77º Festival de Veneza: ‘Le Sorelle Macaluso’

‘Le Sorelle Macaluso’, de Emma Dante é uma brilhante e empática história de cinco mulheres de Palermo, que crescem, tornam-se adultas e vivem com os fantasmas e as memórias do passado, quase como todos nós.

O dramaturga, escritora, encenadora e cineasta palermiana Emma Dante regressou ao Lido, sete anos depois da estreia do lindíssimo ‘Via Castellana Bandiera’, um filme baseado numa das suas peças de teatro e que rendeu aqui então à actriz Elena Cotta, uma Taça Volpi/Prémio de Interpretação. A peça ‘Le Sorelle Macaluso’ — creio que já foi estreada em 2014 no Festival de Teatro de Almada — teve também e naturalmente esta belíssima adaptação ao cinema apresentada na competição Veneza 77. As obras de Dante são histórias vivas, empáticas, feitas de matéria pulsante, que se agarram aos sentidos e às memórias do espectador. A história de Maria, Katia, Pinuccia, Antonella e Lia não foge à regra seja no teatro ou no cinema. As cinco irmãs moram juntas num casarão num prédio que está a cair aos pedaços em Palermo. No filme vemo-las crescer, tornarem-se adultas e envelhecerem. Algumas vão embora, talvez voltem, outros ficam lá para sempre, na grande casa com um pombal em cima, enquanto o mundo lá fora continua a girar a grande velocidade. Esta família de três gerações de mulheres traz-nos imediatamente à tona as nossas memórias de crianças (seja rapazes ou raparigas) nos nossos quartos da infância partilhado com os irmãos, onde criámos vínculos muito fortes e também algumas naturais disputas; ou das férias grandes passadas na praia, enquanto os nossos pais trabalhavam. E mais tarde já cada um nas suas vidas trazem-nos também muitas mágoas e desgostos.

‘Le Sorelle Macaluso’, é um filme notável, com que nos envolvemos de imediato, que está sustentado numa realização impecável e numa escrita rigorosa de argumento, onde o conceito de família é fundamental, como outros elementos primordiais e universais. O tema da família é aliás também central em toda a obra de Dante. Talvez por isso os filmes (e as peças) de Dante não têm fronteiras físicas, nem linguísticas. O próprio dialeto de Palermo de ‘Le Sorelle Macaluso’ tem uma musicalidade (faz lembrar o português do Brasil) que combina perfeitamente com os gestos e o ritmo das frenéticas personagens interpretadas por um grande grupo (3×5) de maravilhosas actrizes. Ao lado da já experiente Donatella Finocchiaro encontramos outras recém-chegadas ao cinema Alissa Maria Orlando, Susanna Piraino, Anita Pomario, Viola Pusateri, Donatella Finocchiaro, Serena Barone, Simona Malato, Laura Giordani, Maria Rosaria Alati, Rosalba Bologna e Ileana Rigano. Atenção a Eleonora De Luca, que participa também em ‘Padrenostro’, de Claudio Noce, outro dos filmes italianos da competição.

JVM

José Vieira Mendes

Jornalista, crítico de cinema e programador. Licenciado em Comunicação Social, e pós-graduado em Produção de Televisão, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. É actualmente Editor da Magazine.HD (www.magazine-hd.com). Foi Director da ‘Premiere’ (1999 a 2010). Colaborou no blog ‘Imagens de Fundo’, do Final Cut/Visão JL , no Jornal de Letras e na Visão. Foi apresentador das ‘Noites de Cinema’, na RTP Memória e comentador no Bom Dia Portugal, da RTP1.  Realizou os documentários: ‘Gerações Curtas!?’ (2012);  ‘Ó Pai O Que É a Crise?’ (2012); ‘as memórias não se apagam’  (2014) e 'Mar Urbano Lisboa (2019). Foi programador do ciclo ‘Pontes para Istambul’ (2010),‘Turkey: The Missing Star Lisbon’ (2012), Mostras de Cinema da América Latina (2010 e 2011), 'Vamos fazer Rir a Europa', (2014), Mostra de Cinema Dominicano, (2014) e Cine Atlântico, Terceira, Açores desde 2016, até actualidade. Foi Director de Programação do Cine’Eco—Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela de 2012 a 2019. É membro da FIPRESCI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *