Charlize Theron é Furiosa

As heroínas de ação do séc. XXI

No Dia Internacional da Mulher e com Captain Marvel nos cinemas, aqui brindamos às inconformadas,  às revolucionárias, às duronas, às humanas. Aqui brindamos às maiores mulheres guerreiras do séc. XXI!

1 de 13

Aquando da disseminação global do fenómeno “Mad Max: Estrada da Fúria”, duas questões ficaram imediatamente claras: a primeira é que George Miller tinha forjado um glorioso update da saga que criou há mais de 30 anos, concorrente até a ser um dos grandes filmes de ação dos nossos tempos; a segunda, e possivelmente ainda mais surpreendente… é que  Max não era, sequer, o seu protagonista.

É que, não obstante ser ele a figura central do legado e até do grosso do material promocional, é Furiosa, a imponente Imperator de Charlize Theron, a inequívoca heroína de um filme que carrega uma poderosa mensagem, não feminista, mas pró-feminina.

E é esta feliz constatação que dá o mote à celebração das ainda poucas mas enormes heroínas de ação que o Cinema teve a genialidade de criar. Com Ellen Ripley a abrir as portas à “mulher de ação mainstream” no final dos anos 70 e início dos anos 80, foi apenas com a entrada no séc. XXI que a figura da mulher de armas ganhou contornos mais robustos numa indústria que continua profundamente sexista e intoxicada por disparidades várias.

Aqui brindamos às inconformadas,  às revolucionárias, às duronas, às humanas. Aqui brindamos às maiores mulheres guerreiras do séc. XXI.

 

FURIOSA [in “Mad Max: Estrada da Fúria”, 2015]

A sua chegada pode ter sido recente, mas com a cabeça rapada, braço mecânico, pinturas de guerra espalhadas pela face e a conduzir uma imponente máquina de guerra, a Imperator Furiosa é já, facilmente, uma das mais badass e complexas heroínas de ação da história do Cinema. Forte e determinada, e nunca deixando que a condição de mulher deixe de ser uma das suas principais forças motrizes, Furiosa é uma Joana d’Arc do futuro pós-apocalítico com a brava missão de se redimir a si e a toda a humanidade.

1 de 13

Catarina Oliveira

Licenciada em Ciências da Comunicação e com formação complementar em Design Gráfico, além de editora e diretora criativa da MHD é também uma das sócias fundadoras da mais recente face da empresa. Colaboradora de Cinema na Vogue Portugal. Gestora de conteúdo na Lava Surf Culture e NOS Empresas - Criar uma Empresa. Autora do blog de Cinema Close-Up.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *