The Amazing Spider-Man (PS3)

 

Editora: Activision

Produtora: Beenox

Género: Ação

Plataformas: Nintendo 3DS, Nintendo DS, Nintendo Wii, PC, PlayStation 3, Xbox 360

Classificação Etária: 16+

Data de Lançamento: 29 de junho de 2012 (3DS, DS, PS3, Wii, X360), 10 de agosto de 2012 (PC)

Enredo: 7/10
Jogabilidade: 7/10
Gráficos: 7/10
Som: 7/10
Nota Final: 7/10

Mais um filme, mais um jogo. Há muito tempo que a indústria cinematográfica e a de videojogos andam de mãos dadas, principalmente com os seus super-heróis, e um jogo do Homem-Aranha era mais do que previsível. Mas conseguirá o nosso criador de teias ter nos jogos o mesmo sucesso de Batman e o seu Arkham City e Asylum?

Em primeiro lugar temos de perceber que este jogo é em tudo parecido a Batman: Arkham City, mas falta-lhe a genialidade presente no jogo do Homem Morcego. A forma como lutamos, ou como nos infiltramos e caçamos inimigos (em stealth mode), é praticamente igual ao jogo Batman e quem tiver gostado desta experiência, não ficará desiludido pela mecânica deste jogo.

Enredo: A história deste jogo não é fantástica nem necessita de muitas horas de jogo para chegarmos ao fim, mas no entanto os fãs certamente gostarão de alguns pormenores e das centenas de comics colecionáveis durante o jogo. A história apresenta momentos cómicos e diálogos bem conseguidos em alguns momentos, e que nos ajudam a compreender as personagens e suas ações.

São muitas as missões secundárias e a grande maioria são divertidas, só pecando pela sensação de repetição ao fim de algumas horas, mas preparem-se para muitas horas de jogo!

Gráficos: O que salta imediatamente à vista é que os gráficos poderiam ser melhores. As animações do nosso personagem estão muito boas, mas o que o rodeia, falha por vezes, com estruturas algo quadradas e pouco polidas. Esta sensação de alguma fraqueza gráfica é atenuada nos cenários exteriores, onde podemos andar pela cidade de NY e sentir toda a liberdade que as nossas teias nos oferecem, mas nunca o jogo atinge o esplendor desta geração.

A cidade apresenta pormenores interessantes e um ambiente agradável para o tipo de jogo que temos em mãos e o mapa é intuitivo, ajudando bastante à experiência de jogo.

Jogabilidade: A jogabilidade é boa, e apesar de nunca nos proporcionar momentos marcantes de ação, desde o primeiro momento sentimos que dominamos o nosso personagem e aproveitamos as suas capacidades ao máximo. Infelizmente este jogo é demasiado fácil quando falamos de lutas e apenas as lutas de bosses ficarão na nossa memória, não pela dificuldade mas porque ganham uma nova dimensão graças à velocidade necessária para sairmos vencedores.

Nos espaços fechados o jogo limita-nos os movimentos e locais onde podemos vigiar os nossos inimigos, mas nota-se que este aspeto ajuda imenso a Inteligência Artificial, tornando-a mais eficiente. A boa mistura entre lutas e infiltrações faz com que a sensação de repetição não se note nos controlos, mas o mesmo não podemos dizer das missões secundárias.

Em último lugar, a adição do comando Move poderá ser interessante para alguns jogadores, mas em termos de jogabilidade/diversão pouco traz de novo à experiência.

Som: Com uma banda sonora que não estraga nem melhora a experiência de jogo, preparem-se para esquecer as suas músicas. O trabalho de dobragem das vozes está bem conseguido, encaixa bem nas personagens e sente-se alguma emoção, sendo um ponto alto no jogo. Todos os outros efeitos sonoros também apresentam qualidade.

No geral este jogo está longe de outros jogos do género, mas consegue ser divertido e viciante, principalmente com algumas missões secundárias interessantes e com a fantástica experiência que é viajar pela cidade de NY com as nossas teias (que não fazemos ideia onde estarão agarradas). Preparem-se para muitas horas a colecionar revistas, a tirar fotos e simplesmente a explorar NY. Não é um jogo marcante nesta geração, mas os fãs irão gostar!

Pontos fortes:

  • Viciante, divertido
  • Explorar a cidade enquanto balançamos por entre os arranha-céus e sentimos a adrenalina de ser um verdadeiro Homem-Aranha
  • Jogabilidade intuitiva e em poucos minutos estarão a fazer belas acrobacias e a executar golpes brutais

Pontos fracos:

  • Jogo é fácil e nem nas batalhas finais sentimos grande necessidade de evolução
  • Graficamente está abaixo de outros jogos do género

Lê Também:
Call of Duty: Modern Warfare II tem segunda temporada adiada

Luis Pinto

Developer de videjogos e inteligência artificial - Autor do canal Luís Pinto - Apaixonado por jogos desde o tempo do Spectrum!

Luis Pinto has 877 posts and counting. See all posts by Luis Pinto