10 Coisas que (possivelmente) Não Sabias sobre Mundo Jurássico

 

“Mundo Jurássico” é o inequívoco campeão de bilheteiras deste verão e, muito provavelmente, desta década. Como celebração do sucesso da sequela do clássico de Steven Spielberg, revisitamos 10 factos que podias não saber sobre este muito ansiado regresso ao Parque.

Desde composições secretas de dinossauros a easter eggs inesperados, mantém o teu bilhete por perto e embarca connosco à descoberta!

 

[Atenção: este artigo pode conter SPOILERS]

 

1. Veículos 18 e 29

18

O carro antigo que Zach e Gray reparam com sucesso nos escombros do antigo “Parque Jurássico” tem o número 29. Este é exatamente o mesmo carro que John Hammond utilizou para se transportar na ilha no início de “Parque Jurássico”. Da mesma forma, o veículo 18 é aquele que Owen e Claire utilizam para se esconder do Indominus Rex – este foi o jipe utilizado pelo Dr. Grant, Dra. Sattler e Malcom quando chegaram à ilha, no primeiro filme.

 

2. O regresso de uma velha conhecida

mundo jurássico

Não é só o imaginário de fantasia que está de volta aos grandes ecrãs de todo o mundo, alguns dos peões mais importantes e fascinantes também. Case in point: a gloriosa T-Rex de “Mundo Jurássico” é, na verdade, a mesmo de “Parque Jurássico”. Em declarações ao LA Times, o realizador Colin Trevorrow confirmou o facto: “ela está na ilha há 22 anos. Ainda está viva. Está mais velha, e está zangada”. Mas querem uma belíssima confirmação gráfica? Basta atentar no pormenor das cicatrizes envelhecidas da veterana na sequela, ganhas à custa de uma contenda com um Velociraptor no filme original de 1993.

 

3. … e de um outro também

mundo jurássico

Todas as personagens principais do elenco original foram consideradas para regressar à sequela, no entanto, não foi encontrada uma forma lógica e fluída de o fazer. À exceção de uma: o especialista em genética Henry Wu.

Lê Também:
Mundo Jurássico | Dinossauros à solta na nova curta-metragem

 

4. Velociraptors bailarinos

raptor

A mecânica de criação de efeitos visuais é bastante variada. Basicamente, existem diversas estratégias para criar algo que não está lá. Por vezes, a referência para um ator é uma bola de ténis colada numa vara, ou uma pequena marcação com fita cola, ou até pessoas verdadeiras. No caso particular das quatro Velociraptors de “Mundo Jurássico”, foi contratada uma equipa de bailarinos que – pela sua disponibilidade e habilidade de controlo de movimentos – conseguia imitar as moções dos dinossauros. Com fatos cinzentos, capacetes enfeitados e, por vezes, bicicletas, os quatro bailarinos ajudaram a criar Echo, Delta, Charlie e Blue.

 

Lê também a nossa crítica a “Mundo Jurássico”

 

5. A derrota de Jaws

shark

Além do fator “espetacularidade máxima”, este não foi o único elemento a contribuir para a escolha de um enorme tubarão branco para o espetáculo de alimentação do Mosassauro. Na verdade serviu para prestar homenagem ao produtor executivo Steven Spielberg, realizador do “Parque Jurássico” original mas também do filme que criou a definição de blockbuster de verão: “Tubarão”.

 

6. A comunidade científica está fula

mundo jurássico

Nos últimos 22 anos, desde a estreia de “Parque Jurássico” foram feitas muitas e novas descobertas pela comunidade paleontóloga no que respeita à fisionomia dos dinossauros. Um dos principais achados recentes defende que estes, como ancestrais dos pássaros, seriam cobertos por penas. O perdão oficial foi dado ao original de Spielberg porque foi desenvolvido antes da descoberta, mas quanto à nova sequela… chegou mesmo a ser apelidada de “irresponsável e ignorante”.

Lê Também:
Mundo Jurássico | Dinossauros à solta na nova curta-metragem

 

7. Data histórica

jp

“Mundo Jurássico” foi estreado mundialmente a 12 de junho de 2015. Esta data particular foi intencional para coincidir com o lançamento do “Parque Jurássico” original, a 11 de junho de 1993.

 

8. Indominus Rex, uma caldeirada de seres vivos

rex

Como referido no filme, o Indominus Rex foi criado a partir de uma base de T-Rex com elementos de outros animais adicionados. Entre estes referiram-se combinações de DNA de choco e rã, que lhe conferem respetivamente as capacidades de camuflagem e controlo térmico. No que respeita a componentes de dinossauros, além dos Velociraptors referidos no filme, foi também confirmada a presença de genes dos carnívoros Carnotauro, Gigantossauro, Majungossauro, Rugops e Alossauro e ainda do herbívoro Anquilossauro (refletido na carapaça de picos visível no Indominus Rex).

 

9. Teoria do Caos

caos

Um das mais memoráveis passagens de diálogo de Ian Malcolm (Jeff Goldblum) em “Parque Jurássico” está relacionada com a explicação da Teoria do Caos, onde o matemático utiliza o exemplo de duas gotas de água que escorrem pela mão de uma pessoa em direções diferentes por uma diversidade de fatores que estão em constante variação e são, por isso, imprevisíveis. Em “Mundo Jurássico”, quando duas gotas de sangue caem na mão de um membro de segurança da InGen, ambas seguem direções diferentes. A teoria do Caos em ação, uma vez mais.

 

10. Alguém aumente a segurança… por favor?

mortes

“Mundo Jurássico” é inequivocamente o filme mais mortífero da saga “Parque Jurássico”. A mais recente sequela amontoa pelo menos 25 mortes conhecidas. Os números dos três primeiros filmes são, respetivamente: sete, 17 e seis.

Catarina Oliveira

Licenciada em Ciências da Comunicação e com formação complementar em Design Gráfico, além de editora e diretora criativa da MHD é também uma das sócias fundadoras da mais recente face da empresa. Colaboradora de Cinema na Vogue Portugal. Gestora de conteúdo na Lava Surf Culture e NOS Empresas - Criar uma Empresa. Autora do blog de Cinema Close-Up.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *