69º Festival de Cannes (Dia 5) | O Gigante Spielberg

Steven Spielberg, um dos gigantes da 7ª Arte estreou aqui fora da competição o muito aguardado The BFG (O Amigo Gigante), uma versão cinematográfica do conto de Roald Dahl, que tanto dá para os adultos como para as crianças.

The BFG

The BFG (O Amigo Gigante) de Steven Spielberg (EUA), com Mark Rylance, Ruby Barnhill,  Penelope Wilton (fora da competição)

A história: É um fábula sobre a relação de Sophie, (Ruby Barnhill), uma miúda orfã e um gigante de bom coração (Mark Rylance), que põe sonhos nas mentes das crianças enquanto estas dormem. Ele é o único gigante da sua espécie a fazer isto, já que os outros dedicam-se a comer humanos. Uma noite, e durante um grande temporal em Londres, ele sequestra a pequena Sophie e daí vai nascer uma grande amizade.

Vê trailer de The BFG

A análise: Quando Steven Spielberg se baseia num texto de Roald Dahl, só se pode esperar o melhor em cinema e em espectáculo. The BFG (O Amigo Gigante) é baseado no texto original de 1982, e realmente logo no início do filme quando começa a tempestade londrina, começa mais uma grande aventura spielberguiana.

The BFG

Spielberg de facto faz crescer todas as cenas que Dahl descreveu, num regresso à animação que do ponto de vista técnico e estéticos,  consegue estar à altura do conto de Dahl. E depois Spielberg com as suas personagens infantis e numa mistura de imagem real com animação, consegue uma faustosa fantasia cinematográfica. A começar pelo ilustre co-protagonista, o actor Mark Rylance (o agente soviético de Ponte dos Espiões e Óscar de Melhor Actor Secundário 2016), que tocado pela mão mágica do 3D, torna-se um ser terno e o melhor parceiro da pequena Ruby Barnhill, que é uma actriz fantástica.

The BFG

Mais uma vez Rei Midas do cinema não nos defrauda com o seu conceito único de espectáculo total e em The BFG (O Amigo Gigante), o entretenimento está assegurado mesmo do principio ao fim, mesm esteja muito longe de trazer as emoções de um E. T. – O Extraterrestre (1982).

JVM


José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *