Psicopatas do Cinema | Parte 2

 

JOHN DOE | SETE PECADOS MORTAIS (1995)

john doe

Quem lhe deu vida: Kevin Spacey
Porquê na lista? John Doe refere-se aos seus assassínios de sete pessoas que cometeram um dos sete pecados mortais como o seu “trabalho”. Doe não sente pena ou remorso pelos seus crimes brutais que incluem forçar um homem obeso a comer até o seu estômago rebentar. Doe acredita que foi enviado nesta missão por Deus, o que o torna ainda mais louco, e não vai descansar enquanto esta não estiver terminada. Kevin Spacey constrói assim um dos mais brilhantes psicopatas do cinema: arrepiante, assustador e inesquecível. O verdadeiro desafio que se impõe é olhar além da loucura de John Doe e tentar descobrir onde esta acaba…e onde começa a racionalidade daquilo que pretende transmitir.
Pérolas: “It’s more comfortable for you to label me as insane”; “ What I’ve done is going to be puzzled over and studied and followed… forever

 

ANTON CHIGURH | ESTE PAÍS NÃO É PARA VELHOS (2007)

oldemen

Quem lhe deu vida: Javier Bardem
Porquê na lista? É difícil que um penteado ridículo como o que Javier Bardem apresentou em ESTE PAÍS NÃO É PARA VELHOS seja mais assustador do que foi. Uma máquina de matar com sangue frio, cuja loucura cresce sempre que não arranja uma razão “plausível” para matar alguém. Aí os destinos são decididos com a moeda ao ar: cara = vida, coroa = morte. Chirguh é uma força irrepreensível na fita, e mesmo quando não está em cena, sentimos o peso da sua presença e vemos o efeito que tem em cada personagem. Mesmo aqueles que têm a sorte de não se cruzar com ele mostram-se alterados e perturbados só por saber que um homem assim existe realmente.
Pérolas: “Call it
Reconhecimento: Anton Chigurh ficou em 46º lugar (Emipre britânica) no ranking dos 100 melhores e mais marcantes personagens de cinema de todos os tempos. A performance de Bardem valeu-lhe em 2008 um Oscar da Academia (Melhor Ator Secundário).

 

MAX CADY | O CABO DO MEDO (1991)

capefear

Quem lhe deu vida: Robert DeNiro
Porquê na lista? De alguma forma, Max Cady acredita que “ela estava a pedi-las” é uma boa defesa numa acusação de violação. O seu advogado conhece a peça e resolve omitir provas que o poderiam salvar da prisão. E foi a sua sentença. Cady era um homem sinistro e terrível que se fazia passar por normal para atingir os seus objectivos. Um terror andante que viola, espanca e mata sem qualquer pingo de compaixão ou arrependimento.
Pérolas: “Counselor! Come out, come out, wherever you are!”; “You ready to be born again, Miss Bowden?
Reconhecimento: A performance de DeNiro valeu-lhe em 1991 a nomeação para um Oscar da Academia (Melhor Ator).

 

JACK TORRANCE | SHINING (1980)

torrance

Quem lhe deu vida: Jack Nicholson
Porquê na lista? A adaptação de Stanley Kubrick da obra de Stephen King (“The Shining”) contém uma das interpretações mais icónicas da carreira de Jack Nicholson. Jack Torrance é um homem como qualquer outro. Um escritor que aceita tomar conta de um hotel durante um longo Inverno e cuja mente é lentamente consumida pela loucura. E Jack arranca numa violenta revolta contra a sua própria família, e tudo o que se ponha no seu caminho. Um dos mais convincentes psicopatas de todos os tempos, cujos olhos possuídos e sorriso rasgado são mais uma marca inapagável do cinema de terror.
Pérolas: “Come out, come out, where ever you are” “Heeere’s Johnny!
Reconhecimento: Jack Torrance ficou em 82º lugar (Premiere americana) e 73º lugar (Emipre britânica) no ranking dos 100 melhores e mais marcantes personagens de cinema de todos os tempos.

 

DR. STRANGELOVE | DR. ESTRANHO AMOR (1964)

strangelove

Quem lhe deu vida: Peter Sellers
Porquê na lista? E agora, uma escolha um pouco fora mas não tanto assim: o mais alucinado e inesquecível personagem interpretado por Peter Sellers. Dr. Stangelove é um cientista louco, uma espécie de especialista em armas com uma desordem neurológica que o faz perder o controlo num braço a qualquer momento. Ainda que não seja um “psicopata de raíz”, Strangelove é uma caricatura incontornável: um ex-nazi que trata o Presidente por “Mein Furher”, denotando a extrema ironia. Genial!
Pérolas: “Mr. President, it is not only possible, it is essential. That is the whole idea of this machine, you know. Deterrence is the art of producing in the mind of the enemy… the FEAR to attack. And so, because of the automated and irrevocable decision-making process which rules out human meddling, the Doomsday machine is terrifying and simple to understand… and completely credible and convincing.”
Reconhecimento: A performance de Sellers valeu-lhe em 1965 a nomeação para um Oscar da Academia (Melhor Ator). Dr. Strangelove ficou em 75º lugar (Premiere americana) no ranking dos 100 melhores e mais marcantes personagens de cinema de todos os tempos.

 

 

«« PARTE 1

Catarina Oliveira

Licenciada em Ciências da Comunicação e com formação complementar em Design Gráfico, além de editora e diretora criativa da MHD é também uma das sócias fundadoras da mais recente face da empresa. Colaboradora de Cinema na Vogue Portugal. Gestora de conteúdo na Lava Surf Culture e NOS Empresas - Criar uma Empresa. Autora do blog de Cinema Close-Up.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *