A linha ténue que separa Hollywood da Política: Óscares 2017

Numa sociedade que está cada vez mais dividida é importante falar-se de questões que têm colocado Hollywood sob uma neblina de controvérsia.


PARTE 2 >>


Nunca as palavras “aceitação”, “diversidade” e “inclusão” tiveram tanto peso como agora. A humanidade está a passar por uma fase complicada. Muito disto se deve às mudanças repentinas do sistema político nalgumas das maiores potências mundiais como, por exemplo, Estados Unidos e Reino Unido. A instabilidade política gera instabilidade social. Com o Brexit, a Inglaterra virou as costas à imigração. Com a eleição de Donald Trump, os americanos começam igualmente a fechar as portas (e as mentes) aos que procuram criar uma vida estável num outro país que não o seu. As constantes promessas de “Make America Great Again” disfarçam e camuflam uma nova ascensão política que despreza e exclui as minorias que vivem no país. O medo que resulta destes alarmantes resultados políticos dá lugar à violência, à discriminação, ao racismo.

Lê maisO melhor dos Canais TVCine e TVSéries em Abril

Os grandes porta-vozes que continuam, acima de tudo, a lutar pela segurança, direitos e respeito destas minorias são os representantes das artes visuais de Hollywood. O filme Moonlight recebeu há poucas semanas o Óscar mais importante da noite (ainda que com um twist gigantesco). A sua consagração como melhor filme do ano tem um peso importantíssimo para a sociedade americana. Moonlight é um filme puro e genuíno (descubram qual é a nossa opinião do filme). Um que explora uma temática doce e ainda pouco abordada no cinema. Muitos acabam por pensar “pois, mas o La La Land (leiam a nossa crítica aqui) era o legítimo vencedor e só ganhou por questões políticas”.

Hollywood

Lê também10 filmes esquecidos pelos Óscares

Como grande fã do La La Land como produto de cinema, esta frase pesou na minha mente. Já há alguns anos que penso que a Academia se rege por “politiquices” e que não premeia o justo vencedor. Tal como eu, imensa gente pensa o mesmo. A verdade é que dói quanto temos um apreço especial por um determinado filme e torcemos para que ele chegue à vitória e, de repente, trocam-nos as voltas (nesta cerimónia a ironia tornou-se literal). Mas uma parte de mim não ficou triste por Moonlight ter ganho. Por muito que vanglorie os valores de produção de La La Land e a ode que faz ao cinema em geral, também nutro um carinho pelo filme de Barry Jenkins. A arte e a política não precisam de ser inimigas uma da outra.

ConfereMoonlight | As razões porque a sua vitória é histórica

A celebração das artes visuais ganha ainda mais impacto por conseguir abranger e explorar histórias que permitam que as minorias consigam florescer no grande ecrã. Se a vitória de Moonlight foi política? Talvez. Injusta? Não, de todo! Nessa noite, a aceitação, a diversidade e a inclusão também trouxeram consigo uma vitória. Vitória esta que é a prova de que a humanidade precisa de continuar a crescer como um todo.

Hollywood

Qual é a vossa opinião desta situação dos Óscares?


PARTE 2 >>


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.