MOTELx | Killers, em análise

KillersSundance-thumb-300xauto-44394
  • Título Original: Killers
  • Realizador: Kimo Stamboel, Timo Tjahjanto
  • Elenco: Oka Antara, Rin Takanashi, Kazuki Kitamura
  • Género: Crime, Acção, Drama
  • Ind | Jap | 137 min

[starreviewmulti id=11 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’]

 

 

 

 

 

 

Exibido no último dia do MOTELx 2014. Os anteriores do evento poderiam até ter sido enfadonhos, de fraca qualidade e com ‘scripts’ sem linha condutora. Não foi o caso, e o MOTELx é, em ‘repeat’ anual, a adrenalina cinéfila. Não há como negar a perfeita harmonia caótica de “Cannibal” (Manuel Martín Cuenca), a emotiva monstruosidade de “Aux Yeux des Vivants” (Alexandre BustilloJulien Maury), a estrutura coerente de “Honeymoon” (Leigh Janiak), a potência de “The Raid 2” (Gareth Evans) e a genialidade (um hino ao cinema de autor) de “Over your Dead Body” (Takashi Miike).

Quase ocorrida a totalidade de visionamentos, com salas repletas de aficionados e – como se referia – mesmo que os precedentes, por hipótese remota, tivessem causado, no geral, uma insatisfação digna de nota, só por “Killers”, valeria a pena organizar-se um Festival de Cinema.

killers-sundance

O psicopata Nomura Shuhei (Kazuki Kitamura) é uma espécie de Patrick Bateman (“American Psycho”), cuja originalidade, fruto dos tempos modernos, reside no facto de gravar as cenas de tortura das vítimas femininas. Calculista e profissional, já o exerce descontraidamente. Como quem prepara um jantar. Como quem compra flores e diz à florista que é perfeitamente capaz de cortar um velhote às postas. Com um sorriso. E a fazer a ingénua menina sorrir também.

A pluralidade surge através de Bayu Aditya (Oka Antara), um jornalista de carreira arruinada. Frustrado pessoalmente, e com uma sede escondida de revolta, deixa-se fascinar e horrorizar, permite-se (esforçando-se pelo oposto) por encontrar uma saída naquilo com que os seus olhos se confrontam, aplicando-o à sua própria vida, embora de forma atabalhoada e emocional.  E o que é? Os vídeos colocados na internet por Nomura. Sem querer, há um lado de Bayu que absorve este serial killer e o quer na sua mente e ‘modus operandi’.

KILLERS_still2_OkaAntara__byNA_2013-11-28_03-20-53AM.jpg_cmyk-0-2000-0-1125-crop

Mas o que existirá de tão profundo e diferente nesta realização e argumento de Timo Tjahjanto e Kimo Stamboelaka’ Mo Brothers (os fãs dos autores lembrar-se-ão, possivelmente, de “Macabre” e, exclusivamente quanto a Timo Tjahjanto, de um dos episódios de “The ABC’s of Death” e, também na forma de episódio, “Safe Heaven” (V/H/S 2)? Variadíssimos elementos. Vejamos.

O que desperta em Bayu a vontade de matar? Qual a sua motivação? É inteligível para nós. O guião faz com que, claramente, o percebamos. Já quanto a Nomura, será algo bem mais recôndito. Com raízes tão complexas. Tão longínquas. Tão coerentes com a sua atitude. E será esta dicotomia, este paralelismo que nos fará, em última instância, comparar homicídios premeditados e brutalmente sangrentos. Filmados até ao fim. Condenáveis, evidentemente. Mas paira algo na nossa mente. Há, de um lado, uma ausência de critério, um gelo que, manifestamente, não existe do outro. É inegável essa constatação.

killers

O tormento constante, o desleixo, a culpa, a perda de norte, ‘versus’ a indiferença, a experiência, a ausência de remorsos, a tranquilidade fazem destas duas personagens um exemplo para gerações vindouras na construção de personalidades a nível das ‘criminal minds’.

Acresce nem sempre ser fácil terminar a visualização de uma película com a sensação de que aquele foi o ‘timing’ certo, principalmente quando a sua duração ultrapassou as duas horas e um quarto. Mas Killersprecisa deste tempo para que o seu sentido seja respeitado.

E que dinâmica. Que humor sábio. Que inteligência emocional.

Porque deste género, são vistos poucos filmes com tanto, parabéns, MOTELx.

 

Sofia Melo Esteves

Sofia Melo Esteves

Advogada Página Facebook: Críticas Cinematográficas e Notícias Cinéfilas por Sofia de Melo Esteves “My aim is to put down on paper what I see and what I feel in the best and simplest way.” - Ernest Hemingway

Sofia Melo Esteves has 62 posts and counting. See all posts by Sofia Melo Esteves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *