8 Coisas que (possivelmente) Não Sabias sobre Aliens: O Reencontro Final

Aliens: O Reencontro Final foi um dos marcos no cinema de ação que ajudou a emancipar o papel da Mulher no género. Esta semana celebra 30 anos da estreia, razão mais do que suficiente para mergulharmos em algumas das suas mais bem escondidas curiosidades.

 

 

1. Ripley quase de fora

aliens2

Hoje, para todos nós, a saga Alien é indissociável de Sigourney Weaver, mas há muito tempo a 20th Century Fox parecia pensar de outra forma. James Cameron foi convidado a escrever e realizar o argumento, tendo-o feito sem saber que o estúdio ainda não tinha fechado negócio com o regresso da atriz. Quando o estúdio pediu a Cameron uma versão do filme sem Ripley, o realizador recusou-se a fazê-la ameaçando mesmo abandonar o projeto. Eventualmente a Fox decidiu que Weaver era essencial para o projeto e acordou em pagar-lhe 1 milhão de dólares para que regressasse – cerca de 30 vezes mais o que a atriz tinha recebido no filme original, em 1979, quando ainda era uma “ilustre desconhecida”.

 

 

2. Rainha estupendamente trabalhosa

aliens6

Lê também: Neil Blomkamp vai realizar Alien 5

A Rainha – uma das mais gloriosas criações práticas do cinema de ação e terror – foi criada com base num elaborado fantoche na oficina do lendário designer de monstros Stan Winston. Tinha mais de 4 metros de altura e requeria que 16 operadores a manipulassem com recurso a uma combinação de varas, hidráulica, controlos de rádio e uma grua.

Lê Também:
70º Festival de Berlim | ‘My Salinger Year’

 

 

3. Durona, mas só no grande ecrã

aliens5

Curiosamente, Jenette Goldstein que interpretou a durona Vasquez não sabia disparar uma arma, razão pela qual sempre vemos um close-ip da personagem a disparar estamos, na verdade, a ver as mãos de Gale Anne Hurd, a produtora e, na altura, esposa de James Cameron.

 

 

4. Estreante de luxo

aliens4

A produção de Aliens: O Reencontro Final não queria encontrar uma atriz demasiado experiente ou profissional para interpretar o papel da jovem Newt, o que levou a equipa a aceitar a estreante Carrie Henn, na altura com nove anos. Apesar de ter gostado da participação no filme e de ter recebido críticas estupendas pela sua grandiosa participação, Henn não voltou a fazer Cinema e, na idade adulta, resolveu tornar-se professora.

 

 

5. Soldado do improviso

pacton

Lê ainda: Noomi Rapace não regressa para Alien: Convenant

O soldado Hudson, interpretado por Bill Paxton, é uma das personagens mais memoráveis de Aliens, com humor mórbido e ansiedade pessimista. Na verdade, grande parte do seu diálogo foi improvisado, incluíndo a famosa citação “Game over, man. Game over!“. E por falar em improviso, também a infame cena da faca nos dedos de Hudson não estava prevista no argumento… mas foi discutida por toda a equipa à exceção de Paxton, cuja cara aterrorizada é absolutamente real na cena que acabou por ficar no filme.

Lê Também:
70º Festival de Berlim | ‘My Salinger Year’

 

 

6. Desacatos no set

aliens3

Aliens foi filmado nos históricos estúdios de Pinewood, que forneciam a sua própria equipa de produção cinematográfica sindicalizada para quem estivesse a utilizar o espaço. Alguns trabalhadores não ficaram nada contentes com os longos dias de trabalho, ou com o “desconhecido” que dirigia o filme (Exterminador Implacável ainda não tinha estreado). James Cameron teve problemas, em particular, com o seu primeiro assistente de realização, que acreditava ser o homem certo para dirigir Aliens. Cameron acabou por despedi-lo e contratar um novo, o que acabou por eliminar muita da tração gerada e melhorar muito o ambiente no set.

 

7. Lubrificante íntimo na boca dos xenomorfos

aliens8

Lê mais: Prometheus, em análise

Se alguma vez te perguntaste como foi feita a baba viscosa dos Aliens temos a resposta que procuras: lubrificante sexual!

 

8. Sucesso (relativamente) barato

aliens1

Aliens: O Reencontro Final teve um orçamento de apenas 18,5 milhões de dólares, um valor absurdo se compararmos com os valores das produções da atualidade que podem facilmente ultrapassar os 200 milhões. Na box-office acabou por ser uma aposta ganha que rendeu mais de 131 milhões de dólares em todo o mundo.

 


 

Catarina Oliveira

Licenciada em Ciências da Comunicação e com formação complementar em Design Gráfico, além de editora e diretora criativa da MHD é também uma das sócias fundadoras da mais recente face da empresa. Colaboradora de Cinema na Vogue Portugal. Gestora de conteúdo na Lava Surf Culture e NOS Empresas - Criar uma Empresa. Autora do blog de Cinema Close-Up.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *