Stellan Skarsgard, ator protagonizará filme sobre o Holocausto

A chegar ao aniversário do final da Segunda Guerra Mundial é tempo de recordar um dos acontecimentos que mais marcaram este conflito. E Stellan Skarsgard será o protagonista de um deles.

Adaptação do livro homónimo de Jerzy Kosinski, The Painted Bird (1965) foi bastante controverso aquando do seu lançamento. Isto devido à descrição de atos de terror conduzidos não pelos soldados alemães mas por mendigos polacos. A história gira em torno de um rapaz judeu que vagueia pela Europa de Leste fingindo ser um não-judeu para escapar à morte pelas mãos dos soldados Nazis durante a Segunda Grande Guerra.

Não percas: JUDAICA ’17 | Operação Antropoide, em análise

Com a realização de Václav Marhoul, The Painted Bird conta com a participação de Stellan Skarsgard (um soldado alemão), Udo Kier (The Miller), Aleksey Kravchenko, Petr Vanek (o rapaz judeu), Jitka Cvancarová, Lech Dyblik, Filip Kankovský, Radim Fiala, Milan Simácek, Petr Kotlar, Ala Sakalova, e Nina Sunevic.

Sobre o filme, Skarsgard deixa a seguinte mensagem:

“É um livro adorável e um guião adorável. Provavelmente estás familiarizado com a história. Ela segue um jovem rapaz e os seus encontros com várias pessoas diferentes, e eu sou uma delas.”

Quanto ao título, este parece ser inocente mas esconde uma mensagem terrível. The Painted Bird (O Pássaro Pintado) provem de uma tradição cuja consiste em apanhar pássaros, pintá-los em cores vivas e depois libertá-los. Devido à sua aparência e cheiro eles nunca são aceites pelas suas famílias que os bicam até à morte, uma analogia ao pequeno rapaz.

VÁCLAV MARHOUL REALIZA THE PAINTED BIRD

Stellan Skarsgard Vclav Marhoul

Sobre a crueldade do filme, Marhoul avisa:

“É uma história profundamente dramática que examina a relação imediata, por um lado, entre o terror e a crueldade e, por outro, entre a inocência e o amor. Ainda que a obra literária tenha sido vista desde a sua publicação como altamente controversa, ganhou reconhecimento mundial e inúmeros prémios prestigiados da literatura.

Houve momentos em que senti que seria incapaz de fazer isto, que é um pouco demais para a minha camioneta.”

O cineasta preparou esta obra durante 9 anos e agora mais do que nunca vê a sua necessidade. Estamos num momento onde os países da Europa lutam para absorver os milhões de imigrantes que chegam todos os dias. Todos fugidos de áreas de conflito pela África, Médio Oriente e Afeganistão.

Filmado a preto e branco, as gravações começam em breve na cidade de Praga e na Ucrânia. A sua estreia está marcada para Maio de 2019.

Ângela Costa

Mestre em Cinema pela Universidade da Beira-Interior, sou apaixonada pelo cinema japonês e toda a cultura que o envolve. Adoro igualmente fotografia e se tiveres curiosidade passa no meu Instagram ;) Música e videojogos são dois outros grandes interesses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *