TOP Interpretações Leonardo DiCaprio | 8. Shutter Island

 

<<  9. A Origem  |  7. The Revenant: O Renascido  >>

Shutter Island foi provavelmente o filme em que o carinha laroca deu finalmente lugar ao grande ator Leonardo DiCaprio, graças ao talento do mestre Martin Scorsese.

Baseado na obra literária homónima de Dennis Lehane, “Shutter Island”, a história dum agente federal que investiga o desaparecimento de um paciente num hospital psiquiátrico em Boston, pertence à prodigiosa galeria de magníficas adaptações do mestre Martin Scorsese.

Leonardo DiCaprio Shutter Island 13

O que é melhor? Viver como um monstro ou morrer como um homem bom?

Um policial denso e misterioso, serve de veículo a um fantástico ensaio sobre a mente humana e a ética dos processos clínicos associados. O carregado argumento é habilmente gerido como só Martin Scorsese sabe, mas é especialmente em Leonardo DiCaprio que o mestre se apoia para, ao longo de 148 minutos e muito sofrimento, demonstrar a sua tese e manter o mistério aceso até ao final do filme.

Lê Também:
Mark Ruffalo enfrenta o detetor de mentiras de Jimmy Fallon

Lê também: Martin Scorsese e HBO preparam série em torno de “Shutter Island”

Shutter Island foi provavelmente o filme em que o ator renasceu para o cinema, em que o carinha laroca, deu finalmente lugar ao grande ator Leonardo DiCaprio. É como se os duvidosos processos terapêuticos da história e os ténues limiares patológicos encenados, tenham na realidade conseguido exorcizar o estigma young DiCaprio. Muito bem acompanhado por Mark Ruffalo e Ben Kingsley, a performance de Leonardo DiCaprio em Shutter Island é na verdade plena de vigor, subtileza e sobretudo convincente e é à sua imagem que irremediavelmente a memória deste (de algum modo tenebroso) filme, ficará ligada.

Lê ainda: 10 Coisas que (possivelmente) Não Sabias sobre Leonardo DiCaprio

 

<<  9. A Origem  |  7. The Revenant: O Renascido  >>

 

Rui Ribeiro

Engenheiro, publisher, melómano e audiófilo, daqueles que ainda vão ao cinema, compram vinil, cd's, blu-rays, a Empire e a Stereophile em papel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *