Operação Eye in the Sky, em análise

Extremamente realista, Operação Eye in the Sky é desde já um dos exemplos firmes do ainda recente panorama cinematográfico de 2016. 

“Na guerra, a verdade é a primeira vítima”, Ésquilo. É assim que começa a arrebatadora experiência cinematográfica de Operação Eye in the Sky, filme realizado por Gavin Hood, responsável pelos igualmente interessantes Detenção Secreta (2008) com Reese Witherspoon, Jake Gyllenhaal e Meryl Streep sobre a detenção de cidadãos americanos que são considerados terroristas e de Tsotsi (2005), protagonizado por Presley Chweneyagae sobre a vida da líder de um gangue da capital da África do Sul. Ora, se formos por aí, imediatamente perceberemos a insistência deste cineasta em trazer ao de cima diferentes e angustiantes realidades, histórias que procuram ser verdadeiras, quando sobrepostas pela hipocrisia de algumas produções de Hollywood.

De facto, Operação Eye in the Sky vai além dos banais e desprovidos happy-endings à la americana e confronta-nos, de forma um quanto inquietante, com os dramas sociais que tendem a ser esquecidos. Se não fosse o cinema garantidamente um veículo denunciador, o impacto deste filme jamais seria o mesmo. Então, de que nos fala Operação Eye in the Sky?

Operação Eye in the Sky

Vê também: Operação Eye in the Sky | Vídeos de Apresentação

À primeira vista o seu enredo é bastante simples, embora saibamos que por vezes é na simplicidade de algumas histórias longe dos tão excessivos e dominantes efeitos visuais, que encontramos um espelho dos maiores dilemas da humanidade. Sem prolongar este ponto em demasia basta dizer que Operação Eye in the Sky foca-se numa missão de captura de terroristas em Nairobi – África – e, como tanto se insiste, a palavra-chave desta missão é “capturar”, não é “matar”. Contudo, e como mostrado, a missão tende a descair mais pela segunda opção do que pela primeira. Nesse sentido, somos apresentados a um conjunto de personagens que se encontram em diferentes partes do globo, entre elas a Coronel Katherine Powell (Helen Mirren, na pele de uma mulher convicta nas suas ideias), número dois no comando da operação conjunta entre Estados Unidos e Reino Unido, o seu superior o tenente-general Frank Benson (Alan Rickman, num apelativo sarcasmo britânico), sem esquecer o jovem piloto do drone Steve Watts (Aaron Paul, de Breaking Bad), ou o soldado queniano que se encontra no terreno Jama Farah (Barkhad Abdi, ator de Capitão Phillips), todos motivados em capturar Susan Danford, agora conhecida como Ayesha Al-Hady (Lex King) e o seu marido Abdullah Al-Hady (Dek Hassan), membros da organização terrorista Al-Shabaab. A situação intensifica-se quando este casal reune-se em casa de extremistas islâmicos prontos a servir de bombistas suicidas e eliminar civis. Agora há razão de lançar os mísseis sobre a habitação e eliminar de uma vez por todas os terroristas, no entanto, uma rapariga que diariamente vende pão (esse alimento fundamental à vida) está junto ao local, e pode ser fatalmente atingida…estão a ver como funciona?

Operação Eye in the Sky

Vê ainda: Alice através do Espelho | Novo trailer “traz de volta” Alan Rickman

Ora, será preferível matar uma criança para minimizar os danos? Será vantajoso os países aliados deixarem os terroristas escapar, destruir um espaço público em vez de serem responsabilizados e criticados pela morte de alguém inocente? São estas, e outras questões assentes em aspetos sociais, morais, políticos, éticos e militares e que se levantam no decurso da projeção de Operação Eye in the Sky e que vão tentar ser respondidas pelas diferentes personagens. Personagens essas que se ligam, que comunicam melhor dizendo, através da extensa rede cibernética e dos seus respetivos dispositivos e, claro, pela montagem cinematográfica. O seu ritmo frenético, mas bem delineado, move-nos de indivíduos em indivíduos, de chefes disto a chefes daquilo com receio de tomar uma decisão e que debatem a melhor forma de agir neutralmente quando sempre existirão artigos-lei – enfim, tanta burocracia – para o contradizer. Além disso, notamos que esta guerra que o filme indica trata-se de uma guerra de comunicação, centrada na utilização das mais inovadoras tecnologias (neste caso, em drones remotamente controlados) que servem para combater o inimigo a milhares de quilómetros de distância. Em direto e ao lado de políticos sentados confortavelmente, vemos como há um preço para o conflito e que os avanços tecnológicos dificultam cada vez o diálogo frente a frente.

Operação Eye in the Sky

Lê também: As atrizes do momento pela lente de Annie Leibovitz

Por sua vez e para salvaguardar esse enfoque mais realista (coincidência ou não, tendo em conta os atentados terroristas dos últimos dias na Bélgica, no Paquistão, no Iraque reivindicados pelo auto-proclamado DAESH – Estado Islâmico) os protagonistas são de nacionalidades e etnias diferentes. Quem disse que uma britânica não pode ser terrorista? Quem disse que o queniano não pode ser agente secreto? Quem disse que entre muçulmanos não poderão existir cidadãos exemplares? Aqui, pela excelência do argumento de Guy Hibbert, denota-se que o mal não se rotula por um género, raça, religião, etnia mas por atos radicais que se tomam ao longo da vida e que para muitos espetadores é ainda difícil de compreender. É preciso colocar um ponto final dessa associação que o ser humano faz, é preciso dar um passo em frente, um cinema que se afirme social sem princípios nacionalistas, daí a importância de Operação Eye in the Sky. Este arriscado projeto consegue afastar-se dos mecanismos ou de pontos de vista americanizados constatados noutros filmes como 00:30 A Hora Negra (2012), de Kathryn Bigelow ou O Corpo da Mentira (2008), de Ridley Scott e orienta o seu espetador pelo impacto que o conflito tem sobre diferentes pessoas que mais do que tudo são sempre pessoas.

Embora valha de imediato pela sua temática, Operação Eye in the Sky interessa ainda a nível técnico, destaque sobretudo para a banda-sonora de Paul Hepker que tanto nos envolve no ambiente angustiante e tensão dramática, e para a direção fotográfica que comprova o elo entre a sétima arte e outras linguagens audiovisuais.

Enfim, Operação Eye in the Sky é um extraordinário retrato dos dias de hoje, de um problema mundial que parece não dar tréguas, ao mesmo tempo que nos confronta com a complexidade de tomadas de decisões conjuntas, espelho do prolongado debate entre seres humanos.


Título Original: Eye in the Sky
Realizador:  Gavin Hood
Elenco: Helen Mirren, Aaron Paul, Alan Rickman, Barkhad Abdi, Ian Glen, Monica Dolan e Gavin Hood
NOS | Drama, Thriller, Guerra | 2016 | 102 min

Operação Eye in the Sky[starreviewmulti id=18 tpl=20 style=’oxygen_gif’ average_stars=’oxygen_gif’] 


VJ

One thought on “Operação Eye in the Sky, em análise

  • Operação Eye in the Sky: 4*

    Vejam pois é muito mais do que um filme de guerra.

    Cumprimentos, Frederico Daniel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *