Prey (PS4) | Análise

Num futuro em que muita coisa corre mal, Prey é um angustiante jogo de sobrevivência que vai buscar inspiração a jogos como Bioshock ou System Shock.

Sendo um jogo que tenta, a cada instante, criar a sensação de que algo está a correr mal, Prey sustenta-se num design interessante e em cenários que conseguem em alguns momentos contar uma pequena história que torna o mundo mais coerente. É verdade que não consegue alcançar o brilhantismo, por exemplo, de Bioshock em termos de cenário e história, mas consegue deixar-nos com uma sensação de que estamos a compreender aos poucos o que ali aconteceu.

A narrativa começa bem, conseguindo agarrar a atenção do jogador com bastante mistério e algumas pistas promissoras. Infelizmente a meio o enredo perde algum peso, levando a que o jogo se torne durante muitas horas apenas num survival quando podia ser algo mais. Nesse aspeto o problema poderá ser originada por várias missões secundárias que não conseguem acrescentar muito ao enredo principal.

No entanto, na fase final o jogo volta a ganhar algum fulgor, apesar de não conseguir um final memorável, atinge uma coerência bem conseguida e lógica. As personagens acabam por não ser memoráveis e também se sente em muitos casos a falta de mais opções de diálogo. No entanto, temos de enaltecer as várias questões morais que iremos enfrentar e que alteram a história. O resultado é um jogo que ao prologar-se por mais de 30 horas, por vezes parece algo inconstante no seu enredo, mas que compensa com a sensação permanente de que estamos a ser observados e que iremos ser atacados. O ambiente tenso é o trunfo de um jogo que apresenta nuns momentos uma boa inteligência artificial, mas que falha noutros.

Lê Também:
PlayStation Experience 2017 terá três eventos livestream

 

Lê também: Top Jogos | Os 100 melhores jogos de sempre

Os nossos poderes são variados e bem pensados apesar de não trazerem nada de revolucionário ao género. A base da jogabilidade passa sempre pela exploração porque o combate não consegue destacar-se. Em termos de exploração devemos enaltecer o facto de existir sempre algo com que interagir em cada cenário. Existe muito para armazenar e usar mais tarde, nas mais variadas possibilidades.

Longe de ser um portento gráfico, Prey faz uma boa reutilização dos cenários, deixa-nos tensos durante todo o jogo e leva-nos a questões que nos farão pensar. Falha em alguns tempos de loading demasiado extensos e no geral é um jogo que não consegue marcar o género mas que vai melhorando aos poucos, graças a uma vertente mais estratégica e que se enquadra muito bem na tensão constante. Se gostam do estilo terão aqui uma boa opção que vos durará umas 40 horas “à vontadinha”.

Lê Também:
PlayStation 4 ultrapassa as 70.6 milhões de unidades vendidas

 

Luís Pinto

 

HARDWARE USADO PELA MHD PARA TESTES DE JOGOS

PS4:

  • PlayStation 4 Glacier White
  • DualShock 4 White
  • Razer Leviathan Sound System

PC:

  • Headphones Razer Carcharias
  • Keyboard Razer Epic Chroma
  • Mouse Razer Naga Epic Chroma
  • Monitor Philips BDM3275UP

Mobile:

  • LAIQ Glow
Prey

Game title: Prey

Game description: Num futuro em que muita coisa corre mal, Prey é um angustiante jogo de sobrevivência que vai buscar inspiração a jogos como Bioshock ou System Shock.

  • Enredo - 78
  • Jogabilidade - 82
  • Gráficos - 77
  • Som - 78
79

RESUMO

O MELHOR: Muito para explorar

O PIOR: Tempos de loading

EDITORA: Bethesda

PRODUTORA: Arkane Studios

PLATAFORMA PlayStation 4

Sending
User Rating ( votes)
Comments Rating ( reviews)


Sobre Luis Pinto

Software developer – Autor do blog Ler y Criticar – Apaixonado por jogos desde o tempo do Spectrum!