Justified | Série completa em análise

 

Justified é uma daquelas gemas escondidas que merecem uma divulgação bem maior do que a que receberam enquanto estiveram no ar. 

Uma criação do canal americano FX, Justified é uma adaptação da obra literária de Elmore Leonard, um dos maiores escritores norte-americanos do final do século XX nos géneros western e crime. Mais precisamente, a série está baseada nas suas obras que giram em redor da personagem Raylan Givens, um US Marshall à moda antiga, com chapéu de cowboy, gatilho rápido e um código de honra aparentemente obsoleto nos tempos que correm.

A magia dos filmes e das séries de TV reside na fabulosa capacidade de transportar-nos para mundos em que nunca colocaremos os pés na vida real. No caso de Justified, é-nos dada a possibilidade de conhecer a fundo o mundo (e o sub-mundo) de Kentucky, um estado americano cuja cultura ainda está dominada pelos mitos do passado, especialmente pelos cowboys que outrora desbravavam as últimas fronteiras do Novo Mundo. Não é por acaso que o personagem principal da trama, Raylan Givens, é essencialmente um cowboy a viver nos tempos modernos.

Descrever Justified é uma tarefa complicada, já que se trata de um caldeirão de influências variadas, começando pelo western, passando pelo crime, reunindo elementos de neo-noir e ação e, a todo o momento, apelando à cultura de um sul profundo ignorante, pobre e conservador. No entanto, talvez tudo isto possa ser encapsulado pelo termo neo-western, um novo género que mistura o passado com o presente dos Estados Unidos, aliando os mitos longínquos com a realidade contemporânea . Neste novo género o cowboy aparece como uma relíquia do passado, sentindo-se deslocado num mundo ao qual não pertence nem nunca pertencerá. No entanto, o cowboy erige-se igualmente como uma referência, como um compasso moral num mundo cujos valores são muito menos sólidos. O cowboy de Raylan Givens é uma força não apenas física, mas também moral. De certa forma, é uma incarnação do espírito do Oeste, um homem regido por valores que, se bem difíceis de aplicar na realidade do século XXI, mantêm um apelo de caráter universal e intemporal.

Justified  1 Raylan

 

Em realidade, a melhor qualidade desta ótima série reside no carisma e na complexidade das suas personagens, não só Raylan, mas também as inúmeras personagens secundárias que desfilaram ao longo dos seis anos de duração de Justified. Devem destacar-se, obviamente, duas personagens sobre as demais: Boyd Crowder, o grande antagonista da série, e, em menor medida, Ava, interesse romântico tanto de Raylan como de Boyd .

O antagonismo entre Raylan e Boyd, velhos amigos convertidos em inimigos mortais, constitui o principal arco narrativo da série, estendendo-se ao longo das seis temporadas e tendo a sua resolução apenas no último episódio da saga. A rivalidade entre estes dois homens é talvez uma das maiores e melhores jamais vistas numa série de televisão, e nunca deixa de ser interessante mesmo depois de seis temporadas.

Lê Também:
Annabelle 3: O Regresso a Casa | Passatempo MHD

Boyd Crowder é uma espécie de Joker para o Batman de Raylan, um vilão carismático e inteligente que, apesar da sua brutalidade inata, usa o seu carisma e a sua inteligência para levar a cabo os seus planos criminosos. Raylan, por outro lado, apesar de ser dotado de grande inteligência, é bem mais direto, recorrendo com alguma assiduidade a punho ou pistola. Boyd é bem mais sutil , é alguém cujo império é construído à base de estratagemas e discursos, cuja língua é mais poderosa do que qualquer arma de fogo que tenha em seu poder.

Boyd Crowder é o vilão mais importante e mais carismático da série, mas certamente não é o único. A longa galeria de vilões que vão nos sendo apresentados ao longo da série contém uma série de personagens tão malvados como interessantes. Talvez o meu preferido tenha sido, curiosamente, o último a ser apresentado. Boone é essencialmente um cowboy moderno, tal como Raylan, só que em vez de enveredar pelo mesmo caminho heróico, decide converter-se em mercenário e acaba por ser contratado por um criminoso cujos interesses são contrários aos de Raylan. O confronto entre Raylan e Boone culmina num verdadeiro tiroteio ao estilo do velho oeste. Na realidade, estes tiroteios, algo frequentes em Justified, constituem alguns dos melhores e mais importantes momentos da série, e contribuem de maneira importante para fazer dela um verdadeiro épico neo-western.

Justified Raylan e Boyd

Justified tem muitas qualidades que merecem ser ressaltadas. Para além das suas ótimas personagens, trazidas à vida de forma brilhantes por atores de talento como Walton Goggins e Timothy Oliphant, e do seu mundo imersivo, detalhado e deliciosamente sombrio, está igualmente repleto de boas tramas, ótimos diálogos, reviravoltas surpreendentes, uma linda cinematografia e uma banda sonora cativante, começando pelo canção You’ll never leave Harlan alive, que repete em vários episódios e encapsula de maneira poderosa o espírito da história, dos seus personagens e do modo de vida que esta retrata.

Realmente, os defeitos da série são poucos e de pequenas dimensões. Nomeadamente, alguns episódios da série narram pequenas histórias individuais, que pouco adicionam à trama principal. Estes capítulos são, geralmente, os piores, como costuma ser o caso na maioria das séries. Talvez o maior defeito de Justified seja precisamente essa tendência a reverter a uma narrativa episódica de vez em quando, abandonando para isso a narrativa principal da história. A série funciona muito melhor quando se entrega a arcos narrativos mais longos, com personagens e tramas mais sofisticadas e desenvolvidas. Assim mesmo, é preciso dizer que em alguns momentos nas últimas temporadas o triângulo amoroso Raylan-Boyd-Ava começa a ser algo repetitivo e forçado, mas isto não chega a ser um grande problema.

Lê Também:
Plano de Fuga 3 | Passatempo MHD

Pode dizer-se também que a série é que nunca se entrega totalmente a um estudo profundo das suas duas personagens mais importantes e interessantes, Raylan e Boyd. Quando os escritores dedicam tempo e se arriscam a explorar a grande complexidade da relação destes homens, Justified dá um salto enorme de qualidade, mas isto só acontece por vezes. Isto torna-se particularmente evidente na última temporada, em que boa parte do tempo é desperdiçado em assuntos de menor interesse, e cujos melhores momentos aparecem quando Raylan e Boyd estão juntos (sem esquecer o tiroteio entre Raylan e Boone). Fica a sensação que se a série tivesse se dedicado totalmente a esta questão em vez de passar boa parte do tempo a desenvolver narrativas paralelas menores, esta série teria sido provavelmente ainda melhor do que foi.

justified 3

Veredito:

Justified é uma série cujos méritos superam amplamente os seus defeitos. Para aqueles que estão à procura de uma boa série de crime com um forte sabor a western simplesmente não há nada melhor do que isto. Mesmo para aquelas pessoas cujos gostos não são tão específicos esta série parece-me, ainda assim, uma ótima recomendação. Este é um neo-western cujo valor reside em grande medida nos seus protagonistas e na relação entre eles, nomeadamente entre o herói, Raylan Givens, e o vilão, Boyd Crowder. A saga criminosa da FX permite-nos também explorar o fascinante submundo de Kentucky, uma terra pobre, orgulhosa, violenta e cujos valores morais pertencem mais ao passado do que ao presente. Por vezes Justified perde-se em pequenas histórias de caráter episódico que parecem ter como objetivo principal completar a quota de treze episódios por temporada, mas quando a história tem como foco a dicotomia entre Raylan e Boyd, esta saga sulista ascende a um nível de excelência ao alcance de poucas obras no meio.

 

Aspetos Positivos:

  • O “mundo” de Justified

  • A relação entre Raylan Givens e Boyd Crowder  

  • Tiroteios ao estilo do Velho Oeste

Aspetos Negativos:

  • Os arcos narrativos de um só episódio

  • Relação entre Raylan e Boyd deveria ter sido explorada de forma ainda mais detalhada

Nota: 8/10

 

Bruno Vargas

 

Bruno Vargas

Cidadão do mundo, amante do cinema, da televisão, da banda desenhada, dos videojogos, da literatura, da história, da filosofia e da política. Acredito que o Fight Club é o melhor filme alguma vez feito, e que o Tarantino é o melhor realizador dos tempos modernos. O meu super-herói favorito é o Batman embora, se tivesse de escolher, preferisse sem dúvida ser o Super-Homem.

3 thoughts on “Justified | Série completa em análise

  • Concordo com a critica. Minha série favorita, apesar de não ser a melhor.

  • Pingback:

  • Critica narrativa fabulosa! Por favor podem ajudar-me indicando a comprar a série completa de muita qualidade em dvd ou blueray? Muito obrigado!

  • Ainda que o roteiro detalhado umas escorregadas aqui e ali, tem alguns dos melhores diálogos que já vi em uma série de TV. E alguns dos melhores personagens. O protagonista e o antagonista poderiam facilmente confundidos com o Batman e o Coringa. Incrível o que os atores fazem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *