8 Coisas que (possivelmente) Não Sabias sobre Warcraft

Warcraft: O Primeiro Encontro de Dois Mundos é uma das mais ansiadas adaptações de videojogos ao universo cinematográfico; prestes a chegar ao imaginário da sétima arte, examinamos algumas das maiores curiosidades que envolvem este colossal blockbuster.

 

1. Base literária

w-livro

Apesar de ter sido originalmente criada como uma série de videojogos em meados dos anos 90, a saga Warcraft teve tanto sucesso que não demorou muito tempo até se estender a outros meios – o mais notável, a literatura. Com dezenas de livros, revistas e bandas-desenhadas como base, Duncan Jones e Charles Leavitt conseguiram sustentar a história do filme, sobretudo, em dois romances: Rise of the Horde e The Last Guardian que exploram, sob pontos de vista distintos, a invasão dos orcs.

 

2. Criadores do jogo a bordo

w-game

Lê mais: Warcraft será dos primeiros filmes da Universal em definição 4K

Quando se dá lugar a uma adaptação cinematográfica de um grande videojogo, a norma é que a empresa por detrás da produção do mesmo abra caminho ao estúdio para que este faça o que bem entender com o projeto no grande ecrã. Bom… não desta vez! Desde o início a Blizzard esteve envolvida em todos os passos da produção para garantir que esta era o melhor e mais fiel filme que poderia ser feito sobre Warcraft.

 

3. Realizado por… Bowie Jr.?
w-duncan

Duncan Jones é um promissor visionário inglês que esteve no leme dos subvalorizados thrillers de ficção científica Moon – O Outro Lado da Lua (2009) e  O Código Base (2011). De facto, o jovem realizador fez com que o mundo reparasse no seu nome sem sequer usar o seu poderoso apelido: Bowie. Duncan Zowie Haywood Jones era o filho único de David Bowie, fruto do seu casamento com Angela Barnett.

 

4. … Mas não foi a primeira escolha

w-spidey

Lê também: World of Warcraft – Warlords of Draenor (PC) | Análise

Sam Raimi, criador de Evil Dead e da saga de Homem-Aranha (no grande ecrã) foi a primeira escolha para orquestrar a passagem de Warcraft para o grande ecrã, no entanto, o realizador americano abandonou o projeto em 2012 afirmando falta de tempo (entre a azáfama de realizar Oz: O Grande e Poderoso).

5. Longa gestação

w-weapons

A Blizzard anunciou que a adaptação cinematográfica de Warcraft ia acontecer em 2006, no entanto, os preparativos, escrita de argumento e pré-produção acabaram por tomar cerca de sete anos. Seguiram-se 123 dias intensos de filmagens e o projeto de Duncan Jones passou ainda por um extenuante período de pós produção que durou… 20 meses! Tudo isto contribuiu para chegar a uma criação de ambiência em perfeita harmonia com o fantástico universo introduzido pelos célebre videojogo.

 

6. Armas impressas

w-weapons

Richard Taylor, o mestre dos efeitos visuais físicos que encheu o armário de Óscares pelo seu trabalho na saga d’O Senhor dos Anéis, foi o responsável pela criação das armas e armaduras dos personagens do universo de Warcraft. O mais surpreendente é que o seu grande segredo para esta aventura de efeitos visuais foram… as impressoras 3D – foi esta a tecnologia vanguardista que utilizou para construir o magnífico arsenal humano e orc.

 

7. Inspiração em Hulk

w-hulk

Lê ainda: Top Jogos Mobile | 2. Hearthstone: Heroes of Warcraft

Para uma captação de movimento e criação visual de topo, Duncan Jones confiou nos especialistas Bill Westenhofer,    Jason Smith e Jeff White – este último, nada mais que o responsável pela interpretação de Hulk em Os Vingadores. O realizador afirmou que, na sua opinião, a mutação e genética de Hulk seria muito semelhante à dos Orcs.

 

8. Mais efeitos práticos do que julgamos

w-floresta

Na criação de um universo tão plenamente fantasioso como o de Warcraft, seria bastante fácil deixarmo-nos levar pelas singulares fantasias dos efeitos visuais, mas Duncan Jones fez questão de usar efeitos práticos sempre que possível. O exemplo mais extraordinário é o da floresta criada num soundstage. A atriz Paula Patton admitiu mesmo que “foi construída à escala e tínhamos lá cavalos e saltávamos de árvores e tudo mais”.


Catarina Oliveira

Licenciada em Ciências da Comunicação e com formação complementar em Design Gráfico, além de editora e diretora criativa da MHD é também uma das sócias fundadoras da mais recente face da empresa. Colaboradora de Cinema na Vogue Portugal. Gestora de conteúdo na Lava Surf Culture e NOS Empresas - Criar uma Empresa. Autora do blog de Cinema Close-Up.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *