LEFFEST ’17 | Chama-me Pelo teu Nome, em análise


Chama-me Pelo teu Nome” é uma obra-prima de desejo e paixão cristalizados em celuloide pela mão do genial Luca Guadagnino. Este é um dos títulos em competição no mais recente Lisbon & Sintra Film Festival.

chama-me pelo teu nome leffest call me by your name critica

O beijo caloroso de raios de sol a banharem um corpo relaxado numa tarde de verão, a segurança sentida ao ouvir uma voz paternal proferir palavras de conforto, a excitação do desejo sexual, o fulgor que acompanha o desabrochar do primeiro amor, a dor que acompanha memória de uma alegria perdida nas águas do passado – todas estas sensações desafiam a documentação, para nada dizer da descrição verbal ou discurso analítico. No entanto, tal dificuldade não dissuadiu o realizador Luca Guadagnino de as tentar cristalizar em cinema com o seu mais recente filme, uma adaptação do romance de André Aciman intitulado “Chama-me Pelo teu Nome”. O maior mistério de todos é como é que o cineasta italiano conseguiu fazer isso mesmo, criando um dos romances cinematográficos, dos últimos tempos, mais loucamente inebriados no poder imersivo do cinema e seu potencial para funcionar como uma máquina de empatia.

A ação situa-se principalmente no verão de 1983, no norte de Itália, onde o diretor de fotografia Sayombhu Mukdeeprom tudo pinta com a luz cálida que esperaríamos ver numa reveria campestre de Renoir ou nos contos estivais de Rohmer. Nesse paraíso terreno, encontramos Elio, o filho prodigioso de um professor universitário americano, cuja atenção é inexoravelmente conquistada pela presença de Oliver, um estudante do seu pai que, como é tradição familiar, ficará algumas semanas na casa italiana a servir de assistente ao académico. Silêncio embebido de desejos engolidos a seco dão lugar ao deflagrar de paixão mútua entre os dois homens, cujas semanas em secreta comunhão romântica e sexual se revelam como festins de vulnerabilidade e felicidade nunca antes sentidas por ambos. Apesar da época em que se passa, a ameaça de opressão social sobre os dois amantes do mesmo sexo raramente se manifesta, sendo esta a impressão radiosa de um primeiro amor potencialmente tão efémero como o verão ou a vitalidade da juventude.

chama-me pelo teu nome leffest call me by your name critica

Tal como o livro de Aciman, o filme, parcialmente escrito pelo cineasta americano James Ivory, foge a muitos dos maiores clichés e debilitantes fórmulas do cinema LGBT+, preferindo explorar a especificidade queer do seu romance sem o subjugar a estruturas preconcebidas de desenvolvimento narrativo. Essa especificidade manifesta-se principalmente na abordagem formal, especialmente no que diz respeito a movimentos de câmara e composição, sendo a económica utilização de grandes planos definidores de trocas de olhares luxuriantes de particular destaque. Essas imagens tão cuidadosamente ancoradas pelas faces dos atores realçam também o modo como os atores, em parelha com a formalidade sensualista de Guadagnino, conseguem sugerir a interioridade das suas personagens, sem que o guião tenha de se apoiar nessa tão comum muleta das adaptações literárias ao cinema – a narração voz-off.

Timothée Chalamet consegue criar em Elio o tipo de prestação que faria de qualquer narração uma obsolescência perversa, sendo que toda a miríade de reflexões autocríticas e infindáveis indagações sobre os comportamentos de Oliver brilham no olhar do ator e são materializados em cada mudança de postura e forma de andar na presença do objeto de desejo do jovem. Chalamet é particularmente soberbo na sua rendição aos epítetos de vulnerabilidade exigidos pelo argumento, quer seja no choro que se segue a uma despedida dolorosa na estação de comboios, ou na muito falada cena em que Elio se masturba com o auxílio de um pêssego e acaba por se desfazer em lágrimas nos braços do seu amado depois de este tentar saborear o esperma misturado com os sucos do fruto. Essa e outra cena, em que Elio se contorce com os calções usados de Oliver sobre o rosto são dos momentos mais decididamente sexuais do cinema de 2017, mas são também dos mais emocionalmente poderosos – sugerindo a confusão avassaladora de alguém que nunca sentiu o que está agora a experienciar no corpo e mente, assim como a total subjugação de alguém aos seus mais secretos desejos.

Desejo é um tema central em “Chama-me Pelo Teu Nome”, sendo que o próprio realizador já caracterizou a obra como um capítulo final numa trilogia temática em volta do desejo cujos outros títulos são “Eu Sou o Amor” e “Mergulho Profundo”. Como tal, a concretização humana do objeto de desejo de Oliver não é um papel a ser menosprezado e, pela sua parte, Armie Hammer faz milagres com o pouco que a perspetiva subjetiva do filme lhe concede. Simultaneamente uma ilusão antropomórfica de desejos projetados pela mente de um adolescente embriagado de amor, assim como um ser humano de carne e osso com uma vida interior própria, Oliver é uma figura de mistério e sedução, mas nunca distante ou alienante na sua reticência. Chegada a segunda metade do filme, a audiência está praticamente tão investida nas emoções do estudante americano como nos sentimentos do seu amado, especialmente devido ao modo como Hammer nos permite ver vislumbres do homem que nem mesmo Elio conhece, aquele que contempla o seu amante com afeto mesclado de dolorosa insegurança após o seu primeiro encontro sexual, por exemplo.

chama-me pelo teu nome leffest call me by your name critica

Na verdade, todo o elenco do filme é estupendo e acaba por resolver muitos dos problemas da sua origem literária, onde as personagens femininas parecem esboços inacabados e a realidade humana de Oliver está sempre meio inalcançável. Por muito brilhantes que Amira Casar e Esther Garrel possam ser nos respetivos papéis de mãe e amiga de Elio, é Michael Stuhlbarg como o pai do jovem que tem justamente recebido a maior atenção da crítica. O professor Perlman é o tipo de pai que qualquer jovem da comunidade LGBT+ pode sonhar ter, compreensivo, carinhoso e portador de uma sagacidade bem escondida. Stuhlbarg dá vida a este ideal com descontraída jovialidade, fazendo de cenas de refeição filmadas em planos gerais imóveis autênticas montras para as suas deliciosas reações silenciosas e dando vida a um discurso que dificilmente será esquecido por quem tiver o privilégio de ver “Chama-me Pelo Teu Nome”.

Lê Também:
Top 10 filmes do cinema italiano

Em tantos outros dramas românticos, a temporalidade limitada da paixão é vista como uma tragédia, mas Stuhlbarg, através das palavras de Ivory e Aciman, manifesta-se contra tais ideias, oferecendo ao espetador um monólogo que remata esta longa narrativa de desejos não verbalizados com um necessário fôlego de palavras, tão generosas quão abundantes. Seguindo a mesma linha orientadora do estilo sensorialmente imersivo do filme, este monólogo celebra a emoção e apela à valorização até da dor. Afinal, o que é a dor da paixão perdida, do que uma confirmação do seu poder? Para quê desejar não sentir nada, quando há tanta beleza até nos sentimentos mais dolorosos? Valerá a pena extinguir a chama do amor para se evitar o sofrimento? Não é a resposta do filme que, mesmo no seu longo e muito lacrimoso plano final parece recusar encarar tais lágrimas como algo merecedor de arrependimento.

chama-me pelo teu nome leffest call me by your name critica

Continuar a escrever sobre “Chama-me Pelo teu Nome” é um exercício fútil. Este é um filme que se sente, não um filme que se explica. Tais palavras têm o sabor nauseante de um cliché mais velho que o cinema, mas não deixam por isso de trespassar considerável verdade. Por muito que o monólogo de Stuhlbarg faça uma boa sintetização de alguns dos maiores temas da obra, há tantas outras complexidades que merecem ser descobertas individualmente por cada membro da audiência a seu tempo, a seu ritmo e sua vontade. “Mistérios do Amor” é o título de uma das duas canções originais que Sufjan Stevens compôs para o filme e é também algo que o cinema muitas vezes tentou documentar sem sucesso. Bem, pelo menos foi um esforço infrutífero antes da existência de “Chama-me Pelo teu Nome”.

 

Chama-me Pelo teu nome, em análise
chama-me pelo teu nome leffest call me by your name critica

Movie title: Call me By Your Name

Date published: 2017-11-21

Director(s): Luca Guadagnino

Actor(s): Timothée Chalamet, Armie Hammer, Michael Stuhlbarg, Amira Casar, Esther Garrel, Vanda Capriolo

Genre: Drama, Romance, 2017, 132 min

  • Claudio Alves - 95
  • Catarina d'Oliveira - 90
  • Maria João Bilro - 95
  • Daniel Rodrigues - 100
  • Filipa Machado - 90
  • José Vieira Mendes - 80
  • Miguel Pontares - 90
  • Rui Ribeiro - 85
  • João Fernandes - 90
  • Inês Serra - 90
91

CONCLUSÃO

Meras palavras são incapazes de descrever a beleza transcendente de “Chama-me Pelo teu Nome”, um filme capaz de cristalizar a sensação efémera do primeiro amor de modo magistral. Esta é uma obra-prima de cinema enquanto espetáculo sensorial e emocional que não deve ser perdido.

O MELHOR: O modo como Guadagnino e sua equipa ilustram os desejos das suas personagens através de mecanismos tão complexos como baléticas coreografias de câmara ou tão simples como o olhar no rosto de Elio enquanto observa Oliver dançar.

O PIOR: Perto do final, Guadagnino tenta ilustrar algo entre o sonho e a memória já em trágica deterioração através do uso de rápidas imagens com as cores invertidas. Concetualmente, essa decisão estilística é justificável, mas a sua chocante aparição rompe com o ritmo docemente hipnótico do filme e proporciona um distanciamento indesejado entre o espetador e o objeto cinematográfico.

CA

Sending
User Rating 4.5 (10 votes)
Comments Rating 1 (1 review)

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho, assim como um cinéfilo devoto.

One thought on “LEFFEST ’17 | Chama-me Pelo teu Nome, em análise

  • pessimo

    Fui ver a antestreia e para mim é um péssimo filme. Não tem historia, Consegue-se estar quase 3 horas a ver um filme monótono de imagens e nada conta de novo. Sem futuro…nojento mesmo
    1 estrela em 5

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sending