Os melhores e piores posters da semana (12/02-18/02)

Esta semana, um monstro em miniatura, uma janela para o futuro incerto e um romance instável dominam a seleção dos melhores posters.

Ocasionalmente, quando avaliamos o mérito qualitativo e criativo de um poster, indagamo-nos sobre a validade de dois caminhos antagónicos na criação de um cartaz promocional para uma obra cinematográfica ou televisiva. Por um lado, temos o desejo pelo mistério e pela sedução meramente sugerida pelo impacto visual da proposta e não tanta pela sua carga de informação. Por outro, existe sempre a tendência a valorizar, talvez sobrevalorizar, cartazes que sumarizam visualmente as obras a serem promovidas, revelando, pelo caminho, alguma da sua especificidade e matando algum do mistério. Esta semana, apresentamos exemplos destas duas abordagens, assim como uma proposta para televisão que, de certo modo, constitui um meio-termo ideológico entre as alternativas desta (francamente falsa) dicotomia.

 


OS MELHORES POSTERS DA SEMANA

Para começar, temos um cartaz que prefere manter o mistério à volta do tema e abordagem estilística do seu filme.

 

melhores posters colossal

Para um filme sobre um monstro gigantesco, um kaiju, a abater-se sobre Seoul como uma manifestação sobrenatural da depressão de uma mulher à beira de um ataque de nervos, este primeiro cartaz de Colossal é uma proposta surpreendentemente adorável. Ou pelo menos é adorável, na medida em que uma imagem abertamente profana pontuada com um bizarro monstro em miniatura pode ser. Neste caso, o mistério de todo o design e seu atrevido sentido de humor vendem melhor o projeto do que os trailers super expositivos do mesmo filme.

Lê Também:
Mapa das Séries | Estreias nacionais de janeiro 2021

 

arrival o primeiro encontro melhores posters

Diametralmente oposto a essa proposta gráfica, temos este cartaz alternativo para Arrival ou o O Primeiro Encontro. Se formos completamente sinceros, temos de apontar que, para quem não tenha visto o filme, este cartaz terá um valor muito decrescido para quem já o tenha experienciado. Consequentemente, descrever ou explorar o conteúdo da sua ilustração é meio caminho andado para um dilúvio de spoilers indesejados. Queremos, contudo, apontar que, estando no píncaro da Awards Season, este cartaz é uma ótima forma de relembrar os espetadores do impacto emocional do filme ao colocar a história humana da narrativa em evidência, e não a sua faceta mais fantasiosa e cerebral.

Lê Também: Top 2016 | Os 10 melhores guarda-roupas do ano

 

love melhores posters

Entre o mistério reticente e a ilustração literal, temos o cartaz promocional para a nova temporada de Love, a série da Netflix que se debruça sobre a relação amorosa de um casal onde a rapariga é uma viciada em sexo e amor. Aqui, a dinâmica do relacionamento principal é aludido pela gestualidade dos atores, enquanto o tratamento gráfico da imagem sugere a imaturidade e irascibilidade que pinta muita da narrativa do programa. Como dissemos anteriormente, temos aqui uma espécie de belo e elegante meio-termo.

Lê Também:
Zendaya e John David Washington juntam-se à corrida aos Óscares

 


OS PIORES POSTERS DA SEMANA

Os melhores posters da semana podem ter proporcionado uma seleção caracterizada pela dúvida ideológica, o debate e o compromisso, mas não existem tais considerações elaboradas no que diz respeito aos piores.

 

life poster

Cabeças flutuantes no espaço – como é que um filme que parece, pelos trailers, ser fascinante, resulta num cartaz tão aborrecido, desinspirado e absolutamente genérico?

Consulta Ainda: Estreias de Cinema | Guias dos Filmes

 

last word poster

Cabeças separadas por uma linha branca horizontal – esta composição já é tão cliché que, não fosse a sua recorrência, acharíamos que este cartaz era uma espécie de paródia subversiva dessa fórmula.

 

confess poster

Um casal a beijar-se em contraluz – pelo contrário, este cartaz, só pode ser mesmo uma paródia, certo?

 


Para a semana é bem provável que a nossa seleção dos piores posters da semana continue rica em cabeças flutuantes mas nunca se sabe. Qual a tua opinião sobre o assunto?

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *