Evereste, em análise

 

“Evereste” é um ensaio avassalador sobre a vastidão da montanha e a omnipotência da Natureza perante a “formiguice” do Homem.

 

evereste

 FICHA TÉCNICA

Título Original: Everest
Realizador:
Elenco: Jason Clarke, Jake Gyllenhaal, Josh Brolin, John Hawkes
Género: Aventura, Drama
NOS | 2015 | 121 min

[starreviewmulti id=13 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’]

 

 

Baseado numa expedição verdadeira que teve lugar em 1996, o épico de Baltasar Kormakur documenta a jornada de diferentes grupos turísticos que pretendem chegar ao afamado ponto mais alto do planeta. Simultaneamente, passa a primeira hora a justificar porque é que esta é a aventura de uma vida e a segunda hora a discorrer razões pelas quais é melhor ideia ficar em casa a jogar solitário debaixo de uma mantinha de lã.

Factual e tecnicamente preciso, é uma aventura cinematográfica “à antiga”, muitíssimo ajudada por uma tecnologia estado de arte (e em estado de graça). A fotografia é de cortar a respiração – experimentem só espreitar os Himalaias em glorioso IMAX – ainda que se perca, mais no final, entre elementos que não conseguimos totalmente discernir.

evereste2

A construção da tensão é pausada, mas segura e por isso mesmo muitíssimo bem-sucedida. O primeiro ato é especialmente bem edificado, estendendo-se o tabuleiro, alinhando-se os jogadores e esclarecendo as regras do jogo – é aqui que sabemos quem é quem, o que faz e qual o plano para a escalada.

Kormakur leva o tempo que precisa para deixar assentar a tragédia e o caos. A abordagem aos acontecimentos é a de um slow-burner, o que faz com que só nos demos conta da precariedade da situação quando já não há volta a dar.

evereste5

VÊ MAIS: Trailer de “Evereste” em versão IMAX

No segundo ato, o caos instala-se – na ação e no ecrã. No meio de tempestades e histórias cruzadas, existe por vezes a dificuldade em discernir personagens ou posições, mas sobretudo sente-se a incerteza de uma base imaginária – enquanto os sobreviventes conseguiram fazer relatos ricos e detalhados sobre os pormenores até à escalada e descida finais, existem logicamente passagens das quais não há registo, ficando à mercê da ficção criada pelos argumentistas. E aqui, pela fenda de uma porta mal fechada, entra como se de uma corrente de ar fria se tratasse algum melodrama que até ao momento tinha estado (e bem) ausente.Basicamente, tudo se transforma numa orgia de sofrimento em 3D que se sente mais nas entranhas do que na alma.

É que, como é recorrentemente o caso em Hollywood, a magnitude da produção engole o seu próprio coração. Infelizmente, quase tudo o que não é puramente técnico resulta mal ou apenas bem o suficiente para não ser totalmente destrutivo.

evereste3

Com um elenco tão vasto e vistoso, apenas duas ou três performances conseguem destacar-se o que é um problema quando o rol de mortes se começa a evidenciar um curioso e desumanizante exemplo vivo de “Quem é Quem”. Quanto à quota feminina, esta fica renegada à eterna expressão de preocupação no rosto enquanto esperam por notícias cada vez mais terríveis ao lado de um telefone.

Há, algures, um “Evereste” mais humano, onde os personagens são explorados de forma justa para a audiência e, no fundo, humanizados. Há, algures, um “Evereste” mais ambíguo, onde não temos de caminhar de mão dada enquanto nos explicitam exaustivamente motivos nobres para atos maiores que a vida. Há, algures, um ”Evereste” mais controverso, onde se coloca o dedo na ferida no que respeita a negócios construídos sob bases frágeis, que examinam expedições onde os líderes não, são, na mais pura das verdades, profissionais. Há, algures, um “Evereste” melhor.

evereste4

No formato em que existe, “Evereste” é um épico de aventura competente, mas não esmagador. Afinal, e tal como alguns dos seus protagonistas, acaba por não atingir o cume.

Lê Também:   "É Puro Cinema": James Cameron revela ter ficado rendido a Dune 2 de Denis Villeneuve

One thought on “Evereste, em análise

  • Everest (2015) é um filme muito bem elaborado, e com base em relatos descritos em inúmeras publicações dos sobreviventes. Tendo em conta que tanto a filha como a viúva do principal “herói” desta história verídica, aceitaram a produção deste filme, muito embora a viúva fosse inicialmente contra a publicação das últimas conversas que teve com o seu marido por radio/telefone no livro de Krakauer. Agora no filme, tudo faz sentido. Para além de mostrar o lado humano e as perdas que ambos os lados sentem, percebemos as dificuldades e as rápidas decisões que se fazem perante a vida e a morte, naquela situação. Imagens da situação, já existem noutros filmes principalmente no verdadeiro documentário do IMAX, que estava a filmar na altura e que presenciaram e ouviram o que se passava pelo rádio. É difícil imaginar alguém saber que vai morrer, e inimaginável ouvir alguém a morrer lentamente. O filme demonstra de forma subtil o ocorrido, não se tornando chocante, apenas verdadeiro e aceitável para a nossa sociedade. As personagens de destaque são realmente as pessoas que desenvolveram não só as partes históricas desta história, quer pela morte (tendo em conta que ainda se encontram “sepultados” à vista de todos na montanha), quer pelos relatos de cada sobrevivente que escreveu a sua história.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *