Cicely Tyson | © The Heart Truth

Cicely Tyson, ícone e pioneira de Hollywood, diz adeus aos 96 anos

Cicely Tyson, lenda de Hollywood, e considerada uma pioneira, ficou conhecida por diversos projectos, incluindo “Sounder”. Faleceu com 96 anos.

Um dos nomes icónicos da história de Hollywood, Cicely Tyson era considerada uma lenda e uma pioneira dentro da indústria do entretenimento. Conhecida por inúmeros projectos, fossem nos grandes ou pequenos ecrãs, Cicely ficará para sempre associada a “Sounder” ou “The Autobiography of Miss Jane Pittman”. Com uma carreira de quase 5 décadas, faleceu no passado dia aos 96 anos de idade.

Ao longo de um percurso invejável, Cicely Tyson arrecadou três Emmy Awards, um SAG Award, um Tony Award e ainda um Óscar honorário em 2019. No currículo ficou ainda com tantas outras nomeações, incluindo a de Melhor Actriz ao Óscar pelo seu papel de Rebecca Morgan, no aclamado filme de 1972, “Sounder”.

Cecily Tyson
“Sounder” deu uma nomeação ao Óscar a Cecily Tyson | © Twentieth Century Fox

Começou a sua carreira como modelo, mas rapidamente se transformou numa das actrizes mais respeitadas da sua geração. Quebrou múltiplas barreiras na indústria, ao aceitar papéis que redefiniram a visão das mulheres afro-americanas nos ecrãs. Destacou-se por nunca aceitar papéis que a mantivessem presa a um estereótipo, nomeadamente personagens com adições de drogas, prostitutas ou criadas. No teatro, na Broadway, fez parte do elenco de “The Blacks”, ao lado de James Ear Jones e Roscoe Lee Browne.

No mundo da televisão, fica na história por ser a primeira afro-americana a conquistar um papel recorrente numa série, em “East Side/West Side”. Foi nomeada aos Emmy, os prémios da televisão, por um impressionante total de 16 vezes e ganhou em 1974 pelo telefilme “The Autobiography of Miss Jane Pittman”, e mais tarde em 1994, como Actriz Secundária, por “Oldest Living Confederate Widow Tells All”.

Lê Também:
As 10 melhores vencedoras do Óscar para Melhor Atriz

A sua carreira fica igualmente marcada pelos notórios papéis históricos, ao contar as histórias de heroínas americanas. De mãe de Kunta Kinte, na mini-série “Roots” (1977), até Coreta Scott King, em “King” (1978), a educadora Marva Collins em “The Marva Collins Story” (1981), ou Harriet Tubman em “A Woman Called Moses” (1978), Cicely Tyson foi-se tornando uma referência para várias actrizes afro-americanas das gerações mais recentes.

Nos anos mais recentes da sua carreira, ganhou um Tony Award em 2013, pelo seu papel de Carrie Watts na peça da Broadway, “The Trip to Bountiful” (curiosidade: também foi nomeada a um Emmy quando re-interpretou o papel na adaptação televisiva). Foi também nomeada várias vezes para Actriz Convidada, nos Emmy, pelo seu papel de Ophelia Harkness, a mãe da personagem de Viola Davis em “How To Get Away with Murder”.

How To Get Away With Murder
“How To Get Away With Murder” foi o seu último projecto na TV | © 2017 American Broadcasting Companies, Inc.

Cicely Tyson deixa um legado de inspiração para as afro-americanas, e que lhe concedeu, em 2016, a Medalha Presidencial da Liberdade, a honra mais alta que pode ser condecorada a um civil nos Estados Unidos da América. Para além do Óscar honorário recebeu também um Peabody Award pela sua carreira e continuou até aos seus últimos a ser um ícone da representação mas também do mundo da moda. A actriz deixa uma filha, que sempre foi colocada fora da ribalta e da qual não se sabe o nome, e uma memória, “Just As I Am”, publicada em janeiro de 2021.

VÍDEO | SOUNDER VALEU A CICELY TYSON UMA NOMEAÇÃO AO ÓSCAR

Quão bem conhecias a carreira de Cicely Tyson?

Marta Kong Nunes

Arquitecta (com um c!) de formação. Coordenadora de profissão. Fanática de cinema e séries por pura paixão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *