Outubro no teatro, O grande tratado de encenação

Outubro no teatro: Lisboa

1 de 13

Já com o ritmo marcado, após a breve experimentação das novas temporadas levada a cabo em setembro, outubro no teatro traz a activação diversas estruturas em simultâneo.

Fazemos a pesquisa, lemos, vemos e falamos sobre teatro. Tudo para que possamos sair de casa sem nos perdermos no barulho publicitário feito por uma mão cheia de espectáculos (fazendo com que nos esqueçamos de outros), ou simplesmente para sairmos da nossa zona de conforto.

Lê Também:
Saturnais, o "Lugar às novas" subiu à Comuna

Estas são as nossas sugestões de entre o que podes ver no mês de outubro:

OUTUBRO NO TEATRO | A FERA NA SELVA

Outubro no teatro, a fera na selva
A fera na selva

A Fera na Selva (The Beast in the Jungle, Henry James, 1903) recria em conto a angústia de dois seres em vertigem sobre o grande espanto que é viver. A ansiedade, o medo, a cautela perante o que virá, vai assim modulando uma relação cúmplice, um tempo dilatado de convívio, um quase-ritual-quase-iniciático, aos meandros de uma escuridão que também é nossa, dos leitores.
Duras apoiando-se na adaptacão dramática do texto, de James Lord (com quem colabora numa primeira versão, nos anos sessenta), recria na sua Fera final (1981), este labirinto psíquico de revelações e ocultações, de simulacros e frustrações, que habita também toda a sua escrita.
O trabalho de encenar este texto, e interessa frisar que mais do que um espectáculo, A Fera na Selva será um trabalho de texto, prende-se não só com o prazer de reconhecer os rostos de John Marcher e Catherine Bertrham em dois actores singulares, Margarida Marinho e Filipe Duarte, mas sobretudo em praticar em cena as paisagens emocionais, os vocábulos superlativos de James, filtrados na lendária música durasiana que nos deu India Song ou Savanah Bay.
A fera que no fim surgirá da densa selva e nos saltará ou não para cima, hedionda, inqualificável e implacável na sua predação, continua à espreita. À nossa espreita.

Durante uma curta temporada de apresentação, de 4 a 6 de outubro,  a encenação de Miguel Loureiro estará no pequeno auditório do CCB. A representação será assegurada por Filipe Duarte e Margarida Marinho de quinta-feira a sábado, às 21h, e com bilhetes a 12,50€ e a 15.

1 de 13

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *