deslizar pelos mercados locais e enveredar pela noite urbana ao mesmo tempo que a banda-sonora se mantém fixada nas gravações do álbum que partilha nome com o filme, que significa amor e paixão com toques de loucura e obsessão.

O PIOR: Para quem não apreciar as fusões musicais praticadas pelos artistas que protagonizam Junun, esta obra, por muito curta que seja, ir-se-á revelar como uma entediante tortura.


 

Título Original: Junun
Realizador:  Paul Thomas Anderson

DocLisboa | Documentário, Música | 2015 | 54 min

junun paul thomas anderson doclisboa

[starreviewmulti id=22 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’] 


CA

 



Também do teu Interesse:


About The Author


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *