©Seaward Studios

PIGGE leva-nos ao Estado Novo no PC e PS4

A revolução dos cravos poderá ser feita de forma clandestina no que é o primeiro projecto do novo estúdio português, “PIGGE”.

A Seaward Studios anuncia “PIGGE”, um jogo stealth que combina entretenimento com educação num período não tão distante assim, onde o regime totalitário estava instalado em Portugal. O título leva-nos a uma cidade inspirada em Lisboa na pele de Filip, uma raposa que estuda artes e decide inspirar o povo contra a repressão da PIGGE (Pig International Guard that Guards Everything). Na luta pela liberdade, Filip pinta murais pela cidade à noite exprimindo os sentimentos do povo enquanto se esquiva dos agentes que o perseguem.

Lê Também:
Assassin’s Creed Valhalla é o novo capítulo da saga

Os jogadores poderão contar com um ambiente cheio de pistas, ferramentas e referências que remetem aos tempos vividos durante a ditadura, numa viagem com exploração interativa e criaturas antropomórficas, que deverá providenciar uma nova e diferente perspectiva aos jogadores mais jovens, especialmente os que pouco conhecem a importância da revolução de 1974.

A aventura histórica sobre a luta dos portugueses chegará aos PC e PS4, numa data ainda por definir.

O estúdio composto por quatro alunos finalistas do curso de Animação e Videojogos na ETIC (André Loureiro, Francisco Domingues, Rita Macedo e Rui Barata), foi formado em 2019 e tem como objetivo a criação de várias experiências interactivas na área do entretenimento e videojogos.

PIGGE
© Seaward Studios

O jogo suscitou-te interesse? Diz-nos o que pensas!

Catarina Ferreira

Sempre tive desejo inato de expressar a minha criatividade, tendo envergado pelas artes nos estudos e nos tempos livres, como pintura, desenho, fotografia ou arte digital. Os videojogos também me acompanharam desde cedo. Halo foi o que me trouxe à Xbox, onde acabei por criar os Xbox PT Dummies. Não sou fã de guerras de consolas e acredito que todos têm o dever de ser felizes onde entenderem. Podem ver as minhas opiniões (não) populares no Twitter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *