Melhores Albuns de 2017

Novos Melhores Álbuns de 2017

Na linha das melhores tradições da MHD, damos aqui a conhecer a nossa seleção dos melhores álbuns de 2107, conforme vão sendo editados ao longo do ano.

Uma visão pessoal, de espectro largo e nem sempre consensual, mas sempre orientada para o que consideramos de mais representativo entre a melhor música popular enquanto arte. Nem sempre a mais comercial, mas a que mais nos mobiliza e acreditamos que a muitos dos nossos leitores.

"A música pode mudar o mundo porque pode mudar as pessoas" Bono

10 de 18

Vince Staples, Big Fish Theory (Def Jam / Blacksmith, 23 Junho 2017)

Vince Staples é, junto com Kendrick Lamar, uma das vozes emblemáticas do hip-hop recente da costa oeste. O rapper de Long Beach chega com um dos melhores álbuns de 2017, Big Fish Theory, um longo e irónico comentário ao sucesso alcançado desde os tempos de delinquência juvenil como membro dos Crips até à actual posição de músico famoso. Neste álbum não faltam tiradas satíricas à ostentação, esbanjamento e jactância da cultura hip-hop, mas nem por isso Staples abandona o essencial da mesma, dando largas à sua ira pela crucifixão diária do povo negro e pelo estado da política americana contemporânea.

melhores álbuns de 2017
Vince Staples, Big Fish Theory

Contrariamente à sonoridade lenta, dissonante, pouco melódica que caracterizava o anterior LP, Summertime ’06, em Big Fish Theory, Vince Staples acelera os tempos e cria, com os produtores de que se rodeia, um som de pista de dança, baseado no house e techno de Detroit. Justin Vernon (Bon Iver), SOPHIE, Flumes, Jimmy Edgar e GTA são alguns dos seus colaboradores, para além de Zack Sekoff, presença constante na L.A. Beat Scene e responsável pelo som de cinco dos temas. Estes beats velozes colocam um desafio à sua cadência, prova que o rapper enfrenta e vence gloriosamente.

No entanto, a sonoridade disco do álbum resulta pouco festiva, tornando-se mesmo sardónica, quando alinhada com as rimas, que ora repetem mecanicamente os comportamentos de uma vida de dissipação até exporem o seu vazio, ora captam os detalhes sórdidos que desconstroem a sua aparência glamorosa. No centro, está o fio de desamor, tédio e isolamento que atravessa o quotidiano do estrelato: “Propaganda, pan press the camera / Please, don’t look at me in my face / Everybody might see my pain”.

VINCE STAPLES, BIG FISH THEORY | VIDEO OFICIAL

Maria Pacheco de Amorim

10 de 18

Maria Pacheco de Amorim

Literatura, cinema, música e teoria da arte. Todas estas coisas me interessam, algumas delas ensino. Sou bastante omnívora nos meus gostos, mas não tanto que alguma vez vejam "Justin Bieber" escrito num texto meu (para além deste).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *