Academia de Cinema escolhe “As Linhas de Wellington” para representar Portugal

Óscares 2014

O Júri da Academia Portuguesa das Artes e Ciências Cinematográficas (Academia Portuguesa de Cinema), escolheu o filme “As Linhas de Wellington” de Valéria Sarmento e com produção de Paulo Branco para representar Portugal como candidato ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro da Academia de Cinema Americana.

A Comissão de Selecção foi composta pela atriz Anabela Teixeira, a produtora Pandora da Cunha Telles, o argumentista Possidónio Cachapa, o realizador Vicente Alves do Ó e os directores de fotografia Luís Branquinho e Tony Costa.

 

 

“As Linhas de Wellington”

Estreado no Festival de Veneza em 2012, “As Linhas de Wellington” é o candidato português aos Óscares, decidido pela Comissão instituída pela Academia Portuguesa de Cinema e que recebeu a maioria dos votos.

Último projecto do realizador Raoul Ruiz, com um guião renascentista de Carlos Saboga “As Linhas de Wellington” acabou por ser realizado pela sua esposa e realizadora Valeria Sarmiento seguindo o último desejo do realizador que era um grande apaixonado por Portugal.

Lê Também:
Robert Redford | Curiosidades sobre o ícone de Hollywood

O filme produzido por Paulo Branco foi largamente rodado em Torres Vedras, com equipa criativa e técnica portuguesas, contando com um enorme elenco nacional e algumas participações internacionais de peso, retratando um dos momentos mais importantes da história do país e da Europa: as invasões napoleónicas.

Uma produção de época muito conseguida fazendo-nos mergulhar no passado, conglomerando os mais diversos talentos numa obra de rasgo, profunda, ecléctica e transversal – onde o cinema, a História e Portugal se encontram numa visão trágica da condição humana e da dura realidade da guerra que nos faz reflectir sobre os êxodos contemporâneos de países em guerra.

Rui Ribeiro

Engenheiro, publisher, melómano e audiófilo, daqueles que ainda vão ao cinema, compram vinil, cd's, blu-rays, a Empire e a Stereophile em papel.