"Rurouni Kenshin: The Beginning" ©Netflix

Kenshin: O Samurai Errante: O Início, em análise

“Kenshin: O Samurai Errante: O Início” é o princípio e o fim de uma saga inesquecível, que introduz a novas gerações uma épica história de um dos mais famosos samurais do mundo. O novo filme destaca-se por um lado pelo ambiente mais pesado e sombrio onde podemos ver o verdadeiro Himura Battōsai em ação, e na outra face temos a personagem e o incrível arco de Tomoe.

27 anos após Nobuhiro Watsuki ter publicado na Shueisha o primeiro capitulo de “Rurouni Kenshin”, que viria a ser a sua obra-prima, e 25 anos após a estreia da adaptação televisiva “Samurai X”, que se tornaria um dos animes favoritos em Portugal e no mundo, a chama de Himura o Battōsai continua a arder forte e tanto a história como a ação mantêm-se das mais cativantes no mundo do anime.

Keishi Ohtomo alcança um feito praticamente inigualável com a realização de uma saga de 5 filmes live-action, adaptações de anime de um dos grandes estúdios Hollywood, todos com uma receção positiva por ambos os críticos e o público. Para muitos os filmes de “Rurouni Kenshin” de Ohtomo são as melhores adaptações de anime a live-action de sempre.

Lê Também:
Rurouni Kenshin: The Final, em análise

Kenshin: O Samurai Errante: O Início” (“Rurouni Kenshin: The Beginning”) estreou a 4 de Junho de 2021 nos cinemas do Japão, e foi lançado a 30 de Julho de 2021 na Netflix. Este 5º filme da saga foi produzido paralelamente ao filme “Rurouni Kenshin: The Final”, que estreou a 18 de Junho de 2021 também na Netflix.

A pelicula, como as anteriores, teve a produção da Warner Bros., Kenji Tanigaki como diretor de coreografia e ação, e Takeru Satoh a estrelar como Himura Kenshin. Relativamente ao elenco, contamos com o regresso de Yōsuke Eguchi no papel de Saitō Hajime e temos ainda a talentosa Kasumi Arimura como Yukishiro Tomoe. Contamos ainda com Issey Takahashi como Katsura Kogorō, Nijirō Murakami como Okita Sōji, Kazuki Kitamura a interpretar Tatsumi, Masanobu Ando como Takasugi Shinsaku e Towa Araki no papel do futuro vilão Yukishiro Enishi. O tema do filme “Broken Heart of Gold” é da banda One Ok Rock.

Rurouni Kenshin
“Rurouni Kenshin: The Beginning” ©Netflix

Como o nome do novo filme indica, esta é uma prequela aos outros filmes de Kenshin (“Rurouni Kenshin”, “Rurouni Kenshin: Kyoto Inferno”, “Rurouni Kenshin: The Legend Ends” e “Rurouni Kenshin: The Final”) e a narrativa descreve o passado de Kenshin como o assassino Hitokiri Battōsai durante os anos finais do Bakumatsu (período dos últimos anos do período Edo, correspondendo ao final do Xogunato Tokugawa na história do Japão). É explorado também na história como Himura recebeu sua cicatriz em forma de cruz e o seu relacionamento com a amável Yukishiro Tomoe. O enredo do filme baseia-se no arco “Tsuiokuhen” (Recollections/Reminiscence) da manga, que já tinha sido anteriormente adaptada para a aclamada e recomendada OVA “Trust & Betrayal” de 1999, realizada por Kazuhiro Furuhashi.

A magia e o fator cativante de “The Beginning” é podermos finalmente ver Kenshin a agir como o Battōsai. Tanto nos filmes anteriores, como no anime, são várias as situações em que pensamos que Kenshin irá perder a calma e quebrar o seu voto de não matar, virando a sua espada inversa e libertando a sua sede de sangue. Parte de nós guardava o desejo que isso acontecesse, para podemos observar a lendária personagem que incutia tanto medo nos seus adversários que lhes gelava o próprio sangue. Porém, também sabíamos que se isso acontecesse seria uma mancha tão grande no arco de redenção do Samurai X, que poderia desconstruir a personagem por completo. O arco de “Tsuiokuhen” vem assim satisfazer esse desejo, usando um tom muito mais adulto, um ambiente mais negro e sombrio e uma violência muito mais explícita (que na OVA é ainda mais vincado).

Rurouni Kenshin
“Rurouni Kenshin: The Beginning” ©Warner Bros

Kasumi Arimura, laureada pela Academia Japonesa, encarna Tomoe, uma figura-chave do passado de Kenshin, e que quase rouba os holofotes a Takeru Satoh. Arimura entrega-nos uma excelente interpretação da personagem, conseguindo fazer sobressair todos os sentimentos complexos de Tomoe, que a tornam a personagem mais interessante do filme e uma peça essencial do passado e da mudança de Himura.

Outra constante joia nesta saga de filmes são as cenas de luta e ação. A dupla de Tanigaki e Ohtomo cuidadosamente pensam em usar essas cenas de ação não só pela componente de impressionar, mas também como forma de retratar a humanidade e o drama dos personagens. Tanto Takeru como o elenco principal executam todas as sequências de ação sem duplos. O realizador Ohtomo confessou que embora seja mais difícil ter o elenco a realizar as próprias acrobacias, no final resultam cenas de ação” mais emocionais”. Nesta última entrada na saga, para além de termos bastantes cenas de ação impactantes ao longo do filme, o confronto final entre Kenshin e o grupo Yaminobu, é uma incrível experiência cinematográfica, onde chegamos por vezes a sentirmo-nos quase dentro do corpo do Samurai X.

Rurouni Kenshin
“Rurouni Kenshin: The Beginning” ©Warner Bros

The Beginning” mantém a qualidade dos seus predecessores, introduz uma desejada parte da história passada de Himura Kenshin e reinicia o círculo narrativo que começou em 2012. Será pedir muito que este não seja de facto o final e que tenhamos direito à adaptação live-action de “Rurouni Kenshin: Seisouhen”, que conta o final da vida de Kenshin?

TRAILER | A HISTÓRIA DE HIMURA BATTOSAI E DE TOMOE YUKISHIRO!

Dás a saga por terminada ou ainda tem força para mais um filme?

Kenshin: O Samurai Errante: O Início, em análise
Rurouni Kenshin

Movie title: Kenshin: O Samurai Errante: O Início

Movie description: Antes do protetor, do cómico e do samurai errante, Himura Kenshin era conhecido como o temível assassino Battosai. "The Beginning" mostra-nos a Revolução Meiji que opôs o Xogunato Tokugawa e os pró-imperialistas. No meio desta guerra, Tomoe Yukishiro ajudará Kenshin a aprender o que é a felicidade, o amor e que a espada serve para mais do que matar, mas também para proteger.

Date published: 30 de July de 2021

Country: Japão

Duration: 137 minutos

Director(s): Keishi Ohtomo

Actor(s): Takeru Satoh , Kasumi Arimura , Issey Takahashi , Yōsuke Eguchi , Nijirō Murakami , Kazuki Kitamura, Masanobu Ando, Towa Araki

Genre: Ação, Aventura, Drama

  • Emanuel Candeias - 82
82

CONCLUSÃO

“Kenshin: O Samurai Errante: O Início” é o princípio e o fim de uma saga inesquecível, que introduz a novas gerações uma épica história de um dos mais famosos samurais do mundo. O novo filme destaca-se por um lado pelo ambiente mais pesado e sombrio onde podemos ver o verdadeiro Himura Battōsai em ação, e na outra face temos a personagem e o incrível arco de Tomoe.

Pros

  • Tom mais sério e cenas mais explícitas e adaptadas há época mais violenta
  • Exposição do verdadeiro Battōsai
  • Kasumi Arimura como Tomoe
  • Batalha final entre Kenshin vs  Yaminobu

Cons

  • Transição de cenas com acontecimentos relevantes é feita demasiado rapidamente e sem a clara perceção da passagem do tempo
  • Repetição de cenas e diálogos
  • Será que a estreia de “The Beginning” antes de “The Final” não teria um maior impacto?
Sending
User Review
4 (1 vote)
Comments Rating 0 (0 reviews)

Emanuel Candeias

Graduado em Hogwarts, foi head-boy de Ravenclaw. Aventurou-se durante uns tempos pela Middle-Earth e por Westeros, tendo feito grandes amizades na House Stark e com os elfos de Lothlórien. De forma a aprofundar os seus conhecimentos contactou grandes mentes como Doctor Banner, Doctor Strange e chegou mesmo a viajar com Doctor Who. Dedicou-se durante uma temporada a fortalecer a sua espiritualidade em Konoha, onde aprendeu com os mestres Goku e Naruto. Neste momento encontra-se perdido no Matrix. O seu sonho é vir a ingressar na Starfleet.

Emanuel Candeias has 153 posts and counting. See all posts by Emanuel Candeias

Leave a Reply

Sending