Fora de Série | House of Cards T3E05

Fora de Série: episódio 59 | House of Cards 3×05 “Chapter 31”

“He’s being too smart. If it pays off, hey, he wins a Nobel prize. But, if it backfires, he leaves himself wide open.”

A visita de Petrov parecia ter amansado o Presidente, mas Chapter 31 veio dizer-nos que Frank Underwood, contra tudo e contra todos (mais agora do que nunca) está aqui para desfazer inimigos.

De positivo a realçar neste episódio são as transições entre os vários assuntos que dão pedal à terceira temporada. Não estamos apenas a lidar com Underwood e quem está à sua volta; os restantes personagens estão a ganhar peso, e o pior é que vão cair todos sobre o mesmo indivíduo.

Dunbar tem tudo já bastante bem encaminhado, parece ter reunido o amor de já alguns estados na sua luta pelo bem, mas Doug volta a aparecer, desta vez com uma proposta aliciante – um diário da luta dos Underwood até ao trono. O que mais me agrada em Heather Dunbar é a sua vontade de jogar o jogo pelo lado legal e moral, mas Stamper representa a cobra com a maçã, uma maçã que a poderá pôr em vantagem em relação à nomeação.

house of cards

Mas de entre os restantes que andam a espalhar promessas em troca da Sala Oval, vamos ter mais uma cara famosa: Jackie. O plano é casar a mulher e atirá-la aos lobos das campanhas, roubando alguma luz a Dunbar. Quando a AmericaWorks estiver de pé, ela sai e volta à team Underwood. Jackie é uma mulher muito ambiciosa – relembremos o conflito que teve com Frank quanto à sua atual posição na sua equipa. Empurrá-la assim para a corrida ao poder, ainda que num teatro fabricado, pode virar o feitiço contra o feiticeiro.

Juntando mais lenha à volta da fogueira, Ayla foi dispensada por Seth do cargo de correspondente da Casa Branca, para agora o Telegraph enviar Baldwin, vencedora de um Pulitzer. Baldwin é outro peso, e deixa isso claro numa troca de palavras com Seth – não se vai ficar pelo que Ayla fez, vai atacar ainda mais – e ao escrever acerca do despedimento do Secretário da Segurança Nacional e do uso de fundos do FEMA (fundos de emergência) para o financiamento da AmWorks.

Sim, porque essa é outra para atear o fogo.

O Congresso não ficou muito contente com esse desvio de fundos, tendo Underwood a Sala Oval com Mendonza e Birch a apontar tal movimento como, inclusive, ilegal, ameaçando que o Congresso iria reprová-lo. “Well, at least I’m cultivating bipartisanship”, diz o Presidente. Mas já são demasiadas forças contra um homem. E como se não bastasse, em favor a Claire, assina um documento formal com confirmação do envio de tropas para o Vale do Jordão, como garantia – necessário para Claire convencer Israel a aceitar a resolução, depois de estes desistirem por ameaça da Rússia de venda de armas ao Irão.
Hands down para a cena da casa de banho entre Alexi e Claire. Se para o homem foi difícil estar concentrado, eu tive de puxar o episódio duas vezes atrás para ouvir o que a mulher disse.

Frank contrata ainda um romancista, Thomas Yates, para escrever um livro sobre o seu embrião: AmericaWorks. O escritor não está totalmente convencido, enquanto Frank lhe explica que ele quer transmitir a paixão que tem de empregar a América através das palavras do homem.

Acho que este episódio foi a representação da falta de visão atual do Presidente. Parece que, tal como inclusive diz no episódio, está a cavar a sua própria sepultura. A ideia que Thomas deixou foi que ele faria o livro à sua maneira, logo, o que é que o impede de construir um arsenal de palavras não a favor, mas contra o Presidente? Terá ainda acesso a muito material disponibilizado pela sua equipa e, neste caso, a curiosidade de um escritor pode ser uma faca nas costas de Underwood.

No final, a fila para a inscrição na AmericaWorks mostra-nos várias pessoas. A câmara vai abrandando, uma cara conhecida vai aparecer: Freddy. Mais deste personagem na terceira temporada? Veremos.

Dos episódios mais bem cheios desta terceira temporada e, para finalizar, ficamos a saber que Petrov e Underwood se vão reencontrar, negociando a libertação do americano nas mãos russas. Estes dois no ecrã é obra garantida.

In APS Portugal

APS Portugal

Organização sem fins lucrativos, com sede única no facebook (https://www.facebook.com/APS.Portugal) e intitulada de grupo de Administradores das Páginas de Séries (Portugal). Mais de 60 páginas sobre as séries mais mediáticas da actualidade. Um espaço com todas as novidades das séries favoritas dos portugueses e em português.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *