Melhores Albuns de 2017

Novos Melhores Álbuns de 2017

Na linha das melhores tradições da MHD, damos aqui a conhecer a nossa seleção dos melhores álbuns de 2107, conforme vão sendo editados ao longo do ano.

Uma visão pessoal, de espectro largo e nem sempre consensual, mas sempre orientada para o que consideramos de mais representativo entre a melhor música popular enquanto arte. Nem sempre a mais comercial, mas a que mais nos mobiliza e acreditamos que a muitos dos nossos leitores.

"A música pode mudar o mundo porque pode mudar as pessoas" Bono

17 de 18

The War On Drugs, A Deeper Understanding (Atlantic Records, 25 Agosto 2017)

A noite está menos escura e assombrada na mente de Adam Granduciel, o incontestado líder e compositor dos War On Drugs, de Lost In a Dream, o seu 4º e anterior longa duração, o qual foi por muitos considerado o melhor álbum de 2014 (por aqui também). E se dúvidas houvesse acerca da contagiante alegria quase festiva que marca este novo álbum, bastariam os primeiros acordes de “Up All Night”, a primeira faixa de A Deeper Understanding, para as desfazer. É uma daquelas entradas de nos agarrar imediatamente pelo pescoço e de correr para o botão do rewind para a re-ouvir.

Se o rumo dos War On Drugs parece promissor, com mais um álbum nos primeiros lugares de dezenas de listas de melhores de 2017, Granduciel não esconde um certo positivismo, bastante ausente do seu anterior álbum.

Sometimes I’ll lay in the dark/ just to see if I can feel a spark

Um novo contrato agora com a Atlantic Records, a mãozinha de Shawn Everett na produção deste novo álbum, engenheiro de som dos Alabama Shakes, e last but not the least, o seu novo romance com Krysten Ritter (Jessica Jones e Breaking Bad) são mesmo capazes de ter dado uma ajuda.

Tanto as entradas ambientais e introspectivas, como as frequentes divagações mais psicadélicas de Lost In a Dream, deram agora lugar à sua vertente mais Springsteen, um discurso mais rock soalheiro, do que o shoegaze mais sombrio, embora a sua sonoridade continue sofisticada e coesa, rica em texturas delicadas, com belos graves e como sempre, um sentido rítmico vibrante da incansável bateria do seu fiel companheiro Charlie Hall. Cada música deste álbum é um edifício à prova de qualquer sismo ou tsunami e, se Dylan nos continua a espreitar por trás da voz de Granduciel, como em “Pain”, é agora mais a silhueta de Springsteen que se ergue com frequência entre os riffs de guitarra e a harmónica de Granduciel. Como refere com graça a nossa estimada revista Uncut, “Nothing To Find” de A Deeper Understanding está para “Glory Days”, como “Burning” de Lost In a Dream estava para “Dancing In the Dark”.

É verdade que nenhuma das faixas de A Deeper Understanding tem a força contagiante daquele diamante raro chamado “Red Eyes” e só mesmo talvez por isso  os #1 sejam em menor número das Listas dos Melhores álbuns 2017, nas quais irá mesmo assim, e sem dúvida alguma, merecidamente figurar.

UP ALL NIGHT, WAR ON DRUGS | VIDEO OFICIAL

Rui Ribeiro

17 de 18

Maria Pacheco de Amorim

Literatura, cinema, música e teoria da arte. Todas estas coisas me interessam, algumas delas ensino. Sou bastante omnívora nos meus gostos, mas não tanto que alguma vez vejam "Justin Bieber" escrito num texto meu (para além deste).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *