O Livro da Selva, em análise

O Livro da Selva reúne os ingredientes para ser mais um sucesso da Disney, tem magia, comédia, música e muita emoção. 

“Walt Disney não para”, esta é provavelmente a primeira expressão que ouvirá antes de comprar um bilhete nos dias que correm, afinal o estúdio tem sempre um ou outro filme em exibição nas salas de todo o mundo. Na verdade, depois do êxito de Frozen – O Reino de Gelo, no campo da animação e depois do sucesso de Alice no País das Maravilhas (2010), no domínio do live-action, sabíamos muito bem que tantos argumentos guardados a sete chaves poderiam finalmente ganhar forma. Em anos anteriores já tivemos oportunidade de descobrir os segredos do passado de Maléfica, a vilã de A Bela Adormecida, no filme do mesmo nome protagonizado por Angelina Jolie e, podemos, repetir a dose de Cinderela com Cate Blanchett e Lilly James, projetos tão inesperadamente envolventes quanto as suas histórias originais. Claro que no decurso do visionamento de O Livro da Selva já sabemos o que acontecerá, o enredo é idêntico, mas a magia característica do estúdio e o fascínio que muitos de nós dispomos, sejam rapazes ou raparigas já adultos, é algo do qual não conseguimos escapar.

O Livro da Selva

Consulta : Guia das Estreias de Cinema | Abril 2016

As primeiras imagens que vemos em O Livro da Selva conquistam desde logo pela sua grandiosidade em CGI, e não confundamos quantidade com qualidade – embora aqui ambas estejam de mãos dadas – porque este filme não utiliza de todo a tecnologia para literalmente preencher o que falta ao papel, tal como aconteceu em Batman V Superman: O Despertar da Justiça. Na verdade, O Livro da Selva, precisa paradoxalmente do digital para contar a sua história, mas corrobora uma dimensão familiar e não arrisca tanto por novos caminhos para não cair no ridículo, à semelhança da medida adotada pelo estúdio em Star Wars: O Despertar da Força. Consequência primeira seja portanto a capacidade de O Livro da Selva  interagir com o público – daí que seja recomendável o IMAX 3D -, experiência provavelmente próxima àquela que há mais de cem anos um conjunto de espetadores teve ao assistir a Viagem à Lua, de George Méliès. Não pense que estaremos a exagerar, aquilo que O Livro da Selva faz num ponto de vista técnico iguala ao “primeiro” filme que utilizou efeitos visuais e quase de certeza não veremos noutros filmes deste ano.

Lê Também:
Beyoncé e Rei Leão, o que têm em comum?

O Livro da Selva

Lê ainda: O Livro da Selva | Elenco faz sessão fotográfica com as suas personagens

No entanto, O Livro da Selva é muito mais que truques de magia e prima pelo realismo da imagem, potencializado pelas tecnologia computadorizada da WETA e da equipa da Moving Picture Company (MPC), com a preocupação de humanizar os animais que vão surgindo no ecrã – não esquecer que todos eles falam a nossa língua. Dispostos de diferentes tamanhos, cores, taras e manias porque orgulhosos, gulosos, preocupados, são estes os seres vivos que temos o prazer de conhecer, quase como numa visita a um jardim zoológico, e com a necessidade intrinseca de chamar a atenção a uma problemática que não iremos aqui revelar, algo muito superior à criação de super-heróis que existam por outras bandas e que já estamos fartos de assistir.

Apesar disso e porque qualquer filme é mais do que técnica, é necessário considerar O Livro da Selva um nível narrativo. De facto, como já apontado, estamos num registo familiar porque a história apenas expõe visualmente a obra clássica da literatura de Rudyard Kipling publicada em 1894, sobre uma criança que cresce na selva. Mowgli (interpretado pela primeira grande criança revelação de 2016, Neel Sethi) vive o inóspito mundo da floresta ao lado da pantera negra Bagheera (voz do extraordinário Ben Kingsley) e dos lobos Akela (voz de Giancarlo Esposito) e Raksha (voz de Lupita Nyong’o, com frases de efeito memorável), responsáveis pelos seus ensinamentos. A vida poderia ser pacífica se não fosse a existência de um tigre arrogante Shere Khan (o talentoso Idris Elba) que ameaça vingar-se da sua ferida no rosto, causada pela Flor Vermelha, uma das ferramentas do Homem. Ora até aqui nada de novo, certo? A história é tão conhecida que o enredo pode dar brilho aos momentos mais cómicos – em alguns até aparece que assistimos a uma espécie de stand-up comedy, como quando Mowgli ajuda Baloo (aquela voz de Bill Murray tão divertida) e os “vizinhos” desse urso peludo aparecem para discutir a situação -, ou para intensificar situações de maior suspense – claro as presenças de Kaa (Scarlett Johansson) e do Rei Louie (Christopher Walken) não passarão despercebidas.

Lê Também:
Beyoncé e Rei Leão, o que têm em comum?

O Livro da Selva

Lê mais: 9 Coisas que (possivelmente) Não Sabias sobre O Livro da Selva

Num registo familiar, O Livro da Selva é cinema para todos, não cinema para alguns. É o cinema de atração que reúne toda a família, inclusive os membros mais velhos que tiveram oportunidade de assistir a O Livro da Selva, de 1967. Quase cinquenta anos separam estas produções, mais parecem estar tão mais perto uma da outra do que imagina. A Walt Disney insiste, e bem, em firmar o seu legado e aquilo que lhe é próprio, sem ser demasiado lamechas ou presunçosa numa adaptação mais complexa da ideia base. Temos por isso a importância de retomar canções como “The Bare Necessities” e “I Wanna Be Like You”, cantadas por Baloo e pelo Rei Louie respetivamente, incluídas na banda-sonora harmoniosa de John Debney (nomeado ao Óscar por A Paixão de Cristo), e que nos fazer querer cantar e dançar quando o filme termina.

O Livro da Selva

Lê mais: Disney já está a preparar O Livro da Selva 2!

Voltemos ainda ao seu protagonista, Mowgli. Nesta sua viagem, que é uma viagem de auto-descobrimento e do que significa crescer, o ator preserva a dualidade da personagem em si próprio isto porque teve que se adaptar a um mundo que vai além do seu olhar. Neel Sethi é prova, em cada um dos seus movimentos, do perpétuo continuum entre realismo e ficção que O Livro da Selva e, por sua vez todo o bom cinema digital, enfatiza. Em suma, está é uma aventura onde imaginário torna-se real, uma impressionante experiência cinematográfica que vale o custo do bilhete.

O MELHOR – As interpretações densas dos animais tão humanizados quanto o protagonista.

O PIOR – Faltou uma maior ligação entre Mowgli e os humanos, mas talvez seja esse o enfoque da sequela.


Título Original: The Jungle Book
Realizador:  Jon Favreau
Elenco: Neel Sethi, Bill Murray, Ben Kingsley, Idris Elba, Lupita Nyong’o, Scarlett Johansson, Giancarlo Esposito e Christopher Walken 
NOS | Aventura, Drama, Família | 2016 | 105 min

  O Livro da Selva   

Catarina d'Oliveira
Cláudio Alves
Daniel Rodrigues
José Vieira Mendes
Maria João Bilro
Marcos Mendes
Miguel Simão
Rodrigo Marques
Rui Ribeiro
Virgílio Jesus
Vitor Simão
 


VJ

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *