Como Treinares o Teu Dragão 2, em análise

 

Dragão
  • Título Original: How to Train Your Dragon 2
  • Realizador: Dean DeBlois
  • Vozes (VP): Francisco Areosa, Paula Lobo Antunes, Virgílio Castelo, Leonor Alcácer e Rui Porto Nunes.
  • BIG Picture Films | 2014 | Animação | 102′

[starreviewmulti id=11 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’]

 

É verdade, já tínhamos saudades.

Não só do destemido Hiccup e do seu fiel companheiro de altas aventuras,  mas sobretudo de uma DreamWorks capaz de colocar na tela os seus melhores talentos.  A série de histórias de “Como Treinares o Teu Dragão” pode nunca vir ser a maior galinha dos ovos de ouro do estúdio, mas é, indubitavelmente, o maior porta-estandarte no que à qualidade intrínseca da animação digital diz respeito.

Tratam-se os dragões e os seus majestosos voos como se fossem meros enxames de abelhas que preenchem um minúsculo pedaço do céu. Ampliam-se esses bailados aéreos com o melhor que a tecnologia 3D pode oferecer: profundidade, brilho e relevo dimensional. Cuida-se minunciosamente dos detalhes característicos de cada personagem mas se pensa que, por se tratar de uma sequela, o trabalho neste âmbito já está todo concluído, então refira-se que a evolução temporal da narrativa desde o filme anterior (cinco anos, para ser preciso) obrigou a equipa de animação a um trabalho criativo redobrado mas não menos espetacular, que consistiu em fazer crescer os jovens personagens sem que nós, espectadores, pudéssemos constatar essa evolução.

HOW TO TRAIN YOUR DRAGON 2

Porém, face ao que já tinha sido possível observar em “Como Treinares o Teu Dragão“, nada do que acabamos de dizer constitui uma grande novidade. Aquilo que porventura distingue “Como Treinares o Teu Dragão 2” das inúmeras sequelas que inundam o cartaz de estreias ao longo dos últimos anos é, tão simplesmente, o facto de ter uma nova e boa história para nos contar.

Portanto, cinco anos após os acontecimentos do filme de 2010, enquanto Astrid, Escarreta e o resto do grupo se divertem com corridas de dragões (o novo desporto favorito da ilha) o nosso inseparável par (Hiccup e Desdentado) vagueia pelos céus descobrindo territórios e explorando mundos novos. A aventura começa quando uma das suas viagens os conduz à descoberta duma secreta caverna de gelo que é o ninho de centenas de novos dragões selvagens e do misterioso Dragão Cavaleiro. Um ninho acessível a Drago – talvez o ponto mais fraco de todo o filme  -, o antagonista desta nova história que, para além de querer dominar todos os dragões, ainda é responsável por alguns dos episódios mais negros do passado da família de Hiccup.

hookfang

“Como Treinares o Teu Dragão 2” apresenta-se como uma evolução sem precedentes no campo da conceção de uma sequela de animação. Bebe da diversão e beleza do seu antecessor mas acrescenta-lhe doses superlativas de moral e emoção às quais não é possível ficar indiferente.

No fundo, é muito mais do que uma lição sobre a preservação ambiental e da conexão entre o homem e o animal, é também uma lição sociológica sobre os povos, sobre o ser diferente, sobre pais, mães e filhos, sobre a amizade e a responsabilidade, sobre a liberdade e o espírito de aventura. É um pequeno grande filme que capta pequenas nuances da vida que cada um de nós, e não se coíbe de expor as nossas emoções e revelar as nossas fragilidades – o final é, muito possivelmente, a cena mais emotiva da história da animação da DreamWorks.

HOW TO TRAIN YOUR DRAGON 2

Talvez não partilhe da originalidade e frescura do primeiro e, para sermos justos, há algumas cenas demasiado fora do contexto, mas quem é que realmente se importa com esses pormenores quando há um upgrade tão significativo na componente narrativa e emocional?

Não só é o melhor produto DreamWorks desde o seu antecessor, como se assume como um dos mais completos trabalhos da filmografia do estúdio. Enormes batalhas, voos deslumbrantes, personagens sólidas, emoções à flor da pele, humor com substância… há disto e muito mais em “Como Treinares o Teu Dragão 2“, a maior animação deste Verão.

 DR

Daniel E.S.Rodrigues

Sonho como se estivesse num filme de Wes Anderson, mas na verdade vivo no universo neurótico de Woody Allen. Sou obcecado pela temporada de prémios, e gostaria de ter seguido a carreira de cartomante para poder acertar em todas as previsões dos Óscares, Globos de Ouro (da SIC), Razzies, Troféus TV7 Dias e Corpo do Ano Men's Health. Mas, nesse universo neurótico e imperfeito em que me insiro, acabei por me tornar engenheiro. Sigam-me no Instagram para mais bitaites sobre Cinema, Música, Fotografia e outras coisas desinteressantes.

0 thoughts on “Como Treinares o Teu Dragão 2, em análise

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *