NOS Primavera Sound

15 Concertos a não perder no NOS Primavera Sound 2018

1 de 3

O NOS Primavera Sound está de regresso para mais uma edição recheada de bons motivos para não abandonar – por nada – o Parque da Cidade do Porto. Estes são os 15 concertos que consideramos obrigatórios na seleção musical de 2018!

Fomos analisar o apetitoso cartaz do NOS Primavera Sound 2018 e escolhemos 15 concertos imperdíveis, 5 por cada dia do Festival. Confere a nossa seleção!

Consulta o cartaz e os horários de todos os concertos aqui.

Lê Também:
Os 25 Melhores Álbuns de 2017 | 10 - 6

Fonte: NOS Primavera Sound

Waxahatchee, dia 7 de junho, Palco NOS – 18H20

Waxahatchee

Este é o nosso concerto de eleição para a abertura da edição de 2018 do NOS Primavera Sound. O projeto a ‘solo’ da ex-P.S. Eliot, Katie Crutchfield, apresenta no Palco NOS o quarto álbum de originais, “Out in the Storm”, marcado por história das desilusões, o vazio existencial e a procura pessoal de Crutchfield. Um indie rock de guitarra elétrica ao pescoço que tem tudo para abrir de forma tempestiva e de coração aberto o NOS Primavera Sound 2018.

Rhye, dia 7 de junho, Palco NOS – 20H05

Rhye

Uma pena que o regresso de Rhye ao nosso país tenha de ser dividido com o regresso de Father John Misty. 20 minutos depois da banda natural de Los Angeles subir ao Palco NOS, Josh Tillman apresenta-se no novo palco principal, o Palco SEAT. Aí, as dúvidas serão muitas: continuar a ser seduzidos pela provocadora sonoridade dos Rhye ou entregarmo-nos de joelhos ao Senhor Misty? As dúvidas ficarão desfeitas ao princípio da noite de 7 de junho, mas nenhuma decisão será universal.

Father John Misty, dia 7 de junho, Palco SEAT – 20H25

Father John Misty

Ex-Fleet Foxes e atual padroeiro de uma religião qualquer, Josh Tillman apresenta no Porto o álbum recém editado, God’s Favourite Costumer, um trabalho que surgiu quando ainda estávamos na ressaca de Pure Comedy (2017). Father John Misty traz também na bagagem os êxitos “antigos” de  I Love You, Honeybear (2015) e Fear Fun (2012), portanto é provável que haja a oportunidade de cantar em uníssono um “Bored in te USA” ou “Holy Shit”, canções de mensagem intemporal, ou abrir os corações para registos mais melosos como “True Affction” ou “I Went to the Store One Day”. Com o Sr. Tillman, há garantias de um concerto enérgico, humorado e de conversão à sua religião. Será pecado não o ver.

Lê Também:
Divulgados horários do NOS Primavera Sound

Lorde, dia 7 de junho, Palco NOS – 22H00

Lorde

Lorde regressa a Portugal (depois de um primeiro concerto no Rock in Rio) e agora é uma mulher diferente. Por ventura mais madura e humana, mas também uma mulher (e uma artista) que se sente no auge das suas capacidades. Lorde sempre se diferenciara dos seus pares, mas em Melodrama (2017) atinge um estatuto que, confessamos, nunca pensámos que pudesse atingir. Com uma produção irrepreensível, o sucessor de Pure Heroine é a banda-sonora perfeita para os nossos picos emocionais, sejam eles compostos por alegrias colossais ou espaços depressivos. Em Melodrama (2017), Lorde conta a sua história, capturando de forma magistral o emotivo processo de maturação de uma jovem com dores de crescimento. Poranto, o que podemos esperar no NOS Primavera Sound é um concerto/acontecimento onde haverá espaço para dançar (“Perfect Places”) e meditar sobre a vida (“Liability”), numa festa povoada por corações explosivos e outros amargurados. Um concerto essencial da edição de 2018 do NOS Primavera Sound.-

Jamie xx, dia 7 de junho, Palco NOS – 00H25

Jamie XX

Passam dias, semanas, meses, anos e In Colour (Young Turks, 2015) torna-se cada vez maior. O que nasceu como o álbum de estreia de uma promissora e solitária carreira de Jamie Smith, máquina dos The XX, acabou por se tornar num disco que reúne a tradição da música de dança dos últimos 20 anos: do garage do Reino Unido ao trance, passando pelo dancehall e pelo pop. E com ele nasce um Jamie xx por inteiro: seja como produtor, como DJ – onde transpira amor pela música disco – ou como membro dos The XX, onde no último álbum teve um papel crucial. Passam dias, semanas, meses e anos e Jamie xx torna-se cada vez mais insubstituível, mesmo após as inúmeras visitas que já nos fez.

1 de 3

Daniel E.S.Rodrigues

Sonho como se estivesse num filme de Wes Anderson, mas na verdade vivo no universo neurótico de Woody Allen. Sou obcecado pela temporada de prémios, e gostaria de ter seguido a carreira de cartomante para poder acertar em todas as previsões dos Óscares, Globos de Ouro (da SIC), Razzies, Troféus TV7 Dias e Corpo do Ano Men's Health. Mas, nesse universo neurótico e imperfeito em que me insiro, acabei por me tornar engenheiro. Sigam-me no Instagram para mais bitaites sobre Cinema, Música, Fotografia e outras coisas desinteressantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *