LEFFEST’15 | 11 Minut, Mini-Crítica

 

O novo filme de Jerzy Skolimowski, 11 Minut, é um impressionante feito técnico, mas, tirando os seus sons e visuais, tem pouco para oferecer que não seja um risível e forçado dramatismo.

 

11 Minut LEFFEST Título Original: 11 Minut
Realizador: Jerzy Skolimowski
Elenco: Richard Dormer, Paulina Chapko, Wojciech Mecwaldowski
Género: Drama
 2015 | 81 min[starreviewmulti id=18 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’]

 

 

11 Minut desenvolve-se em volta dos momentos que antecedem uma catastrófica sequência de eventos numa cidade polaca da atualidade, preocupando-se em construir uma tapeçaria de várias narrativas interligadas num estilo que lembra os filmes – mosaico de Alejandro González Iñárritu e Paul Haggis. A quantidade de grotescas coincidências vai aumentando à medida que a multiplicidade de histórias se vai desenrolando. Isto culmina na calamidade do seu final, concebido por Skolimowski como um horrendo espetáculo de operática violência.

Lê Também: LEFFEST’15 | Trois souvenirs de ma jeunesse, Mini-Crítica

Os vários fios narrativos, que formam o filme, têm uma infeliz tendência de cair no cliché desinteressante, como a história de um realizador que tenta levar uma atriz a dormir consigo durante uma audição no seu quarto de hotel. Quando chegamos ao final, esta monumental coleção de clichés começa a tornar-se insuportável, o que não é, de todo, ajudado pelo ridículo descontrolo dramático que explode do ecrã na última sequência de 11 Minut.

11 Minut LEFFEST

Mesmo assim, há que reconhecer o esplendoroso virtuosismo técnico da parte de Jerzy Skolimowski e da sua equipa criativa. A montagem alucinante das várias histórias paralelas vai injetando uma necessária energia a este exercício cinematográfico, com a concretização sensorial do ambiente urbano a também contribuir para a opressiva tensão da obra. A reputação de Skolimowski tem razão para existir, com o autor a demonstrar uma panóplia de truques impecavelmente concretizados e algumas sugestões de ideias interessantes que, infelizmente, nunca são suficientemente exploradas durante o filme.

11 Minut integra a competição da seleção oficial do LEFFEST’15. Dia 15 de novembro, aquando da cerimónia de encerramento, saber-se-á se o júri reconheceu algum valor nesta infeliz criação de um dos mais célebres autores polacos do cinema atual.

Para saberes mais sobre as várias secções desta edição do Lisbon & Estoril Film Festival, consulta o LEFFEST’15 | Programa completo.

11 Minut LEFFEST

 

O PIOR – Todo o final com o seu operático dramatismo, que, ao invés de impressionar ou comover com o seu espetáculo de sofrimento humano, apenas consegue converter o seu miserabilismo em algo risível.

O MELHOR – O trabalho de sonoplastia, que cria um inferno sónico a partir do exagero quase barroco dos sons do ambiente citadino.

 

CA

 

Cláudio Alves

Licenciado em Teatro, ramo Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Ocasional figurinista, apaixonado por escrita e desenho. Um cinéfilo devoto que participou no Young Critics Workshop do Festival de Cinema de Gante em 2016. Já teve textos publicados também no blogue da FILMIN e na publicação belga Photogénie.

Cláudio Alves has 1523 posts and counting. See all posts by Cláudio Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *