Capitão Falcão, em análise

 

capitão falcão

 FICHA TÉCNICA

  • Realizador: João Leitão
  • Elenco: Gonçalo Waddington, David Chan Cordeiro, José Pinto
  • Género: Ação, Comédia
  • NOS | 2015 | 106 min

[starreviewmulti id=11 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’]

 

 

Começamos por afirmar com toda a veracidade: o lápis azul não teve nada a ver com a nossa impressão extremamente positiva da história dos livrosque foivirada do avesso para fazer rir com heróis que são os maus da fita.

A base da comédia de João Leitão está no mistério verídico de uma série televisiva em produção entre 1973 e 1974, CAPITÃO FALCÃO. Este renascimento do ícone para o séc. XXI conta a história de um super-herói Português (o primeiro!) ao serviço do Estado Novo. Juntamente com o seu sidekick, Puto Perdiz, Falcão combate todas as ameaças à Nação, que incluem os terríveis comunistas, os impiedosos Capitães de Abril e as arrogantes feministas, respondendo a um homem apenas: António de Oliveira Salazar. Mas estranhos acontecimentos e uma ameaça democrática começam a invadir a capital… Conseguirá Capitão Falcão salvar o dia?

capitão falcão

Leitão trabalhou no “filho adorado” por mais de seis anos, e apesar de ser um estreante nas lides cinematográficas, dirige as operações com o engenho e calma de um veterano. As inspirações e influências são várias e vão desde os filmes franceses do OSS: 117, às séries de Batman, Allô Allô e Blackadder, e sem esquecer a preponderância clara de Chaplin, Jackie Chan e Bruce Lee no processo criativo.

Gonçalo Waddington é a mão direita do jovem realizador, construíndo um delicioso e carismático protagonista fascista de bigode nesta acídica e perversa sátira política sobre o Antigo Regime.

Os processos tomam partido de um ponto-de-vista único e provocador, e a abordagem à narrativa é profundamente teatral e declamatória, o que pode (ou não) jogar em seu desfavor – não sendo uma técnica comum na indústria portuguesa, pode tornar-se cansativa e repetitiva. Não obstante a originalidade do conceito, o bom ritmo e sucesso generalizado da sua transposição para o grande ecrã, sente-se, em determinados momentos, que o humor também não é suficientemente robusto para aguentar a totalidade da película.

 capt3

Todavia, CAPITÃO FALCÃO é uma redonda vitória portuguesa. É uma espécie de blockbuster, acessível em género e em tema, que resplandece criatividade – no horizonte paira a interessante hipótese das sequelas, dependentes, evidentemente, da adesão do público.

O cuidado na construção de um “falso mau filme” – e é preciso que atentemos que este próprio esqueleto é intencional e parte essencial do deboche generalizado – é extremo, desde as sofríveis montagens de veículos em movimento, às lutas inspiradas nas artes marciais. Mas as diferenças não se esgotam no ecrã e viajam até à promoção cuidada, que alia aos tradicionais tv spots e trailers da praxe, a uma miríade de concursos de grafismo e uma página de Facebook hilariante, dirigida pelo próprio Capitão.

Mostra-se, uma vez mais, necessário lembrar que o cinema português atravessa um longo deserto de desamor, de desapego com o público que tem de conquistar para respirar numa ambiência de asfixia. Ao fechar-se sobre si mesmo, afasta o elemento de que mais precisa. Por isso é que precisamos do Capitão Falcão.

capt2

 

Não é perfeito, mas é uma tremenda lufada de ar fresco, um certeiro tiro no escuro de um género inexplorado, uma explosão de (bom!) entretenimento e uma seta do cupido apontada ao coração português.

 

Agora, façam favor de ir às salas – porque o Capitão sabe onde vocês moram.

CO

Catarina Oliveira

Licenciada em Ciências da Comunicação e com formação complementar em Design Gráfico, além de editora e diretora criativa da MHD é também uma das sócias fundadoras da mais recente face da empresa. Colaboradora de Cinema na Vogue Portugal. Gestora de conteúdo na Lava Surf Culture e NOS Empresas - Criar uma Empresa. Autora do blog de Cinema Close-Up.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *