Críticas a Silence colocam Scorsese no topo

Silence, o grande projeto de Martin Scorsese que demorou décadas a ser concluído, já foi visto por um público restrito e este não poupou elogios nas redes sociais!

O trabalho que foi durante anos o projeto secreto e mais desejado de Martin Scorsese está a ser alvo de vários elogios, depois de ter sido visto por um restrito grupo de críticos que partilhou as suas opiniões nas redes sociais. Até agora, Silence continua a dar motivos para grandes expetativas, uma vez que mais de uma pessoa já afirmou que este é o “melhor filme” do realizador, tal como Irwin Winkler, produtor do filme.

Lê Também: As 15 mais célebres duplas realizador-ator

Nenhuma obra recebe apenas críticas positivas, mas até mesmo as respostas menos positivas a Silence são leves:

“Hoje vi Silence duas vezes. Da primeira vez estava absorvido, impressionado, comovido. Da segunda, estava em lágrimas. Um dos maiores filmes de Scorsese“, é a opinião de Life’s Scary Enough.

Silêncio é absolutamente assombroso. Merece ser comparado às obras-primas de Ingmar Bergman. Um filme sério sobre fé sob fogo”, escreveu Joshua Rothkopf.

“Achei o Silêncio urgente, emocionante e importante, mesmo enquanto eu continuava a desejar que os padres voltassem para casa e abandonassem o proselitismo”, confessou Alan Scherstuhl.

“O Silêncio é uma examinação torturante e fascinante da fé em todas as suas formas. Um valioso contraponto ao filme de Shinoda. Ser judeu é frio. Uma das coisas que amo no Silêncio é a forma como este se confronta – mas não julga – a arrogância potencial e o imperalismo do trabalho missionário”, explica David Ehrlich.

“Uma vez que todos estamos a partilhar: Silêncio é um drama de crise-defé severamente mal humorado, severamente moribundo. Exagerado em alguns partes, mas lindo e assustador”, comenta Erickohn.

TRAILER | SILENCE

SINOPSE | SILENCE

Baseada num romance de Shusaku Endo, a obra aborda a perseguição aos jesuítas no Japão durante o século XVII. O protagonista é um monge português, Sebastião Rodrigues (Andrew Garfield), que acaba por ser enviado para o referido país com a tarefa de investigar os rumores de que o seu mentor, Frei Cristovão Ferreira (Liam Neeson), teria renegado a fé cristã. Isto numa altura em que o Xógum proibiu as religiões estrangeiras e mandou perseguir os católicos.

A estreia do filme em Portugal está prevista para 19 de janeiro de 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *