BrainDead | O primeiro olhar

BrainDead, a nova série da dupla criadora de The Good Wife, Robert e Michelle King, combina comédia com pedaços de terror, envoltos num ritmo judicial com farpas políticas à mistura.

Mary Elizabeth Winstead (10 Cloverfield Lane) dá vida a Laurel Healy, personagem que pertence a uma família associada à política dos Estados Unidos da América que resolve deixar Washington para se tornar realizadora de documentários cinematográficos em Los Angeles. Lauren, rapidamente regressa ao mundo político e começa a trabalhar para o seu irmão e senador Luke Healy, interpretado por Danny Pino (Law and Order).

Lê também: Netflix em junho | As séries que recomendamos

Por volta desta altura, organismos alienígenas famintos, albergados num meteoro transportado para Washington em vias de ser estudado, começam a alimentar-se do cérebro de boa parte dos Congressistas e funcionários do poder político americano, transformando-os em zombies ultra-partidários, o que leva a uma paralisação total do governo. A partir daqui, mudanças de membros de partidos políticos são feitas e a música dos Cars, You Migh Think, é ouvida como se de um hino tratasse.

De forma a combater este desastre, Laurel une forças com Rochelle Daudier, papel de Nikki M. James (The Good Wife), filha do cientista que analisou o meteoro, e Gustav Triplett, interpretado por Johnny Ray Gill (Underground).

Vê também: Euro Séries 2016, by MHD

O cinismo de BrainDead, por vezes, cai no exagero ao trazer constantemente perguntas de cariz político irrelevante, o que torna o ritmo dos primeiros episódios um pouco irregular. Contudo, a série é uma ideia original e promissora que ainda não colocou todas as cartas em cima da mesa…

A combinação entre comédia e terror envoltas num carácter político aguçado faz de BrainDead uma série surreal mas que mostra o lado sombrio da sociedade moderna. Resta esperar pelos próximos episódios.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.