Violet Evergarden

Netflix vai produzir 30 séries anime com estreia prevista para 2018

A Netflix está a planear um grande investimento nas séries anime. O serviço vai investir 8 mil milhões de dólares na produção de conteúdos originais, incluindo novas séries anime.

Segundo o site The Verge, a Netflix está a planear produzir 30 séries anime, com estreias previstas para 2018. O anúncio foi feito pelo Diretor de Conteúdo, Ted Sarandos, esta segunda-feira. O serviço de streaming irá investir 8 mil milhões de dólares no próximo ano na produção de novos filmes e séries. O objetivo do serviço é ter 50% de conteúdos originais no seu catálogo até ao final de 2018. Parte deste grande investimento irá para a produção de 30 novas séries anime. Esta é mais uma das medidas do serviço que reforça a sua aposta nas animações japonesas.

Lê Também:
Eis os anime que vão chegar brevemente ao Netflix

No mês passado o serviço lançou a sua primeira série anime original, “Neo Yokio“. A série foi criada por Ezra Koenig, da banda Vampire Weekend, e foi produzida pelos estúdios anime Production I.G. e Studio Deen. No elenco de vozes encontramos nomes como Jaden Smith, Jude Law e Susan Sarandon.

Em agosto deste ano, foi divulgado o leque de filmes e séries de anime que estarão disponíveis no Netflix entre 2017 e 2018. São mais de 10 títulos onde se destacam séries como “Violet Evergarden” ou “Knights of the Zodiac: Saint Seiya”.

Qual a tua opinião sobre estas novidades da Netflix em relação aos anime?

Filipa Machado

Uma fã da 7ª Arte, adora ler e passar as suas folgas a fazer maratonas de séries e não pode viver sem um pouco de anime no seu dia a dia.

Filipa Machado has 862 posts and counting. See all posts by Filipa Machado

2 thoughts on “Netflix vai produzir 30 séries anime com estreia prevista para 2018

  • Não estão produzindo nada só vão comprar os direitos exclusivos de transmissão, que produz são as empresas japonesas.

  • Alisson,

    De acordo com a fonte da notícia, não se trata apenas da compra dos direitos de transmissão, mas sim da produção de conteúdos originais.

    Cumprimentos,
    Filipa Machado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *